Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quinta-feira, março 31, 2011

Novo diretor de criação chega à Talent

Novo diretor de criação chega à Talent

Rodrigo Bombana fará dupla com Alexandre Nego Lee

A Talent recebe esta semana Rodrigo Bombana (ex-DM9DDB) para o cargo de diretor de grupo de criação da agência. Ao lado de Alexandre Nego Lee, Felipe Luchi e Philippe Degen, ele coordena a equipe criativa da Talent, liderada por João Livi, diretor geral de criação.

Rodrigo Bombana registra passagens pela Wieden+Kennedy (em Londres) e DDB Madri, porém esta é a primeira vez que comandará uma equipe. “Eu sempre admirei a maneira da Talent trabalhar, unindo planejamento e criação. Aposto muito nos clientes da agência e espero, junto com o Nego Lee e João Livi, provocar ainda mais a nossa equipe de trabalho.”, afirma.

Bombana também agradeceu a DM9DDB, onde esteve nos últimos doze anos, especialmente ao Sérgio Valente. “Se não fosse por eles, não teria chegado até aqui”, completa.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Jean-Yves Naouri propulsé patron du réseau Publicis

Jean-Yves Naouri propulsé patron du réseau Publicis

Mots clés : , , , ,

Par Alexandre Debouté
30/03/2011 | Mise à jour : 19:33 Source: Le Figaro

A 51 ans, le directeur général de Publicis Groupe devient président exécutif du principal réseau d'agences du numéro trois mondial de la communication. Et plus que jamais dauphin de Maurice Lévy.

La nouvelle va relancer les spéculations autour de la succession de Maurice Lévy. Le patron de Publicis Groupe, numéro trois mondial de la communication, a placé ce mercredi Jean-Yves Naouri à la tête de Publicis Worldwide, son principal réseau de publicité. Une décision lourde de sens, et «un élément important dans le contexte qui me concerne», précise au FigaroMaurice Lévy, dont le mandat de président du directoire a été prolongé au-delà de la fin 2011, sans qu'aucune échéance ne soit fixée.

Jean-Yves Naouri, qui reste par ailleurs directeur général opérationnel de Publicis Groupe, prend la place qu'occupait depuis 2006 Richard Pinder, qui quitte Publicis «pour mener des projets personnels».

À 51 ans, Jean-Yves Naouri n'hérite pas encore du sceptre, mais sa nouvelle mission le pose en digne successeur. En lui confiant les clés de l'enseigne fondatrice du groupe Publicis, Maurice Lévy lui offre l'opportunité de «compléter la panoplie» de ses capacités : celle de gérer l'activité opérationnelle d'un réseau de près de 10.000 collaborateurs, au service de clients leaders mondiaux de leurs secteurs comme Renault, L'Oréal, HP, Nestlé ou Procter & Gamble.

Sa nomination et le départ concomitant de Richard Pinder réduisent d'autant le champ des possibles, surtout après la sortie du jeu de David Kenny, ancien patron de Digitas, racheté par Publicis en 2007, et de Vivaki - qui regroupe les activités numériques et médias du groupe. Ce dernier a rejoint le spécialiste des solutions Internet Akamai.

Parcours initiatique

La trajectoire de Jean-Yves Naouri a, elle, tout du parcours initiatique. Entré chez Publicis en 1993, après un passage au cabinet de Dominique Strauss-Kahn, ministre de l'Industrie, de 1991 à 1993, cet X-Mines a cofondé Publicis Consultants, pris la présidence de Publicis Conseil en 2000, et fait ses classes à l'international, chargé notamment du redressement des activités en Europe du Nord, ou de celui du pôle santé.

Homme d'organisation, Jean-Yves Naouri a gravi tous les échelons du groupe. Nommé vice-président exécutif de Publicis Groupe en 2004, directeur général adjoint en charge des opérations en 2006, puis directeur général opérationnel l'an dernier, il est membre du directoire depuis 2007.

«Défi magnifique» et «belle opportunité», selon les mots de Jean-Yves Naouri, le poste qui lui a été offert ce mercredi est «une marche de plus vers la finishing line», qui le place «en excellente position dans la course», prévient Maurice Lévy.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

quarta-feira, março 30, 2011

Naouri Named Publicis Executive Chairman, Replaces Pinder as COO

Naouri Named Publicis Executive Chairman, Replaces Pinder as COO

Jean-Yves Naouri was named executive chairman of Publicis Worldwide today, a subsidiary of Paris-based ad holding company Publicis Groupe, reviving speculation about succession plans for 69-year-old CEO Maurice Levy, slated to leave Publicis Groupe at the end of 2011.

Naouri, 51, is also taking the title of chief operating officer, replacing Richard Pinder who had been in the role since 2006. Pinder is leaving the company to pursue personal projects, according to a statement from Publicis Worldwide.

In addition to executive chairman and COO of Publicis Worldwide, Naouri will continue to serve as COO of Publicis Groupe, and will continue to oversee Publicis Healthcare Communications Group, Publicis Groupe Production Platforms and China Publicis Groupe.

French website LeFigaro.fr cited Naouri's experience at Publicis as a "Parcours Initiatique," (an "Initiatory Journey," per Google Translate) and quoted Levy as saying that Naouri is "in an excellent position in the race."

Calls to the company for comment were not immediately returned.

Naouri began his career at Publicis in 1993 as a founder of Publicis Consultants, a communications consultancy subsidiary of Publicis Groupe. From 1993 until June 2010, when he was appointed COO of Publicis Groupe, Naouri climbed the ranks in the organization, holding titles such as regional chairman for Publicis Worldwide agencies in Northern Europe and executive vice president of Publicis Groupe.

He achieve a Ph.D. from the Ecole Polytechnique in 1979.

In its 2010 annual report released in February, Publicis posted a 12.5% increase in revenue and said it plans to continue growing headcount in 2011, especially in China.

Write to Jeremy Greenfield

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Rede Publicis Worldwide tem novo número um

M&M Online

Por Felipe Turlão

Publicado 30 de Março de 2011

Jean-Yves Naouri é o novo chairman executivo da empresa; COO Richard Pinder está de saída

A rede Publicis Worldwide anuncia que Jean-Yves Naouri é o seu novo chairman executivo e que Richard Pinder, diretor de operações da companhia desde 2006, deixa o cargo.

Naouri, que faz parte do comitê executivo de 12 membros do grupo Publicis, mantém o cargo de diretor geral adjunto de operações do grupo Publicis, do qual a rede de mesmo nome faz parte. Além disso, segue dirigindo a operação do Publicis Groupe na China.

Segundo comunicado, o desafio de Naouri será acelerar o crescimento da Publicis Worldwide e acelerar a mudança para o digital. O CEO Maurice Lévy agradeceu a Pinder pelo trabalho de cinco anos e o executivo afirma que deixou o cargo para “buscar novos desafios”.

Pinder causou certa polêmica no ano passado ao criticar a maneira como Martin Sorrell, CEO do concorrente WPP, administrou suas empresas durante a recessão. Ele acabou se retratando com um pedido formal de desculpas.

A rede Publicis Worldwide está presente em 82 países e tem aproximadamente 9 mil funcionários. Já o grupo Publicis é o terceiro maior do mundo, atrás apenas de WPP e Omnicom.

Marcadores:

Bookmark and Share

quarta-feira, março 23, 2011

Maurice Levy’s Publicis Groupe needs a big deal if it’s ever to catch WPP and Omnicom

Maurice Levy’s Publicis Groupe needs a big deal if it’s ever to catch WPP and Omnicom


We’re assuming that Publicis Groupe’s Maurice Levy, who postponed his retirement last year, does indeed want to catch WPP and Omnicom but that seems to be the message from the string of (admittedly small) acquisitions the company has made since the ad business began to emerge, blinking, from recession.

Publicis Groupe has just bought a majority stake in Indian healthcare agency Watermelon, possibly an indication of the growing influence of Francois Sarkozy, the French president’s younger brother, who sold his healthcare agency ACE to PG last year.

This comes hard on the heels of PG buying London agencies Chemistry and Kitkatt Nohr and some small companies in China.

None of these will materially affect the gap between PG and marcoms leader WPP and second-placed Omnicom (PG is about half the size of $15bn plus WPP with Omnicom just behind).

But every little helps of course. Levy might argue that the various companies are pursuing different strategies these days, so size comparisons are invidious.

WPP, according to its CEO Sir Martin Sorrell, is focusing on data in the belief that such information is the one thing that clients will always need to buy. Providing data though is still a people-heavy business which is one reason why the smaller Omnicom (whose emphasis still seems to be on its big creative agency networks BBDO, DDB and TBWA) still makes the most profit.

Sorrell has also focussed on buying as many agencies as he can in emerging markets because they are entering a period in which advertising spending (traditional and digital) is booming, just like it did in the West from the 1960s to the 1980s.

So WPP has recently bought Vietnam’s Who Digital to fold into its Ogilvy One outpost in Ho Chi Minh City.

Levy too has been wielding his cheque book to some effect in emerging markets, buying 49 per cent of Brazil’s Talent agency last year. PG has the advantage (in some people’s eyes anyway) of being a rather more relaxed owner than WPP. It pioneered the 49 per cent route a decade ago with London hotshop Bartle Bogle Hegarty.

Levy has also invested more dramatically than his rivals in digital, buying Razorfish and Digitas.

So some clear differences are emerging between the way Sorrell, Levy and Omnicom’s John Wren see the marcoms world developing.

WPP may own four big creative networks (O&M, JWT, Y&R and Grey) but the focus seems to be on data (WPP’s Kantar operation which houses its last big acquisition, UK researcher TNS), media (which it seems to see as a branch of the data business, calling it media investment) and emerging markets.

Omnicom recently announced it is to pursue partnerships with big tech firms like Google, Microsoft and Yahoo rather than build or buy its own digital players. So its strategy seems to be good, old advertising.

Levy’s seems to be digital, consultancy (particularly healthcare) and emerging markets.

But most companies in these markets (with the exception of the likes of Razorfish which PG bought from Microsoft for $500m) are quite small. A game-changing deal would probably have to come from somewhere else.

Which brings us back to perennial takeover targets media buyer Aegis, smaller French rival Havas and the once-mighty Interpublic, now in fourth place in the marcoms stakes behind PG.

Interpublic is finally recovering after a fraught few years and is big enough in its home market of the US anyway. The more you think about it the better the fit with Havas looks.

With Euro RSCG and media buyer MPG (and a bright new CEO in Euro RSCG’s David Jones) Havas would boost Publicis Groupe up to about $11bn, close enough to have Sorrell and Wren looking over their shoulder even more than they’re doing at the moment.

Now there may be inscrutable French political reasons why Publicis and Havas, rivals for decades, would not merge or wouldn’t be allowed to merge. Maybe Levy and Havas chairman Vincent Bollore don’t like each other.

But it’s an intriguing prospect.

Marcadores:

Bookmark and Share

Linkedin atinge 100 milhões de usuários

Linkedin atinge 100 milhões de usuários

Em um ano da versão em português, rede social chegou à marca de 3 milhões de membros no País

Fernando Murad - 22 de Março de 2011 às 11:52
Fonte: M&M

O Linkedin, rede social que reúne perfis de profissionais, anunciou nesta terça-feira, 22, que atingiu a marca de 100 milhões de membros no mundo. Para efeito de comparação, o Facebook, rede social mais popular da web, ultrapassou no ano passado a barreira dos 640 milhões de usuários - sendo mais de 13 milhões desses no Brasil, número que cresceu 280% nos últimos 12 meses.

O ritmo de crescimento da rede social, lançada em 2003, nos Estados Unidos, é de aproximadamente um milhão de novos membros por semana. O Brasil, que tem três milhões de usuários, se destaca neste cenário, com crescimento de 428% em 2010. Vale lembrar que a versão do LinkedIn em português entrou no ar em abril do ano passado.

México, com 178%, Índia, 76%, e França, 72%, são as outras nações com maiores índices de crescimento em 2010. A base de usuários do LinkedIn está dividida em 44 milhões de profissionais dos Estados Unidos e 56 milhões de outros 200 países do mundo. A rede social tem versões em outros cinco idiomas: alemão, espanhol, francês, italiano e inglês.

Concorrente nacional

Criado em 2005 em Minas Gerais por Renato Shirakashi e Diego Monteiro, a Via6 surgiu como uma ferramenta de networking e compartilhamento de conteúdo entre seus usuários e aos pouco começou a ganhar espaço junto aos profissionais que navegam na web.

Em 2007, quando ainda contabilizava 60 mil usuário, a rede recebeu um aporte de cerca de R$ 2 milhões da Confrapar, fundo de investimento mineiro, e pode acelerar seu crescimento. Em 2008, passou para 300 mil usuários e, dois anos depois, atingiu a casa de 1,2 milhão de membros. A expectativa para 2011 é a de chegar a 2 milhões de profissionais cadastrados.

Marcadores:

Bookmark and Share

Estimativa de faturamento do e-commerce: R$ 20 bi

Estimativa de faturamento do e-commerce: R$ 20 bi

Expectativa para este ano é crescimento de 30% sobre o movimento de 2010, que foi de R$ 14,8 bilhões

Nathalie Ursini - 22 de Março de 2011 às 14:16 fonte: M&M

O setor de e-commerce fechou o ano de 2010 com faturamento de R$ 14,8 bilhões, um crescimento de 40% ante o faturamento de 2009, que foi de R$ 10,6 bilhões. Na 23ª edição do relatório WebShoppers, iniciativa realizada pela e-bit com apoio da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, a Copa do Mundo é apontada como um dos principais motivos para o crescimento. Segundo a pesquisa, o evento realizado em 2010 na África do Sul colaborou efetivamente para o aumento na venda de televisões, especialmente as de LCD, no Brasil.

A expectativa é que em 2011 o mercado tenha crescimento de 30%, chegando a faturar R$ 20 bilhões. A tendência aponta a franca expansão da categoria de moda e acessórios, que há quatro anos ocupava a 20ª posição nas vendas e hoje ocupa a 6ª colocação. Além disso, são esperados quatro milhões de novos compradores, apenas do primeiro semestre do ano, atingindo assim, a marca de 27 milhões de e-consumidores.

O diretor geral da e-bit, Pedro Guasti, analisa o período de maturação do setor. “As vendas superaram nossas expectativas. Com a pesquisa, conseguimos detectar que a população não está apenas comprando mais, mas está comprando produtos de mais valor. Isso mostra a grande aceitação do mercado”, detalha. De acordo com o relatório, apenas em 2010 foram feitos mais de 40 milhões de pedidos, divididos em uma base aproximada de 23 milhões de consumidores.

O setor de eletrodomésticos equivale a 14% das compras nos carrinhos virtuais, em segundo lugar ficam os livros e as assinaturas de revistas e jornais, com 12%; seguida de saúde, beleza e medicamentos com o mesmo percentual.

Mulheres e as compras coletivas

O WebShopper analisou dois grandes protagonistas da compra virtual: as mulheres e a população de baixa renda. No que se refere às mulheres, o crescimento ainda não bateu o tíquete médio gasto pelo homem no ano, que é de R$ 425,00. Em 2005, as consumidoras gastavam em média R$ 240,00. Hoje, o montante chega a R$ 314,00. Vale lembrar que essa pesquisa analisa a compra apenas de produtos.

Assim como ressalva Alexandre Umberti, diretor de marketing da e-bit, a presença da mulher é bem maior nos sites de compras coletivas. “Os próprios players que se colocam para venda são aqueles que geram compra por impulso; são as vendas de serviços. Esse é o mercado feminino”, explica.

Predomínio

O segmento de compras coletivas tem apenas um ano no Brasil, e já possui 1200 sites cadastrados. Apesar de o número ser exorbitante, Umberti acredita que com o tempo muitos vão deixar de existir já que nem todos vão conseguir se estabelecer. De acordo com ele, 80% do mercado de vendas de compra coletiva é pertencente a três empresas: ClickOn, GrupOn e Peixe Urbano.

Ainda de acordo com Gausti, as redes sociais vêm se posicionamento como ferramenta de marketing para os grandes grupos, com destaque para o Facebook. “Nesses grandes grupos existem áreas de inteligência pensando no e-commerce pelas redes sociais. Além ter o perfil no Twitter e Facebook, a publicidade pelas comunidades atinge o público certo. Ela só deve ser sutil, para que não se torne um marketing destrutivo”, aconselha.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Publicis cresce no Brasil e formaliza área legal

Publicis cresce no Brasil e formaliza área legal

Marcas do grupo francês terão suporte do executivo Carlos Eduardo Castro Neves para que anúncios e promoções estejam em conformidade com as leis

Com apetite para realizar investimentos no mercado brasileiro e na América Latina, o Publicis Groupe resolveu criar headquarter jurídico para a região com base operacional na cidade de São Paulo. Para comandar a área, o grupo francês de comunicação arregimentou o jurista Carlos Eduardo Castro Neves, especialista em direito societário que deixa a sociedade no escritório Lilla, Huck, Otranto e Camargo, um dos principais do País.

Os franceses já adquiriram pedaço de 5% da Taterka e 49% da Talent e da QG, além da AG2 e 100% da assessoria de imprensa e relações públicas Andreolli Manning Selvage & Lee. Fala-se até na compra da DPZ, ainda não concretizada, mas com chances de ser viabilizada após due dilligence em andamento. Por e-mail, Castro Neves concedeu a entrevista que você confere a seguir:

Como será a sua atuação no Publicis Groupe?

- Será de prestar suporte jurídico para as agências e marcas que compõem o Publicis Groupe no Brasil, auxiliando-o a alcançar seus objetivos operacionais.

Como funciona o Publicis Groupe no Brasil? Como é estruturado? Tem um presidente?

- A atuação do Publicis Groupe no Brasil está presente em diversas agências, dentre as quais Publicis Brasil, Salles Chemistri, Publicis Dialog, Leo Burnett, Talent, QG, F/Nazca Saatchi & Saatchi, AG2 Publicis Modem, dentre outras (N.R.: como a a participação na Neogama/BBH, por exemplo). Na maior parte dos casos, são operações independentes. Além das agências mencionadas acima, o grupo, no mundo, conta com um Centro de Serviços Compartilhados (Shared Services Center), o qual chamamos de Re:Sources – que é responsável por uma série de serviços comuns à todas as agências, incluindo jurídico, financeiro, contábil, tesouraria e tecnologia da informação.

O Sr. vai atuar como departamento/escritório 360 graus ou apenas na inteligência e terceirizando as operações?

- Ambos. Ainda que a coordenação e gerenciamento dos services prestados por escritórios externos têm um papel importante, eu também serei diretamente responsável por aconselhar as agências em questões estratégicas. No resto do mundo, o Publicis Groupe conta com atuação jurídica próprias na França, Grécia, Índia, Itália, Holanda, Polônia, Rússia, Espanha, Reino Unido, Ucrânia e Estados Unidos. Dentre as minhas atribuições, posso destacar as seguintes: assessorar as unidades de operação no Brasil a fim de assegurar conformidade legal e regulatória, além de gerenciar os riscos mais relevantes; redigir e negociar contratos entre agências e clientes; redigir e revisar contratos comerciais estratégicos; fazer com que anúncios e promoções estejam em conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis; Proteger os direitos de propriedade intelectual; gerenciar o assuntos litigiosos, elaboração de relatórios e resoluções de disputas; assessorar o RH em questões de direito do trabalho; cuidar dos assuntos corporativos e societários; assistir e gerenciar jurídicos internos e externos em aquisições e outras transações corporativos, bem como em reestruturações; nomear e gerenciar consultores jurídicos externos; reduzir custos referente à contratação de escritórios externos e consultores profissionais; levar adiante os objetivos estratégicos do departamento jurídico do Grupo Publicis.

Quais as demandas jurídicas nessa área para um grupo de publicidade?

- A grande parte das demandas jurídicas que cercam grupos de publicidade e propaganda, descritas no item acima, estão igualmente presentes nas demais. No entanto, a conformidade envolvendo questões de promoções e publicidade, além da proteção dos direitos de propriedade intelectual certamente recebem atenção especial, uma vez que estão diretamente ligadas ao core business das agências

A publicidade é uma atividade que tem regulamentação própria em muitos países.

No Brasil as interferências crescem com novos projetos de lei etc. O caminho para a formalização de áreas jurídicas nos grupos de publicidade como o Publicis?

- Na medida em que a prestação de serviços jurídicos se torna cada vez mais especializada, a criação de departamentos jurídicos internos, além de proporcionar um atendimento mais ágil às áreas gestoras, torna o grupo cada vez mais independente

A criação publicitária exige um advogado ao lado de uma dupla de criação?

- Eu acredito que o serviços prestado por um departamento jurídico interno beneficia todas as áreas de uma empresa, especialmente se feito de forma preventiva. O advogado que se depara com situações delicadas que envolvam publicidade, promoções e propriedade intelectual, tem a obrigação não só de alertar a diretoria de criação, mas como também de oferecer soluções e alternativas. O principal ponto é que a empresa trabalhe de forma coesa para melhor atender o Cliente

O crescimento do grupo francês no Brasil exige esse movimento na Área jurídica?

- Sim, mas a criação de um departamento jurídico não deve ter como termômetro única e exclusivamente o tamanho da empresa ou seu crescimento. A adoção de procedimentos preventivos e o gerenciamento direto de casos litigiosos, quando feito internamente, garante à empresa, qual seja seu porte, tranquilidade para se concentrar na operação e rentabilidade.

por Paulo Macedo da PropMark


Marcadores:

Bookmark and Share

sábado, março 19, 2011

BTG Pactual assume o controle da WTorre Properties

BTG Pactual assume o controle da WTorre Properties

Entre os ativos da companhia, está a nova sede da Petrobras, cujo aluguel renderá R$ 100 mi ao mês até 2029

17 de Março de 2011 às 14:19 fonte: M&M

A WTorre vendeu uma fatia expressiva do seu negócio de administração imobiliária ao banco de investimentos BTG Pactual. Pelo acordo anunciado, o BTG ficará com 65% do capital total da companhia, de R$ 5,3 bilhões. Os bancos Santander e Votorantim e o empresário Walter Torre, fundador da construtora que dá nome ao grupo, ficarão com 35% do negócio.

Ainda sem nome definido, a nova sociedade será encarregada da gestão de ativos imobiliários industriais e comerciais de grande porte, caso da nova sede da Petrobras, em fase de construção. Pelo acordo prévio firmado com a WTorre, que seguirá operando de forma independente, a Petrobras se comprometeu a alugar o imóvel até 2029, pagando cerca de R$ 100 milhões ao mês.

A transferência de uma parcela dos ativos do grupo foi a saída encontrada por Torre para fazer frente ao endividamento da empresa, considerado exagerado para os padrões do mercado imobiliário nacional. Anteriormente, para se capitalizar, o grupo WTorre tentou sem sucesso abrir o capital da empresa e criar um fundo lastreado no negócio com a estatal de petróleo.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

sexta-feira, março 11, 2011

AG2 quer conquistar os clientes da Publicis

AG2 quer conquistar os clientes da Publicis

Por enquanto, 85% da receita da agência ainda são gerados por negócios não relacionados às outras agências da rede

Felipe Turlão - 10 de Março de 2011 às 10:07 da M&M

No começo de agosto do ano passado, o Publicis Groupe anunciou a aquisição de 62% das ações da AG2, agência digital brasileira comandada por César Paz. A negociação transformou a empresa em AG2 Publicis Modem, com o objetivo de criar a base local da rede digital do grupo francês. Pouco mais de seis meses depois, alguns passos foram dados nesse sentido e outros ainda estão sendo planejados. "Dentro de um ano quero dizer que estou atendendo o digital de todos os clientes das agências da rede", avisa Paz.

Por enquanto, 85% da receita da AG2 ainda são gerados por negócios não relacionados às outras agências da Publicis. São contas como a de Bradesco, para quem está lançando um novo Internet Banking, projeto no qual está envolvida há dois anos e meio, envolvendo desde o planejamento até a execução. A AG2 também já atendia antes da venda ao Publicis Groupe a conta da Chevrolet, também atendida pela Salles Chemistri, outra agência do grupo no Brasil. Outro cliente importante é Embraer, que faz com os outros dois a trinca de maiores verbas da casa.

Entre os clientes da rede Publicis que passara a trabalhar com a AG2 estão Nestlé, Sanofi, Arno, L´Oreal e PayPal. "A AG2 se tornou a agência digital da Publicis no Brasil e responde por todos os movimentos digitais da rede", afirma Paz. Seu próximo passo é resolver como será a integração com as áreas digitais das agências da família Publicis no Brasil, principalmente com as recém-chegadas Talent e QG, que tiveram 49% de suas ações transferidas para a holding francesa em outubro do ano passado.

Outro plano da AG2 que ganha fôlego com o suporte da multinacional é a internacionalização. A ideia é que a agência possa se tornar a base da rede Publicis Modem para toda a América Latina. Mas, de acordo com Paz, este processo ainda é embrionário. Ele fez visitas a países como Chile e Panamá, mas diz que está muito longe de fechar alguma coisa. "O problema é que o mercado brasileiro está superaquecido e atropela este plano", considera. Paz acredita que a agência pode ganhar importância estratégia no negócio da holding, até porque, segundo ele, a AG2 é uma das operações com melhor performance em termos de receitas e rentabilidade dentro da rede Publicis Modem.

Em um pequeno balanço, Paz afirma que a parceria foi boa para os dois lados. Na verdade, afirma, a AG2 não poderia fugir deste destino, embora pudesse manter-se independente por mais uns dois anos. "Seria difícil continuar crescendo no mesmo ritmo como agência independente. Com parte de um grupo internacional, temos facilitado o caminho para a prospecção de novos negócios e suporte de determinadas metodologias e processos", frisa. A agência cresceu 42% no ano passado e planeja avançar mais 30% em 2011.

Marcadores: ,

Bookmark and Share

terça-feira, março 01, 2011

Mercado publicitário fecha década com chave de ouro

Mercado publicitário fecha década com chave de ouro

17,7% maior, bolo publicitário total chega a R$ 36 bilhões em 2010; TV aberta com 63% atinge o maior share da história do Projeto Inter-Meios

Edianez Parente - 28 de Fevereiro de 2011 às 07:53

O mercado publicitário em 2010 fechou a década com desempenho digno de ano de bons negócios. Os dados do Projeto Inter-Meios, realizado pelo Grupo M&M em conjunto com a PricewaterhouseCoopers, mostram uma retomada da trajetória ascendente da mídia, de forma mais expressiva do que os 4% de 2009.

O faturamento total do Projeto Inter-Meios é o resultado dos números fornecidos pelos próprios veículos. Estima-se que as empresas que fornecem os resultados representem 90% de todos os investimentos em compra de espaço publicitário no País. Em 2010, o montante faturado pelos veículos atingiu R$ 29,1 bilhões.

Para se chegar ao total movimentado pelo mercado, a PricewaterhouseCoopers estima os 10% restantes e faz uma soma simples, chegando ao valor arrecadado com compra de mídia. A esse montante, adiciona-se um valor estimado para a produção das peças de publicidade e campanhas que são veiculadas nesses espaços, montante que é calculado em 19% do total. Assim, tem-se o valor do bolo publicitário total (mídia + produção publicitária), que em 2010 foi de R$ 36 bilhões, ou US$ 20,5 bi.

Descontando-se a inflação medida pelo IGP-M, o crescimento fica em 11,3%; ou ainda em não menos significativos 12,1% se o índice considerado for o IPCA. Em ambos os casos, trata-se de expressivo crescimento real. Em dólares, o mercado cresceu 30% - mas há de se considerar que o período é de valorização da moeda nacional.

Comparando-se com os números do mercado internacional (relatório ZenithOptmedia) , o Brasil ultrapassou a França e ocupa a sexta posição no ranking dos países com maior bolo de publicidade, atrás de Estados Unidos, Japão, Alemanha, China e Inglaterra.

Diz José Carlos de Salles Gomes Neto, presidente do Grupo M&M e que coordena o Projeto Inter-Meios: “A propaganda tem essa relação com o momento econômico, como estimuladora do desenvolvimento de negócios. Em anos positivos, os processos de construção de marcas ganha ainda maior valor. O que é diferente em anos de crise, quando a propaganda é essencialmente voltada ao hard sell”.

Com exceção do segmento Guias e Listas, que teve desempenho negativo em relação a 2009 (-7,8%), todos os demais meios em seu conjunto registraram crescimento ou praticamente mantiveram a performance sobre o ano anterior.

Mas cabe ressalva importante sobre o segmento de guias listas: em especial por conta dos anúncios classificados, o setor tem feito forte migração para o meio internet, que continua ascendente. TVs por assinatura (22,9%), Revistas (14,9%), rádio (10,9%), internet (28%), cinema e (13%) e mídia exterior (15,3%) apresentaram crescimentos todos na casa de dois dígitos.

No entanto, o crescimento não foi suficiente para o meio jornal manter seu share, com perda de participação no bolo, passando de 14,1% de share em 2009 para os atuais 12,4%. Rádio (de 4,4% para 4,2%), e revistas (de 7,7% para 7,5%) também tiveram pequena oscilação negativa na sua participação diante de todo o mercado.

Nunca antes na TV

Mas 2010 entra para a história do Projeto Inter-Meios como o ano de maior share da TV aberta, desde o início do levantamento, em 1990. Com praticamente 63% de participação, o meio, que no ano passado completou 60 anos desde o lançamento da extinta TV Tupi no Brasil, acusou crescimento de 21,6% em relação a 2009.

Ainda no comparativo com o mercado internacional, a TV aberta brasileira em participação só fica atrás dos mercados de Estados Unidos e Japão, ocupando a terceira posição.

Marcadores:

Bookmark and Share

Paulo Giovanni volta à publicidade

Paulo Giovanni volta à publicidade

Enquanto negocia com a Leo Burnett, empresário apresenta seus sócios na novata Tailor Made

Alexandre Zaghi Lemos - 28 de Fevereiro de 2011 às 09:40

Uma viagem relâmpago na semana passada a São Paulo do CEO global e chairman da Leo Burnett, Tom Bernardin, é o lance mais recente da negociação entre a multinacional e o empresário brasileiro Paulo Giovanni, cotado para tornar-se sócio e presidente da rede no Brasil. Bernardin esteve no País por um dia, exclusivamente para se reunir em um hotel da capital paulista com Giovanni e Ruy Lindenberg, vice-presidente de criação e responsável interinamente pelo escritório brasileiro. Escolhido pelo comando global da Leo Burnett em outubro para coordenar no Brasil a busca por um novo presidente, Lindenberg vem mantendo constantes encontros com o empresário desde então.

Nos últimos meses, também ocorreram reuniões entre Giovanni e os principais clientes da Leo Burnett, especialmente a Fiat, com quem ele tem bom relacionamento desde os tempos em que atendeu o anunciante na Giovanni+DraftFCB. Maior conta da casa, a montadora deu sinais de insatisfação com a agência no ano passado. A rede global vê a possível chegada de Giovanni como trunfo para encerrar de vez a crise com o anunciante, que já teve trocada parte da equipe dedicada ao seu atendimento.

Entre os pontos que tornam o acordo entre Leo Burnett e Paulo Giovanni mais complexo, e atrasam seu desfecho, está a inclusão no negócio das três agências controladas pelo empresário: as promocionais Mix Brand Experience e Pop Trade Marketing, que juntas tiveram faturamento declarado de R$ 200 milhões em 2010, e a novata Tailor Made, focada na publicidade. As tratativas avançam rumo a admissão de Giovanni como sócio da Leo Burnett no Brasil. Por outro lado, a multinacional se tornaria acionista nas agências Mix e Pop.

Já a Tailor Made teria seus diretores absorvidos pela Leo Burnett, desfalcada pela saída de alguns de seus principais executivos, no vácuo deixado pela transferência do presidente Renato Lóes para a Dentsu, em setembro (veja aqui).

Quarteto formado
Enquanto evoluía a negociação que pode torná-lo sócio e presidente da Leo Burnett Brasil, conforme revelou o M&M Online em 11 de janeiro (veja aqui), Paulo Giovanni se dedicava nos últimos meses a montagem deste time, apresentado oficialmente na semana passada como sócios da Tailor Made. Conforme adiantou a coluna Em Pauta da edição de Meio & Mensagem de 21 de fevereiro (veja aqui), são eles os diretores Marcello Magalhães (planejamento), Fernando Sales (mídia), Pablo de Arteaga (operações) e Marcelo Reis (criação). Seja nas dependências da Leo Burnett ou em carreira independente, é com este grupo que Giovanni pretende retornar à publicidade, atividade da qual está afastado desde que se desligou da Giovanni+DraftFCB, onde foi sócio até 2005 e exerceu o cargo de chairman até o fim de 2009. Segundo ele, não havia nenhum impedimento legal, nem mesmo os tradicionais períodos de quarentena, para sua atuação na área da publicidade após a saída da rede DraftFCB – que, por seu turno, optou por manter o sobrenome do empresário na sua agência brasileira.

Embora os sócios anunciem já estar envolvidos em cinco projetos, apenas a Rádio Disney foi confirmada como cliente inaugural da Tailor Made. Por enquanto, a agência está alojada em um startup office, em São Paulo, com uma equipe de cerca de 10 pessoas. Fernando Sales foi chamado por Giovanni no fim de 2009, pouco depois de deixar a sociedade da Santa Clara, para montar um departamento de mídia na Mix. A ideia era ampliar o escopo de atuação da agência promocional, o que incluía também a contratação de um criativo experiente na seara da publicidade – Átila Francucci chegou a ficar na Mix por alguns meses em meados de 2009. “Logo notamos que as dinâmicas diferentes podiam gerar um Frankenstein e começamos a pensar em uma agência à parte”, resume Sales.

Tomada a decisão de lançar uma operação dedicada a publicidade, Giovanni procurou outro profissional com quem, assim como Sales, havia trabalhado na Giovanni+DraftFCB. Foi então, em meados do ano passado, que Marcello Magalhães se juntou ao projeto, logo após deixar a direção-geral de planejamento da Ogilvy, cargo que ocupou por cerca de um ano. O grupo diretivo seria fechado com o criativo Valdir Bianchi, também ex-Giovanni+DraftFCB. Entretanto, ele preferiu continuar tocando a agência EC Comunicação, que mantém em sociedade com Eduardo Foresti.

Essência simples
Paralelamente aos primeiros passos do novo projeto, Giovanni começou a negociar com a Leo Burnett. Embora impedido por contratos de confidencialidade de comentar qualquer detalhe das tratativas, o empresário reconhece que o assédio de multinacionais alterou os planos de lançamento da Tailor Made. No mês passado, já com os trâmites com a Leo Burnett em fase de análises contratuais, Giovanni fechou o time diretivo de seu novo projeto com os acertos com Pablo de Arteaga (ex-diretor de atendimento da conta de Itaú na Africa, onde ficou pouco mais de um ano) e Marcelo Reis (ex-diretor de criação da DM9DDB).

O acordo com o criativo foi intermediado pela The Talent Business, especializada em headhunter. “As indefinições nas negociações com multinacionais atrasaram a vinda do Marcelo Reis”, frisa Magalhães. “Depois de três anos na DM9DDB, tirei uma licença para participar da campanha presidencial de Dilma Rousseff e, antes de voltar, preferi sair em função da mudança no comando criativo da agência”, detalha Reis, em referência a contratação em outubro de Marco Versolato como vice-presidente de criação, cargo que estava vago na DM9 há um ano e meio.

“O modelo proposto pela Tailor Made será mantido mesmo se efetivado algum acordo com multinacional. Vamos disseminar este vírus e contaminar o lugar onde a gente estiver, seja ele qual for”, garante Sales. “Em qualquer cenário que se apresente, a essência da Tailor Made estará presente, pois ela vale para uma startup e para uma grande rede. Já vimos diversas multinacionais passarem por mudanças e acreditamos que é possível uma multinacional se transformar”, completa Arteaga. Segundo ele, a essência a que se refere está baseada em três pontos simples, que deverão ser alcançados pelos diretores com disciplina e conhecimento de gestão: bom diagnóstico, criação de conceitos e respeito profundo pela execução.

Hub estratégico
Outro ponto de concordância entre Giovanni e seus novos sócios é o de que o modelo full service não é o melhor para o momento. Eles pretendem que a agência funcione como um hub estratégico auxiliado quando necessário um uma rede de agências especialistas, como a Mix, Pop e outras com as quais já fizeram contato para futuros trabalhos em conjunto: AgênciaClick (digital), Fábrica (marketing direto), New Content (conteúdo) e Tátil (design). “Não acreditamos que podemos oferecer todos os serviços. Vamos criar ideias que trafeguem em diversas plataformas e trabalhar com especialistas, pois tem gente muito melhor que a agência de publicidade fazendo marketing direto, shopper marketing, ativação, design. Este é um sistema que também agrada as multinacionais com as quais conversamos”, resume Giovanni.

“O mercado está muito receptivo à proposta da Tailor Made”, garante Magalhães, que atuou em anunciantes por nove de seus 17 anos de carreira, sendo a maior parte deles (sete) na Unilever. O profissional também passou por uma experiência internacional, ao abrir em Londres a consultoria BrandThinkTank, que operou por um ano e meio. Antes da mudança para a Inglaterra, Magalhães passou dois anos na Giovanni+DraftFCB e um ano e meio na Neogama/BBH, sendo que nesta última atuou ao lado de Arteaga.

“O desafio de gestão para as agências é o fato delas desperdiçarem seu recurso mais valioso que é o tempo das pessoas. Cerca de 40% do tempo é mal usado e desperdiçado por falta de foco e de gestão”, aponta Arteaga, frisando que a principal estratégia de prospecção atual é o assédio aos clientes da Mix e da Pop.

Giovanni diz que a Tailor Made será remunerada por fee e irá recomendar que percentual da verba o anunciante deve investir em cada disciplina, sugerindo parceiros especialistas para cada caso. “Não vamos viver da comissão de mídia. Aprendi isso na Mix, que não ganha um centavo com mídia e é muito rentável”, frisa Giovanni, que tem mais sócios nas suas outras duas agências: Celio Ashcar Junior, Felipe Almeida e Marco Scabia, na Mix Brand Experience; e Amir Krutman, Antonio Servolo, Vilson Dieter, Sérgio Alves, Márcio Tavares e Jorge Bittencourt, na Pop Trade Marketing.

Marcadores: ,

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.