Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

segunda-feira, novembro 16, 2009

NOTICIAS DO DIA 12.11.09

Com resultado aquém do esperado, CPFL Energia vê recomendações mantidas

Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 06h36
InfoMoney

SÃO PAULO - Reportando um lucro líquido de R$ 290 milhões, a CPFL Energia (CPFE3) divulgou, nesta terça-feira (10), seus balanços referentes ao terceiro trimestre de 2009. Ficando 15,8% abaixo do lucro visto no mesmo período do último ano, o resultado veio aquém das expectativas dos analistas.

O Credit Suisse disse que "os resultados foram impactados por eventos não recorrentes, mas, apesar de tudo, o desempenho ajustado ficou em linha com nossas expectativas", disse o banco suíço, citando os problemas que a companhia teve com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) durante o período.

A agência considerou irregular a exposição da planta de Piratininga ao mercado spot, o que acarretou em um provisionamento de R$ 45 milhões e uma revisão das tarifas pagas pela companhia, o que somou, por fim, em um impacto negativo de R$ 116 milhões nos resultados do terceiro trimestre.

Aquisições

A companhia também anunciou, junto com seus resultados, parcerias em dois novos projetos dentro do setor de geração. A CPFL adquiriu 51% de participação na Termonordeste e Termoparaíba, duas plantas de energia termoelétrica, e também revelou uma parceria com grupo Farias para o desenvolvimento de um projeto de biomassa de cana-de-açúcar.

"Temos uma visão positiva em relação aos negócios anunciados no segmento de geração, devido à sinalização de que a companhia está disposta a adicionar novas fontes de energia ao seu portfólio e aumentar suas oportunidades de crescimento dentro do setor", avaliam os analistas da Bradesco Corretora.

Recomendações

Apesar de se manterem otimistas com as perspectivas da companhia, os analistas mantiveram suas classificações para os papéis da companhia.

Para o JP Morgan, os papéis já refletem as qualidades da empresa e os riscos do setor, com a perspectiva de uma contração no segmento de geração nos próximos anos, o que justifica a recomendação de underweight - expectativa de desempenho abaixo da média do mercado nos próximos 12 meses.

Por sua vez, o Credit Suisse aproveitou o ensejo para introduzir seu preço-alvo para 2010, que foi calculado em R$ 41,00. A recomendação para os ativos foi mantida como neutra.

AmBev tem avanço de 3,8% no lucro líquido trimestral, para R$ 1,21 bilhão


Por: Valter Outeiro da Silveira
12/11/09 - 07h40
InfoMoney

SÃO PAULO - A AmBev (AMBV3, AMBV4) revelou seu resultado operacional do terceiro trimestre, apresentando lucro líquido de R$ 1,21 bilhão, avanço de 3,8% frente ao montante visto no mesmo período do ano passado.

No tocante à receita líquida e ao Ebitda (geração operacional de caixa), ambos foram crescentes. O primeiro montante somou R$ 5,41 bilhões, alta de 12,7% frente ao obtido entre julho e setembro do ano passado. Já o Ebitda normalizado revelou variação positiva de 13,7%, ao totalizar R$ 2,37 bilhões.

"No geral, estamos satisfeitos com outro trimestre de crescimento de Ebitda de dois dígitos e com o desempenho do nosso fluxo de caixa operacional, duas áreas nas quais concentramos nosso foco em 2009", completa a companhia, de olho no curto prazo.

Confira os números do trimestre

(em R$ milhões)
3T09
3T08
%
Receita Líquida
5.411
4.800
+12,7%
Ebitda*
2.373
2.088
+13,7%
Lucro Líquido
1.219
1.163
+5,8%

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização

Satisfeitos

"Estamos satisfeitos com nossos resultados, pois as áreas nas quais decidimos focar no começo do ano, inovação e produtividade, continuam a contribuir positivamente para nosso crescimento de volume, participação de mercado, Ebitda e rentabilidade", disse João Castro Neves, diretor geral da AmBev, completando ainda que a companhia deve se preparar para o verão, estação com maior consumo de bebidas.

Controladora também lucra

De São Paulo a Bruxelas, a Anheuser-Busch InBev também revelou seus números ao mercado, com lucro líquido de US$ 1,55 bilhão no terceiro trimestre, abaixo da soma dos lucros líquidos de Anheuser-Busch e InBev no mesmo período do ano passado, de US$ 666,1 milhões e US$ 690 milhões, respectivamente.

Para Carlos Brito, CEO (Chief Executive Officer) da Anheuser-Busch InBev, a união entre as cervejarias e a venda de ativos nos EUA e na Europa resultaram em uma companhia "muito mais forte". Contudo, a receita líquida da companhia recuou 10%, ao somar US$ 9,76 bilhões - frente aos números combinados de Anheuser-Busch e InBev

TAM reverte prejuízo e apresenta lucro líquido de R$ 348 milhões no trimestre


Por: Valter Outeiro da Silveira
12/11/09 - 08h20
InfoMoney

SÃO PAULO - A TAM (TAMM4) apresentou seu resultado operacional do terceiro trimestre, mostrando lucro líquido de R$ 348 milhões, melhora frente ao prejuízo de R$ 663,6 milhões visto em igual período do ano anterior.

Quanto à receita líquida e ao Ebitda (geração operacional de caixa), a trajetória de queda foi consoante. O primeiro montante somou R$ 2,4 bilhões, queda de 16,5% frente ao obtido entre julho e setembro do ano passado. Já o Ebitda revelou variação negativa de 19,6%, ao totalizar R$ 247,8 milhões.

À frente, o otimismo predomina. "Estamos observando uma forte recuperação da demanda a partir do terceiro trimestre de 2009. O mercado doméstico já apresenta um crescimento maior do que as nossas estimativas revisadas (anteriormente acreditávamos em um crescimento entre 1% e 5%)", completa a companhia.

Confira os números do trimestre

(em R$ milhões)
3T09
3T08
%
Receita Total
2.419
2.896
-16,5%
Ebitda*
247,8
308,3
-19,6%
Lucro Líquido
348,0
(663,6)
-

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização

Operacional

O RPK (número de passageiros transportados por quilômetros voados) da companhia mostrou crescimento de 7,6%, ao totalizar 11,2 milhões. Já os ASKs (assentos disponíveis por quilômetro voado) somaram 16 milhões, um avanço de 11,4% frente ao registrado no ano anterior.

Log-In firma parceria com TBS para desenvolver transporte marítimo de carga


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 08h26
InfoMoney

SÃO PAULO - A Log-In (LOGN3) assinou na última quarta-feira (11) um memorando de entendimentos com o TBS Commercial Group e com a TBS do Brasil, estabelecendo uma potencial parceria para desenvolver projetos de transporte marítimo de carga.

A TBS, afiliada da TBS International Limited, é um armador internacional especializado na prestação desse serviço de logística, com forte atuação nos mercados da Ásia, Pacífico, América Latina, EUA e Caribe.

De acordo com o comunicado da Log-In sobre a operação, a conclusão desta parceria, assim como o início dos investimentos necessários, ainda está sujeita à aprovação das autorizações públicas e societárias pertinentes.

Visão estratégica

A assinatura do memorando de entendimento com a TBS é parte das alternativas que estão em avaliação para o reemprego dos navios retirados da operação regular do transporte de contêineres pela Log-In.

"Esta iniciativa está em linha com a nossa estratégia de incrementar a participação de mercado nos fluxos de transporte de média e longa distância, através de alianças estratégicas que complementem nosso portfólio de serviços", comentou a empresa.

Energias do Brasil anuncia termos de sua nova oferta de ações ordinárias


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 08h36
InfoMoney

SÃO PAULO - A EDP - Energias do Brasil (ENBR3) publicou nesta quinta-feira (12) o aviso ao mercado sobre sua oferta secundária de ações ordinárias. A distribuição compreende inicialmente 14,091 milhões de papéis e será realizada no Brasil, com esforços de colocação no exterior.

O coordenador líder da oferta será o Banco Bradesco BBI, sendo que o banco Citigroup também atuará como coordenador contratado.

Vale ressaltar que, além do lote inicial, a empresa pode exercer ainda a opção de lote suplementar, correspondente a até 10% das ações inicialmente ofertadas, ou seja, 1,409 milhão de papéis.

Preço por ação

A fixação do preço será feita após a efetivação dos pedidos de reservas e a conclusão do procedimento de
bookbuilding.

Entretanto, se considerada a cotação do papel no último fechamento (R$ 31,00), a operação pode movimentar, no mínimo, R$ 436,821 milhões. Entretanto, caso a Energias do Brasil opte por exercer a opção de lote suplementar, a captação da oferta pode chegar a R$ 480,5 milhões.

Operação da Oferta
Quantidade de papéis
Distribuição Pública Secundária
14.091.000 ações ordinárias
Opção de Lote Suplementar*
Até 1.409.000 ações ordinárias
Intervalo de investimento na Oferta de Varejo
R$ 3.000,00 -
R$ 300.000,00
Investimento na Oferta Institucional
Limite mínimo de R$ 300.000,00

*Até 10% da quantidade de ações inicialmente ofertada

Oferta

A oferta é destinada a investidores pessoa física e jurídica e clubes de investimentos no Brasil, sendo que também serão realizados esforços de venda das ações no exterior.

Critérios de rateio

Caso a totalidade de pedidos de reserva de ações realizados por investidores de varejo ultrapasse o montante de papéis destinado a este grupo de, no mínimo 10% e máximo 15%, o critério de rateio será a
divisão igualitária e sucessivadas ações, limitada ao valor individual de cada pedido de reserva, entre todos os investidores não institucionais.

Confira a agenda da oferta:

Eventos da Oferta
Data
Publicação de Aviso ao Mercado e Início do Procedimento de Bookbuilding
12 de novembro
Início do Período de Reservas da Oferta Varejo
19 de novembro
Encerramento do Período de Reservas da Oferta Varejo
23 de novembro
Fixação do Preço por Ação (encerramento do Procedimento de Bookbuilding)
24 de novembro
Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar
24 de novembro
Início das negociações na BM&F Bovespa
26 de novembro
Liquidação Financeira da Operação
30 de novembro
Encerramento do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar
23 de dezembro
Data limite para a publicação do anúncio de encerramento da oferta
04 de janeiro de 2010

GP Investments reverte prejuízo e registra lucro de US$ 125,8 milhões


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 08h45
InfoMoney

SÃO PAULO - A GP Investments (GPIV11) divulgou resultados do terceiro trimestre na manhã desta quinta-feira (12), reportando lucro líquido de US$ 125,8 milhões.

A cifra foi superior à apurada tanto no trimestre imediatamente anterior (US$ 118,2 milhões), quanto no mesmo período de 2008, quando a empresa havia registrado prejuízo de US$ 256,4 milhões.

A receita total apurada pela empresa entre os meses de julho a setembro deste ano foi de US$ 138,4 milhões, resultado que, segundo a GP Investments, reflete "o aumento do valor agregado de companhias do portfólio e ganhos realizados com o desinvestimentos parciais de BRMalls e de Hypermarcas em julho de 2009".

Patrimônio

O patrimônio líquido da GP, por sua vez, também evoluiu e ficou em US$ 719 milhões, representando aumento de 21% em relação ao trimestre anterior e 25% desde o início do ano.

Banco do Brasil registra lucro líquido de R$ 1,98 bilhão durante o terceiro trimestre


Por: Rafael de Souza Ribeiro
12/11/09 - 08h51
InfoMoney

SÃO PAULO - Dando sequência à temporada de publicação dos resultados referentes aos grandes bancos brasileiros, o Banco do Brasil (BBAS3) reportou na manhã desta quinta-feira (12) seu desempenho relativo ao terceiro trimestre de 2009.

No período, a instituição obteve lucro líquido de R$ 1,98 bilhão, ligeiro aumento frente ao revelado no mesmo período do ano passado (R$ 1,87 bilhão) e queda em relação ao trimestre passado (R$ 2,35 bilhões).

O RSPL (Retorno sobre Patrimônio Líquido), que mensura a rentabilidade do banco, ficou em 26,2% durante o terceiro trimestre, bem abaixo dos 33,6% apurados no mesmo período de 2008.

As receitas reportadas via intermediação financeira somaram R$ 14 bilhões entre julho e setembro deste ano, queda de 11,8% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. No acumulado do ano, houve alta de 14,1%, somando R$ 43,49 bilhões.

Enquanto isso, as despesas com intermediação financeira recuaram forte na passagem trimestral, de R$ 9,86 bilhões para R$ 6,82 bilhões, retrocesso de 31%.

Carteira de crédito

A carteira de crédito encerrou setembro com saldo de R$ 285,5 bilhões, crescimento de 41% em relação ao acumulado de 2008 e aumento de 13% frente ao segundo trimestre de 2009.

Os ativos totais encerraram o período em questão em R$ 685,7 bilhões, registrando crescimento de 14,5% na comparação trimestral e de 50% frente ao terceiro trimestre de 2008.

O índice de eficiência, que mede a relação entre despesas administrativas e de pessoal sobre a receita bancária, mostrou melhora em relação ao apresentado em 2008, ao passar de 47,6% para 42,8%.

Vale lembrar que quanto menor este indicador for, menor será a parcela das receitas bancárias necessárias para cobrir os custos operacionais.

Eucatex: lucro líquido dispara e atinge R$ 185 milhões no terceiro trimestre


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 08h56
InfoMoney

SÃO PAULO - A Eucatex (EUCA4)apresentou um lucro líquido de R$ 185 milhões no terceiro trimestre de 2009, conforme informado em nota divulgada na manhã desta quinta-feira (12).

A cifra corresponde a um vultoso crescimento de mais de 19.911%, uma vez que no mesmo período do ano passado, a companhia apresentou um lucro ínfimo de R$ 900 mil.

Outro indicador contábil a mostrar grande melhora na base de comparação anual foi o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), crescendo mais de 500% ao passar de R$ 32,1 milhões em 2008 para R$ 193,2 milhões no terceiro trimestre deste ano.

Por sua vez, a receita líquida teve leve retração. Ao passo que entre julho e setembro do ano passado a Eucatex contabilizou uma receita líquida de R$ 187,1 milhões, desta vez o montante foi de R$ 168,3 milhões.

Veja os números:

(em R$ milhões)
3T09
3T08
Variação
Receita líquida
168,3
187,1
-10,1%
Ebtida*
193,2
32,1
+500,9
Lucro Líquido
185,0
0,9
+19.911,1%

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização

Cenário econômico

Segundo a Eucatex, embora "ainda seja possível identificar reflexos da crise iniciada em 2008", o cenário econômico no terceiro trimestre deste ano já é consideravelmente melhor, especialmente a partir do mês de setembro, com uma recuperação da demanda nos setores de atuação da companhia cada vez mais robusta.

Comparativamente a 2008, o segmento de tintas continua sendo destaque, ao passo que o segmento de painéis de madeira vem ocasionando impacto negativo sobre a receita da empresa.

Copel: lucro líquido tem leve queda de 0,6% ao somar R$ 284,3 milhões


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h11
InfoMoney

SÃO PAULO - A Copel (CPLE6) anunciou nesta quinta-feira (12) seus resultados operacionais referentes ao terceiro trimestre de 2009, período em que reportou um lucro líquido de R$ 284,37 milhões.

O montante configura quase uma estabilidade na base de comparação anual, uma vez que no mesmo trimestre de 2008, a companhia contabilizou um lucro líquido de R$ 286,01 milhões.

O Ebitda (geração operacional de caixa) apresentou um decréscimo ligeiramente maior: 2,2%. Já a receita operacional líquida conseguiu trilhar uma leve trajetória de crescimento frente a 2008.

Confira os números do trimestre

(em R$ milhões)
3T09
3T08
%
Receita Operacional Líquida
1.418,3
1.387,4
+2,2%
Ebitda*
426,3
435,0
-2,0%
Lucro Líquido
284,4/td>
286,0
-0,6%

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização

Vendas

Com relação às vendas de energia para o mercado consolidado no terceiro trimestre deste ano, houve uma elevação de 3,3% frente ao mesmo período do ano passado, ao passarem de 9.466 GWh (Gigawatt-hora) para 9.777 GWh.

MMX recupera volume de vendas, mas encerra trimestre com prejuízo


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h19
InfoMoney

SÃO PAULO - A MMX Mineração (MMXM3) encerrou o terceiro trimestre com prejuízo líquido de R$ 27,2 milhões, revertendo o lucro de R$ 26,6 milhões registrado no trimestre imediatamente anterior.

Porém, na comparação com o mesmo período de 2008, é possível perceber uma melhora significativa no desempenho da empresa, que conseguiu diminuir o prejuízo reportado no terceiro trimestre do ano passado.

Na época, a fragilidade do mercado internacional de minério de ferro levou a companhia a registrar prejuízo de R$ 343,3 milhões, tendo sua performance fortemente prejudicada pelo resultado financeiro negativo de R$ 358 milhões.

A melhora do cenário econômico global ajudou a firmar a recuperação e o volume vendido de minério de ferro já está praticamente no mesmo nível do que o registrado antes da crise: a empresa vendeu 1,692 bilhão de toneladas do minério entre julho e setembro de 2009, enquanto no mesmo período do ano passado, as vendas foram de 1,657 bilhão de toneladas.

Confira o resultado trimestral

(em R$ milhões)
3T09
3T08
Variação
Receita Bruta
112,760
252,767
-55,0%
Ebitda*
-77,125
13,803
-
Lucro (Prejuízo) líquido
-27,196
-343,393
-92,1%

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização

Prejuízo reflete multa

Apesar da recuperação nos volumes, o desempenho da MMX no trimestre foi marcado pelo prejuízo de R$ 27,2 milhões, ocasionado, em parte, pelo aumento das despesas gerais e administrativas da controladora.

A conta apresentou um aumento de R$ 30,1 milhões frente ao trimestre imediatamente anterior, o que, de acordo com a empresa, reflete a indenização contratual de R$ 33,9 milhões paga à Anglo American Amapá, decorrente de uma venda de minério feita em 2008, quanto o ativo ainda pertencia à MMX.

"Essa operação foi contratada pela MMX Amapá em período anterior à troca de controle acionário e, como tal, é de responsabilidade da companhia", informou o release do resultado. "Por outro lado, não há perspectiva de realização de novos pagamentos dessa natureza por conta deste ou de qualquer outro contrato".

Estácio: lucro líquido cresce 2,5% frente a 2008 e atinge R$ 15,4 milhões


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h32
InfoMoney

SÃO PAULO - A Estácio Participações (ESTC3) encerrou o terceiro trimestre de 2009 com um lucro líquido de R$ 15,4 milhões, 2,5% maior que o obtido no mesmo período do ano passado, quando somou ganhos de R$ 15,0 milhões.

No entanto, o lucro líquido ajustado da empresa, que exclui amortização de ágio de aquisições realizadas em 2008 e despesas não recorrentes neste ano, caiu 22,5% na comparação anual, ao passar de R$ 28,4 milhões no terceiro trimestre do ano passado para R$ 22 milhões em igual período deste ano.

O Ebitda recorrente, que corresponde ao lucro registrado pela companhia antes de juros, impostos, depreciação e amortização e ajustado a despesas não recorrentes, também mostrou desempenho negativo: queda de 7,9% ao passar de R$ 34,3 milhões para R$ 31,6 milhões.

Por sua vez, a receita líquida ficou praticamente estável: no terceiro trimestre de 2008, ficou em R$ 251,5 milhões, ao passo que no mesmo período de 2009, atingiu R$ 251,3 milhões.

Confira os números:

(em R$ milhões)
3T09
3T08
Variação
Receita líquida
251,3
251,5
-0,1%
Ebitda recorrente*
31,6
34,3
-7,9%
Lucro líquido
15,4
15,0
+2,5%

*Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ajustado às despesas não-recorrentes no 3T09

Oferta da Brookfield: investidores brasileiros são maioria na captação


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h38
InfoMoney

SÃO PAULO - A Brookfield (BISA3) divulgou nesta quinta-feira (12) o anúncio de encerramento de sua oferta pública primária e secundária de ações ordinárias. A captação total da operação atingiu R$ 664,7 milhões, a um preço de R$ 6,80 por papel.

Diferentemente do que normalmente acontece, os investidores estrangeiros não foram responsáveis pela maior parte da captação, contando com uma participação de 43,23% do total. Foram os investidores brasileiros que contaram pela maior fatia dos recursos, de 56,77%.

A empresa distribuiu ao total 97,75 milhões de ações ordinárias, sendo que 82,75 milhões correspondem à oferta primária e os 15 milhões restantes à oferta secundária. Vale destacar que 12,75 milhões de ações ordinárias são correspondentes ao lote suplementar, que foi exercido pelo coordenador líder.

Confira alguns números da oferta

Tipo de Investidor
Valor
(R$ Milhões)
%
Origem dos recursos
Valor
(R$ Milhões)
%
Institucional
601,83
90,54
Exterior
287,35
43,23
Varejo
62,86
9,46
Brasil
377,34
56,77


De acordo com a empresa, o total das ações distribuídas inclui 2,2 milhões de papéis adquiridos pelo Credit Suisse como forma de proteção para operações com derivativos de ações realizadas no exterior.

Vale lembrar que a própria Brookfield Brasil subscreveu 4,550 milhões de ações, ao preço estabelecido.

Acionistas vendedores

Os acionistas vendedores da oferta secundária são: Gilberto Bernardo Benevides (3,6 milhões de ações), Luiz Angelo de Andrade Zanforlin (1,2 milhão de ações), Walter Francisco Lafemina (6 milhões de ações), Elias Calil Jorge (1,8 milhão de ações) e Luiz Rogélio Tolosa (2,4 milhões de ações).

O coordenador líder da oferta é o Banco Itaú BBA, sendo que os bancos Credit Suisse, BTG Pactual e Bradesco BBI também atuam como coordenadores contratados.

Ações distribuídas
Preço
Volume da Operação
97.750.000
R$ 6,80
R$ 664.700.000

Lopes: resultado supera projeções de analista, que revisará suas projeções


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h45
InfoMoney

SÃO PAULO - De acordo com David Lawant, da Itaú Corretora, o resultado trimestral divulgado pela Lopes (LPSB3) na noite da última terça-feira (10) foi melhor do que ele esperava. Assim, o analista afirma que revisará suas premissas em torno da companhia, mas por enquanto reitera sua recomendação "acima da média do mercado".

"Os números melhores do que o esperado refletem o bom momento vivido pelo setor imobiliário brasileiro e pelo modelo de negócios da empresa", afirma Lawant, que em breve deverá incorporar esse balanço em sua análise de investimento.

Dentre os pontos de destaque do analista da Itaú Corretora estão as pré-vendas da companhia, que registraram no terceiro trimestre do ano um total de R$ 2,6 milhões, número 10% acima do que era esperado pelo especialista, além de também significar um crescimento de 19% em relação ao segundo quarto.

O responsável pelo relatório destaca também a elevação do guidance de vendas contratadas por parte da construtora até o final de 2009, que passaram de um patamar entre R$ 8 milhões e R$ 8,5 milhões para R$ 9 milhões.

Lucro e Ebitda

Por conta do volume de vendas contratadas acima do estimado, a Lopes conseguiu reportar no período entre julho e setembro uma receita líquida de R$ 64 milhões, superando em 23% as projeções de Lawant. A empresa vendeu no mercado brasileiro 10.280 unidades durante o trimestre, com grande destaque para o segmento econômico (até R$ 150 mil).

Além disso, a margem Ebitda da empresa mostra que o caixa gerado com suas vendas ficou em 46%, enquanto o analista espera algo em torno de 41%. Por fim, o lucro líquido de R$ 18 milhões bateu os R$ 12 milhões projetados por David Lawant.

Oferta da Marfrig: pedidos de reserva prioritária e de varejo foram atendidos


Por: Equipe InfoMoney
12/11/09 - 09h49
InfoMoney

SÃO PAULO - Após o encerramento do processo de bookbuilding, a Marfrig (MRFG3) informou nesta quinta-feira (12) que os pedidos de reserva da oferta prioritária, destinada apenas aos já acionistas, foram integralmente atendidos.

O mesmo aconteceu no âmbito da oferta de varejo, com os investidores não institucionais (com e sem prioridade de alocação), tendo seus pedidos integralmente atendidos. Já os investidores "vinculados" foram excluídos da Oferta.

As ações da Marfrig foram precificadas em R$ 19,00, valor inferior ao fechamento da última quarta-feira (R$ 19,60). Dessa forma, com a colocação de 79,04 milhões de ações, a empresa captou R$ 1,328 bilhão.

Vale lembrar que os papéis estreiam na BM&F Bovespa na próxima sexta-feira (13), enquanto a liquidação ocorrerá no dia 17 de novembro

Confira a agenda da oferta:

Eventos da Oferta
Data
Publicação de Aviso ao Mercado e Início do Procedimento de Bookbuilding
29 de outubro
Início do Período de Reservas da Oferta Prioritária
6 de novembro
Encerramento do Período de Reservas da Oferta Prioritária
6 de novembro
Início do Período de Reservas da Oferta de Varejo
9 de novembro
Encerramento do Período de Reservas da Oferta de Varejo
10 de novembro
Fixação do Preço por Ação (encerramento do Procedimento de Bookbuilding)
11 de novembro
Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar
11 de novembro
Início das negociações na BM&F Bovespa
13 de novembro
Liquidação Financeira da Operação
17 de novembro
Encerramento do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar
11 de dezembro
Data limite para a publicação do anúncio de encerramento da oferta
17 de dezembro

Bookmark and Share

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.