Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

quarta-feira, maio 27, 2009

Maior do que Nestlé Brasil e Unilever Brasil, BRF persegue números da JBS

Por: Giulia Santos Camillo
27/05/09 - 09h00
InfoMoney


SÃO PAULO - Os presidentes do Conselho da Sadia, Luiz Fernando Furlan, e da
Perdigão, Nildemar Secches, se reuniram com integrantes do Cade (Conselho
Administrativo de Defesa Econômica) na última sexta-feira (22) para
apresentar a operação de fusão entre as duas empresas, que criará a gigante
BRF (Brasil Foods).

O conselho é uma das autoridades brasileiras responsáveis por julgar os
efeitos da transação sobre a livre concorrência. De fato, a BRF nasce como
uma das maiores empresas de alimentos do mundo, contando com participação
expressiva no mercado brasileiro e internacional.

Levando em consideração os faturamentos de 2008 de Sadia (R$ 10,7 bilhões)
e Perdigão (R$ 11,4 bilhões), a BRF teria uma receita de R$ 22,1 bilhões. A
nova empresa conta ainda com 119 mil funcionários e 42 fábricas, sendo
responsável por quase 25% do mercado exportador global de aves.

De acordo com a Economática, isso garante a décima posição dentre as
maiores empresas de alimentos do continente americano. No Brasil, a BRF
ocupará lugar de destaque ainda maior, ficando na frente de gigantes como
Nestlé Brasil e Unilever Brasil.

Maior que Nestlé ou Unilever
A empresa resultante da fusão entre Sadia e Perdigão tem uma clara vantagem
no mix de produtos. Além de carnes congeladas e resfriadas, a BRF atuaria
ainda em segmentos de massas, pizzas congeladas e margarinas, contando com
a maioria do market share desses setores no Brasil, de acordo com a
Santander Corretora.

Se considerados os números do ano passado, o faturamento da BRF
ultrapassaria aquele de uma das líderes do setor de alimentos no Brasil, a
Nestlé Brasil. A companhia, que atua em doze segmentos, incluindo leites,
cafés, achocolatados, refrigerados, sorvetes e nutrição, faturou R$ 13,4
bilhões em 2008.

Outra empresa que seria superada é a Unilever Brasil, que atua não somente
no setor de alimentos, mas também em mercados de higiene e beleza. Para se
ter uma ideia, em 2008, a receita líquida chegou a R$ 10,3 bilhões, cerca
de 53% abaixo do faturamento pró-forma da Brasil Foods.

Perseguindo a JBS
A fusão entre Sadia e Perdigão, porém, não deve fazer com que a nova
empresa ocupe o primeiro lugar em termos de receita líquida no setor de
alimentos brasileiro. Na frente há ainda a JBS, gigante do setor
frigorífico, que apenas em 2008 faturou nada menos do que R$ 30,3 bilhões,
quase 40% a mais que a soma das receitas líquidas das duas empresas.

Contudo, uma coisa é a comparação com números do passado, outra é com
projeções. Com a estimativa de abertura de seis novas fábricas da Sadia, os
executivos esperam que o faturamento da BRF chegue a R$ 30 bilhões, bem
próximo dos números da JBS.

Segundo Furlan, "somente a Sadia está entrando com seis fábricas novas, que
vão incrementar o faturamento em R$ 4 bilhões. Fora ainda o que vem do
outro lado. Seremos um dos três maiores exportadores de alimentos do
mundo".

Efeitos sobre a concorrência
Conforme a legislação, os representantes da Brasil Foods têm até 15 dias
para dar às autoridades, incluindo o Cade, o Ministério da Justiça e da
Fazenda, a documentação da participação do grupo no mercado brasileiro.
Além dos órgãos nacionais de defesa da concorrência, a criação da nova
empresa deverá passar pelo crivo de autoridades internacionais.

Bookmark and Share

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.