Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quarta-feira, junho 03, 2009

China vai perder força e afetar Brasil, diz especialista

China vai perder força e afetar Brasil, diz especialista


De São Paulo
03/06/2009


A alta dos preços das commodities é uma bolha e as exportações brasileiras
vão sofrer quando a economia da China voltar a desacelerar. A previsão é
de Roberto Dumas, representante-chefe do Itaú BBA em Xangai e professor da
China Europe Internacional Business School. Desde o início do ano, o
índice de commodities CRB da Reuters subiu 13%.


Em uma palestra ontem para uma plateia de executivos reunidos pela Hampton
Sofise, Dumas disse que a demanda por commodities não vai se manter,
porque a recuperação da China é temporária. Ele acredita que o estímulo
fiscal do governo chinês incrementou a demanda no curto prazo, mas vai
gerar super-produção.


"Está contra a lógica. O mundo quer consumir menos, mas a China quer sair
da crise produzindo mais", disse Dumas. Com um pacote fiscal de US$ 586
bilhões e empréstimos bancários de US$ 668 bilhões no primeiro trimestre
(mais do que em todo o ano de 2008), os chineses estão investindo em
infraestrutura e incentivando a indústria pesada (como as siderúrgicas) a
seguir a todo vapor.


O problema, segundo Dumas, é que esse tipo de investimento não gera tanto
emprego quanto gasta. Para que a recuperação fosse sustentável, a China
deveria reestruturar sua economia, reduzindo peso das exportações e
aumentando o do consumo. "O crescimento chinês do pós-crise vai deteriorar
ainda mais o equilíbrio da economia local", disse.


Para o representante do Itaú BBA no país, o consumo chinês está crescendo,
só que mais devagar do que a produção industrial, que avançou 8,3% em
março e 3,8% no primeiro trimestre. Ele afirma que a deflação é uma prova
disso. O índice de preços ao consumidor na China caiu 1,5% em abril, 1,2%
em março e 1,6% em fevereiro.


"O pacote atual é similar ao que foi feito em 1997 e 1998, quando a China
enfrentou as crises da Ásia e da Rússia. A questão é que agora os Estados
Unidos não estão crescendo. Para quem a China vai vender toda essa
capacidade de produção que está construindo?", questionou o especialista.


Na China, a participação do consumo no Produto Interno Bruto (PIB) cedeu
de 49% em 1990 para 35% em 2007. Em compensação, a fatia do investimento
no PIB subiu de 36% para 44% no período. De acordo com Dumas, o consumo
perdeu fôlego por conta da redução dos salários, da queda nas
transferência do governo e dos menores ganhos de capital. "Não é possível
reverter esse processo de um dia para o outro", disse. (RL)

Bookmark and Share

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.