Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

terça-feira, outubro 06, 2009

OGX: drivers devem manter papel em alta até o fim do ano, dizem analistas

OGX: drivers devem manter papel em alta até o fim do ano, dizem analistas


Por: Giulia Santos Camillo
05/10/09 - 18h41
InfoMoney

SÃO PAULO - A OGX Petróleo (OGXP3) chamou a atenção na semana passada ao anunciar a descoberta de hidrocarbonetos no bloco BM-S-29, no qual possui uma participação de 65%, dividindo os direitos de exploração com a Maersk Oil, que é operadora e possui os 35% restantes. As ações da empresa fecharam a sexta-feira com uma alta de mais de 10%. Os drivers dos papéis, contudo, não param nesta primeira perfuração. Neste ano, empresa pretende perfurar um total de seis poços, sendo que quatro devem ser concluídos e anunciados ainda em 2009.

Drivers de curto prazo

Além das perfurações e potenciais indicações de volumes, incluindo os resultados do BM-C-43 na Bacia de Campos, esperado para novembro, outros desdobramentos devem ficar no foco até o final do ano. Por exemplo, um fator longamente aguardado é a revisão das estimativas da D&M, que devem ser divulgadas em meados de outubro.

"Além disso, os recursos potenciais da OGX, já estimados em 4,8 bilhões de boe (barris de óleo equivalentes), devem ser aumentados com a divulgação do relatório de imagens 3D sísmico de suas áreas exploratórias", afirmam os
analistas da Bradesco Corretora, acrescentando que "um terceiro gatilho para a empresa deverá ser a adição dos recursos potenciais dos sete blocos adquiridos recentemente pela empresa".

Passando para o início de 2010, um driver importante deve ser o desdobramento de ações da companhia. A operação, prevista desde o IPO (Initial Public Offering) da OGX, deve aumentar a liquidez dos papéis e causar um impacto positivo sobre seu preço.

Perfurando os lugares certos

Uma das
vantagens da OGX é a experiência de seu time - grande parte vinda da Petrobras. "Não só a equipe da OGX conhece muito bem as áreas, mas eles devem ter selecionado cuidadosamente as áreas iniciais de perfuração para serem bem sucedidos, dado que estas informações certamente terão um grande impacto sobre as ações da companhia", afirmam os analistas do Bradesco.

Nesse sentido, a equipe da Itaú Corretora ainda acrescenta um histórico curioso da equipe da OGX. Antes da brasileira decidir explorar a área, a Maersk já havia perfurado um poço no bloco BM-S-29, encontrando água. O time da OGX revisou a exploração e optou por uma estratégia diferente, encontrando óleo em um bloco dado como seco por outros especialistas.

"Esta descoberta é realmente importante para a OGX na nossa visão. Ela não apenas confirma a presença de hidrocarbonetos no primeiro poço perfurado pela empresa - um marco por si só - mas também é um exemplo do que o dream team da OGX, com seu expertise, pode fazer", ressaltam os analistas da corretora.

Recomendações positivas

Levando em consideração as notícias, a Itaú Corretora reiterou a recomendação de outperform (performance acima da média) para a OGX, com um preço justo de R$ 1.479,00 por ação, visando o final de 2010. "Nós esperamos novas notícias sobre a perfuração do BM-S-29 dentro das próximas três semanas, pontos em que a D&M provavelmente terá seu novo relatório sobre o portfólio de exploração da OGX, um grande driver para o preço da ação, na nossa opinião".

Os analistas da Bradesco Corretora também mostram-se otimistas em relação à empresa, enfatizando que o papel da OGX deve ter performance melhor do que a projetada para o Ibovespa para 2010, já que a companhia está em um ponto de inflexão. O preço-alvo é de R$ 1.668,70 por ação.

Em um relatório que afirma que o recente rali foi apenas o começo, a Bradesco Corretora afirma que o preço-alvo atual carrega um grande fator de risco exploratório, sem o qual o valor seria de R$ 2.325,58. "Além disso, se considerarmos que os recursos potenciais da OGX poderão ser aumentados entre 10% e 20%, o preço-alvo poderia chegar a cerca de R$ 2.560 ou R$ 2.800 por ação", ressalta.

Vale destacar que a equipe da corretora menciona ainda a possibilidade de venda do controle da OGX após 2011, quando a empresa iniciará a produção de petróleo. Segundo os analistas, a OGX em elevados padrões de governança corporativa e tag along para os minoritários, o que aumenta a sua atratividade.

Recomendações negativas

Por outro lado, há quem duvide de novos ralis no papel. Os analistas do Citigroup recomendam a venda das ações da OGX, mesmo tendo elevado o preço-alvo de R$ 740,00 para R$ 1.100,00. Ainda assim, a estimativa fica 28,6% abaixo da cotação de fechamento da última sessão, de R$ 1.540,00.

O Citi leva em consideração a riscagem estimada pela D&M, que prevê, em seu relatório atual, uma probabilidade média de sucesso de 28% no portfólio de exploração da companhia. Embora as perspectivas sejam conservadoras, o aumento no preço-alvo se deve principalmente à redução do WACC (custo médio ponderado de capital) de 17% para 12%.

De acordo com os analistas, a OGX atualmente está sendo negociada a US$ 5 por barril de óleo equivalente, dados os recursos estimados conforme a taxa de riscagem de 28% determinada pela D&M. Este é o mesmo patamar em que a Petrobras é negociada, se consideradas as reservas provadas e as estimativas para o pré-sal e descobertas anunciadas.

"Nós achamos difícil justificar pagar o mesmo múltiplo em relação a recursos riscados para a Petrobras e a OGX, já que a Petrobras produz 2,5 milhões de boe por dia e tem reservas provadas de 15 bilhões de boe", critica o banco, ressaltando a diferença entre recursos estimados riscados e reservas.

Bookmark and Share

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.