Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

sexta-feira, janeiro 30, 2009

U.S. Stocks Drop on Earnings, Economy Concern; P&G, Alcoa Fall

By Eric Martin

Jan. 30 (Bloomberg) -- U.S. stocks fell, extending the worst January drop for the Standard & Poor’s 500 Index, as more companies reported disappointing earnings and the economy contracted at the fastest pace in 26 years.

Procter & Gamble Co. lost 5.4 percent after quarterly sales trailed estimates and the company reduced its annual forecast, while Alcoa Inc. slipped 6.5 percent after JPMorgan Chase & Co. increased its 2009 loss estimate for the largest U.S. aluminum producer. Caterpillar Inc., the world’s biggest maker of construction equipment, slumped as much as 5.6 percent after saying it plans to cut more jobs as the recession crimps demand.

“Procter had disappointing numbers,” said Dan Veru, chief investment officer at Palisade Capital Management in Fort Lee, New Jersey, which oversees about $2 billion. “The guidance was weak. We’re seeing that from a lot of companies, because there’s a lack of confidence from CEOs to make any prediction about their business model. They’re not seeing any improvement.”

The S&P 500 slipped 2.5 percent to 823.94 at 3:30 p.m. in New York after climbing as much as 0.8 percent. The Dow Jones Industrial Average fell 162.01, or 2 percent, to 7,987. The Russell 2000 Index of small U.S. companies declined 2.1 percent.

Benchmark indexes opened higher after the Commerce Department said the economy contracted at a 3.8 percent annual pace in the fourth quarter, less than the 5.5 percent estimated by economists in a survey. Still, the report showed that a buildup of unsold goods helped pare the decrease in gross domestic product.

‘Poor Report’

“It was still a pretty poor report,” said Jeffrey Kleintop, chief market strategist at LPL Financial in Boston, which oversees $233 billion. “If prices hadn’t been falling so dramatically, we would have seen an even worse number.”

Unadjusted for inflation, GDP shrank at a 4.1 percent pace, the most since the first three months of 1958. The drop in so- called nominal growth explains why corporate profits slumped as the year ended.

Stocks are little changed for the week following a 3.4 percent rally Nov. 28 on reports President Barack Obama prepared to set up a so-called bad bank to absorb toxic investments.

The S&P 500 is down 8.2 percent this month, eclipsing the 7.6 percent drop at the start of 1970 and adding to last year’s 38 percent plunge. Profits decreased 38 percent for the 208 companies in the S&P 500 that released fourth-quarter results since Jan. 12. Last quarter is projected to mark the sixth- straight period of decreasing profits, the longest streak on record.

‘January Barometer’

The slide in the S&P 500 so far this year suggests the so- called January barometer will signal a loss for 2009. The indicator was developed by Yale Hirsch, chairman and founder of the Stock Traders’ Almanac, and built on the theory that the S&P 500’s first-month performance sets its course for the year.

Since 1950, the barometer has been at least 80 percent accurate. One of the exceptions occurred in 1978, when the index rebounded from a January drop of 6.2 percent to close 1.1 percent higher.

Procter & Gamble fell $3.08 to $55.14 and contributed the most to the Dow and S&P 500’s declines. The biggest consumer- product company reported second-quarter sales that fell more than analysts estimated as shoppers curbed purchases and the stronger dollar hurt overseas sales.

Caterpillar dropped $1.08 to $30.77. The world’s largest maker of bulldozers and excavators said it will lay off 2,110 additional factory workers at three manufacturing plants in Illinois. The stock was also added to Goldman Sachs Group Inc.’s “conviction sell” list.

Alcoa Loss Estimate

Alcoa dropped 58 cents to $7.86. The largest U.S. aluminum producer had its 2009 loss estimate increased to $1.90 a share from $1 by JPMorgan, which said the metal’s price may not rebound as much as it expected.

Juniper Networks Inc. dropped $2.93, or 17 percent, to $14.04. The second-largest maker of networking equipment forecast profit and sales that missed analysts’ estimates.

Fifth Third Bancorp and Regions Financial Corp. tumbled after Sanford C. Bernstein & Co. downgraded the two regional banks to “market perform” from “outperform” on concern they will need to raise more capital.

Fifth Third, Ohio’s second-largest bank, sank 20 percent to $2.45. Regions Financial, the biggest in Alabama, slid 17 percent to $3.44.

Exxon, Chevron Beat

Energy companies posted the smallest decline among the 10 main industry groups in the S&P 500 after Exxon Mobil Corp. and Chevron Corp. reported earnings that topped analyst estimates.

Chevron Corp. added 13 cents to $70.75. The second-biggest U.S. oil company said fourth-quarter profit rose less than 1 percent as one-time gains made up for the largest plunge in crude prices on record.

Exxon Mobil Corp. climbed 76 cents to $77.76. Fourth- quarter net income tumbled 33 percent to $7.82 billion, or $1.55 a share, from $11.7 billion, or $2.13, a year earlier, the company said. Per-share profit was 8 cents higher than the average of 12 analyst estimates compiled by Bloomberg.

Exxon accounts for about 5.48 percent of the Standard & Poor’s 500 Index’s value, according to data compiled by Bloomberg. The world’s largest oil company carries the most weight of any company since 1985, when International Business Machines Corp. was 6.37 percent, year-end figures compiled by Birinyi Associates Inc. show.

Crude Gains

Crude oil rose as OPEC implemented supply cuts announced last month while signaling it may make more. Crude oil for March delivery rose 31 cents, or 0.8 percent, to $41.75 a barrel.

Amazon.com climbed the most in the S&P 500, advancing $8.92, or 18 percent, to $58.92. The largest Internet retailer yesterday said net income increased 8.7 percent to $225 million after its biggest holiday season ever, outpacing EBay Inc. and its e-commerce rivals.

To contact the reporter on this story: Eric Martin in New York at emartin21@bloomberg.net.

Last Updated: January 30, 2009 15:32 EST

Marcadores: ,

Bookmark and Share

Estado da california quebrando?

EUA: Califórnia à beira da falência

http://economia.uol.com.br/ultnot/afp/2009/01/29/ult35u66798.jhtm

SACRAMENTO, EUA, 29 Jan 2009 (AFP) - O déficit orçamentário que aparece na
calculadora gigante instalada do lado de fora do gabinete do governador da
Califórnia, Arnold Schwarzenegger, aumenta num ritmo de 500 dólares por segundo:
duramente castigado pela recessão, o Estado pode quebrar na próxima semana.

"O relógio do déficit", que o governador mandou colocar em seu gabinete, em
Sacramento, capital do estado que governa há mais de cinco anos, chegará em breve
aos 40 bilhões de dólares.

As autoridades locais afirmam que "a crise orçamentária deixou nosso estado à
beira do desastre".

A Califórnia é o estado mais rico e populoso dos Estados Unidos, com 36,5 milhões
de habitantes. Do tamanho da Itália, se fosse um país independentes seria o oitavo
maior PIB do mundo.

Há vários meses, Schwarzenegger enfrenta os parlamentares californianos para
tentar aprovar um aumento de impostos e cortes nos gastos públicos.

Nos últimos tempos, porém, a situação ficou tão crítica que o secretário de
Orçamento da Califórnia, John Chiang, alertou sobre a falta crônica de dinheiro
que afetará o estado a partir do dia 1º de fevereiro.

Chiang já decidiu não pagar imediatamente a restituição do imposto de renda.
Bolsas escolares também podem deixar de ser pagas e a jornada de trabalho dos
funcionários públicos já foi reduzida.

No fim de dezembro, o governador anunciou um decreto estabelecendo dois dias de
licença não remunerada para seus empregados, além de ter mencionado a
possibilidade de reduzir salários e cortar postos de trabalho..

Como se não bastasse, a agência de classificação financeira Moody's advertiu que
estuda reduzir a nota dos créditos estaduais, o que faria aumentar as taxas de
juros pagas pelo Estado.

Em uma tentativa de conter a hemorragia, que se agravou ainda mais com a recessão
- que diminuiu a renda do governo sem reduzir seus gastos fixos -, Schwarzenegger
propôs aumentar os impostos, entre eles, o do valor agregado (IVA). Nos Estados
Unidos, porém, são necessários dois terços dos votos da legislatura para sancionar
uma lei como esta.

"A verdade é que nosso Estado está tão impotente que não conseguimos resolver a
crise orçamentária. A verdade é que a Califórnia está em estado de emergência",
afirmou o governador republicano em seu discurso "A situação do estado",
pronunciado este mês.

Para Jean Ross, diretora do grupo de reflexão independente "California Budget
Project" (projeto orçamentário da Califórnia), a regra dos dois terços impediu que
o estado conseguisse obter o volume de dinheiro suficiente para enfrentar a crise.
Ela afirma que o estado "vai continuar no vermelho até segunda ordem".

"Nossa bolha imobiliária era maior (que no resto dos EUA), e quando ela estourou,
fomos afetados mais duramente", explicou , observando que "a maioria dos
economistas concordam que sairemos desta situação mais tarde que os demais
estados".

Curiosamente, Schwarzenegger - que é republicano - está tendo dificuldades para
convencer os parlamentares de seu próprio partido, tradicionalmente contrários a
aumentos de impostos.

Para Kris Vosburgh, diretor de uma associação de defesa dos contribuintes da
Califórnia, um aumento dos impostos não pode resolver os problemas orçamentários.

"Se aumentarmos os impostos a situação se agravará, já que não apenas tornaremos
mais pesado o fardo do contribuinte, mas também faremos com que o resultado final
seja menos renda para a administração, devido à queda da atividade", argumentou.

Marcadores:

Bookmark and Share

U.S. Economy Shrank 3.8% in Fourth Quarter, Most Since 1982

By Timothy R. Homan

Jan. 30 (Bloomberg) -- The U.S. economy shrank less than forecast in the fourth quarter as a collapse in spending led to a buildup in inventories that will cause companies to retrench even more in the early part of this year.
Gross domestic product contracted at a 3.8 percent annual pace from October through December, the most since 1982, the Commerce Department said today in Washington. A gain in stockpiles contributed 1.3 percentage points to growth, partially compensating for a back-to-back drop in consumer spending. Prices also retreated.
The economy is likely to contract further in the first three months of this year as retailers and manufacturers, from Starbucks Corp. to Boeing Co., this week announced plans to slash payrolls and cut production to get rid of unwanted stocks.
Today's report will maintain the pressure on President Barack Obama to win quick congressional approval of a fiscal stimulus package.
``We're in the middle of a sharp contraction in the economy,'' Dean Maki, co-head of economic research at Barclays Capital Inc. in New York, said before the report. ``Businesses are cutting spending in all areas, whether it's employees or investment spending.''
GDP was forecast to contract at a 5.5 percent annual pace last quarter, according to the median estimate of 79 economists surveyed by Bloomberg News. Projections ranged from declines of 3 percent to 7 percent.
The world's largest economy shrank at a 0.5 percent annual rate from July through September. The back-to-back contraction is the first since 1991.

2008 Growth
For all of 2008, the economy expanded 1.3 percent as a boost from exports and government tax rebates in the first half of the year helped offset the deepening spending slump.
Congress is considering a two-year fiscal stimulus package supported by Obama. House Lawmakers this week passed the $819 billion measure.
The GDP price gauge dropped at a 0.1 percent annual pace in the fourth quarter, the most since 1954, reflecting the slump in commodity prices. The Federal Reserve's preferred measure, linked to consumer spending and excluding food and fuel, rose at a 0.6 percent pace, the least since 1962.
Unadjusted for inflation, GDP shrank at a 4.1 percent pace, the most since the first three months of 1958. The drop in so- called nominal growth explains why corporate profits slumped as the year ended.
``This is a severe, steep, broadly-based recession'' with ``no quick fix,'' Stephen Roach, chairman of Morgan Stanley Asia Ltd., said in a Bloomberg Television interview from Davos, Switzerland today.

Spending Slump
Consumer spending, which accounts for more than two-thirds of the U.S. economy, dropped at a 3.5 percent annual rate last quarter following a 3.8 percent drop the previous three months. It's the first time purchases declined by more than 3 percent in consecutive quarters since records began in 1947.
Americans may pull back further as employers slash payrolls. Companies cut 524,000 workers in December, bringing total job cuts for last year to almost 2.6 million.
More cutbacks are on the way. Eastman Kodak Co., Target Corp. and Texas Instruments Inc. are among U.S. companies that announced thousands of layoffs this week.
Target, the second-biggest U.S. discount retailer, said this week it will slash 600 existing jobs and 400 open positions, mainly in its hometown of Minneapolis. It also said it will close a distribution center in Little Rock, Arkansas, later this year that employs 500 workers.

`Unprecedented' Environment
``We are clearly operating in an unprecedented economic environment that requires us to make some extremely difficult decisions,'' Chief Executive Officer Gregg Steinhafel said in a Jan. 27 statement.
The economic slump intensified last quarter as companies also retrenched. Business investment dropped at a 19 percent pace, the most since 1975. Purchases of equipment and software dropped at a 28 percent pace, the most in a half century.
The slump in home construction also accelerated, contracting at a 24 percent pace last quarter after a 16 percent drop in the previous three months.
PPG Industries Inc., the world's second-biggest paint maker, said this week that it may cut as many as 4,500 employees, or 10 percent of its workforce, because of weak global demand from automakers and homebuilders.

Global Slump
``We are probably looking at the sharpest downturn that anyone working at our company has seen,'' Chief Executive Officer Charles E. Bunch said in an interview Jan. 27. ``The regions outside of North America, which had been really helping PPG in the first three quarters of last year, have sort of caught the disease that started here in the U.S. with the credit crisis.''
The slowdown in global demand indicates American exports are unlikely to contribute less to growth in early 2009. World growth will be 0.5 percent this year, the weakest postwar pace, the International Monetary Fund said Jan. 28.
Inventories grew at a $6.2 billion pace in the fourth quarter, the first gain in more than a year. It's contribution to growth was the biggest since the fourth quarter of 2005.
The Fed this week said it's prepared to purchase Treasury securities to shore up lending and warned inflation may recede too rapidly. Fed policy makers voted to leave the benchmark interest rate as low as zero.
The GDP report is the first for the quarter and will be revised in February and March as more information becomes available.
To contact the reporter on this story: Timothy R. Homan in Washington at thoman1@bloomberg.net

Last Updated: January 30, 2009 08:30 EST

Bookmark and Share

Economy in U.S. Probably Contracted at Fastest Pace Since 1982

By Timothy R. Homan

Jan. 30 (Bloomberg) -- The U.S. economy probably nosedived in the final months of last year, a trajectory that's likely to continue in early 2009 as soaring unemployment wallops consumer spending, economists said before a government report today.

Gross domestic product contracted at a 5.5 percent annual pace from October through December, according to the median estimate of 79 economists surveyed by Bloomberg News. It would be the biggest drop since 1982 and follow a 0.5 percent decline the previous three months.
The economy is likely to contract further in the first three months of this year as retailers and manufacturers, from Starbucks Corp. to Boeing Co., this week announced plans to slash payrolls and cut production. Today's report will put pressure on President Barack Obama to win quick congressional approval of a fiscal stimulus package.

"It's one of the deepest recessions in two generations," said Roger Kubarych, chief U.S. economist for UniCredit Global Research in New York. "It's still getting worse."

The Commerce Department's GDP report is due at 8:30 a.m. in Washington. Estimates of economists surveyed by Bloomberg News ranged from declines of 3 percent to 7 percent. The report is the first for the quarter and will be revised in February and March as more information becomes available.

The Federal Reserve this week said it's prepared to purchase Treasury securities to shore up lending and warned inflation may recede too rapidly. It voted to leave the benchmark interest rate as low as zero.

'Significant' Risk

Fed officials also said there was a "significant" risk the economy wouldn't start recovering until 2010.

A lack of credit, record foreclosures and mounting job losses have forced households to retrench. Consumer spending, the largest part of the economy, is forecast to have dropped at a 3.5 percent pace last quarter after slumping at a 3.8 percent

rate the previous three months. It would be the first time purchases declined more than 3 percent in consecutive quarters since records began in 1947.

Americans may pull back further as employers slash payrolls. Companies cut 524,000 workers in December, bringing total job cuts for last year to almost 2.6 million.

More cutbacks are on the way. Boeing, Starbucks, Home Depot Inc. and Texas Instruments Inc. are among U.S. companies that announced thousands of layoffs this week.

Retailers are among businesses eliminating workers following the worst holiday shopping season since the International Council of Shopping Centers started tracking data in 1969.

Cutbacks Spread

The economic slump is likely to persist as companies join consumers in cutting back. Orders for durable goods - items meant to last at least three years - declined each month from October through December, signaling businesses plan to cut spending on new equipment.

Residential construction has also taken a turn for the worse as credit dried up. Home starts and building permits both dropped to record lows in December, according to Commerce figures, indicating housing will remain a drag on growth in 2009 and extend the four-year-old housing recession.

Caterpillar Inc., the world's largest maker of bulldozers and excavators, this week said it's cutting 20,000 jobs, and profit and sales this year will trail analysts' estimates.

"We are expecting recessionary conditions to persist in most of the world throughout the year, with no growth in the world economy," Chief Executive Officer Jim Owens said Jan. 26 on a conference call with analysts. "Quite frankly, the best hope, I think, is a stimulus package in the U.S. and China, driving demand for commodities."

The slowdown in global demand indicates American exports are unlikely to contribute to growth in early 2009. The world economy will expand 0.5 percent this year, the weakest gain in the postwar era, the International Monetary Fund said Jan. 28.

Bloomberg Survey

===============================================================

GDP Personal GDP Core PCE

Annual Consump. Prices Prices

QOQ% QOQ% QOQ% QOQ%

===============================================================

Date of Release 01/30 01/30 01/30 01/30

Observation Period 4Q A 4Q A 4Q A 4Q A

---------------------------------------------------------------

Median -5.5% -3.5% 0.4% 1.0%

Average -5.4% -3.4% 0.6% 1.2%

High Forecast -3.0% -2.3% 3.6% 2.1%

Low Forecast -7.0% -4.0% -2.5% 0.1%

Number of Participants 79 12 36 11

Previous -0.5% -3.8% 3.9% 2.4%

---------------------------------------------------------------

4CAST Ltd. -5.6% --- 3.1% ---

Action Economics -6.5% --- 2.1% ---

AIG Investments -6.1% --- --- ---

Aletti Gestielle SGR -4.5% -2.3% -1.8% 0.6%

Ameriprise Financial Inc -4.8% -3.1% 0.4% 2.0%

Argus Research Corp. -4.3% --- -2.3% ---

Banc of America Securitie -5.2% --- 0.2% ---

Bancolombia SA -5.0% --- --- ---

Bank of Tokyo- Mitsubishi -6.1% --- --- ---

Bantleon Bank AG -5.0% --- --- ---

Barclays Capital -5.5% --- 0.8% 0.5%

BMO Capital Markets -5.5% --- -0.3% ---

BNP Paribas -6.0% --- 1.8% ---

Briefing.com -5.5% --- 0.5% ---

Calyon -5.7% -3.5% --- ---

Castlestone Management LT -6.2% --- --- ---

CIBC World Markets -4.8% --- 0.7% ---

Citi -6.0% --- 2.8% ---

ClearView Economics -4.9% -3.0% --- ---

Commerzbank AG -6.4% --- --- ---

Credit Suisse -4.7% --- -1.6% ---

Daiwa Securities America -5.5% --- 3.0% ---

DekaBank -5.5% --- --- ---

Desjardins Group -4.8% --- --- ---

Deutsche Bank Securities -6.5% --- -0.5% ---

Deutsche Postbank AG -4.8% --- --- ---

Dresdner Kleinwort -5.8% --- 1.2% ---

DZ Bank -4.0% --- 0.4% ---

First Trust Advisors -5.2% --- 0.2% ---

Fortis -5.5% --- --- ---

FTN Financial -4.5% --- --- ---

Goldman, Sachs & Co. -5.9% --- 1.2% 0.7%

Helaba -4.5% --- --- ---

Herrmann Forecasting -5.8% -3.5% --- ---

High Frequency Economics -6.0% --- -1.0% 1.5%

Horizon Investments -6.1% --- --- 1.0%

HSBC Markets -5.6% --- -0.1% ---

IDEAglobal -4.5% -3.5% 3.6% 2.0%

IHS Global Insight -5.8% --- --- ---

Informa Global Markets -6.0% --- --- ---

ING Financial Markets -6.1% --- --- ---

Insight Economics -3.5% --- 1.0% ---

Intesa-SanPaulo -5.2% --- --- ---

J.P. Morgan Chase -5.5% --- 2.0% ---

Janney Montgomery Scott L -5.1% -3.3% --- 1.0%

Landesbank Berlin -5.8% --- --- ---

Landesbank BW -3.5% --- --- ---

Maria Fiorini Ramirez Inc -5.0% --- --- ---

Merrill Lynch -6.0% --- 1.6% ---

MFC Global Investment Man -5.8% -4.0% 0.4% 1.3%

Moody's Economy.com -5.0% --- --- ---

Morgan Keegan & Co. -6.6% --- 0.3% ---

Morgan Stanley & Co. -6.6% --- --- ---

National Bank Financial -5.4% -3.5% --- ---

National City Bank -5.4% -3.1% 0.3% ---

Natixis -5.6% -3.5% 0.3% ---

Newedge -4.5% --- --- ---

Nomura Securities Intl. -4.9% --- 0.6% ---

Nord/LB -3.0% --- -1.0% ---

PNC Bank -5.5% --- -1.0% ---

Raymond James -5.9% --- --- ---

RBC Capital Markets -6.1% --- --- ---

RBS Greenwich Capital -4.0% --- 3.6% ---

Ried, Thunberg & Co. -5.0% --- --- ---

Schneider Foreign Exchang -6.1% --- --- ---

Scotia Capital -4.5% --- --- ---

Societe Generale -7.0% --- --- 0.1%

Standard Chartered -7.0% -4.0% --- ---

Stone & McCarthy Research -4.5% --- -2.0% ---

TD Securities -5.6% --- --- ---

Thomson Financial/IFR -4.0% --- --- 2.1%

UBS Securities LLC -4.5% --- -2.5% ---

Unicredit MIB -5.0% --- --- ---

University of Maryland -5.0% --- 2.6% ---

Wachovia Corp. -5.3% --- --- ---

Wells Fargo & Co. -6.0% --- --- ---

WestLB AG -5.6% --- --- ---

Westpac Banking Co. -6.5% --- --- ---

Wrightson Associates -5.0% --- --- ---

===============================================================

To contact the reporter on this story: Timothy R. Homan in Washington at thoman1@bloomberg.net





Last Updated: January 30, 2009 00:01 EST

Bookmark and Share

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Petróleo volta a fechar em baixa em Londres, refletindo nervosismo dos mercados

Por: Equipe InfoMoney
29/01/09 - 19h15
InfoMoney

SÃO PAULO - O nervosismo voltou com força nesta quinta-feira (29) e aumentou os temores frente ao futuro da economia global. Em resposta, o petróleo foi penalizado e assolou nova baixa em Londres, enquanto o barril de Nova York subiu.

A perspectiva de que o mundo entre em um ciclo de desaceleração aumenta as preocupações acerca da demanda internacional pelas commodities, incluindo o óleo bruto, e pressiona as cotações, a exemplo da tendência observada nesta sessão.

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) afirmou no Fórum Econômico Mundial, em Davos, que pode realizar novos cortes de produção, caso o preço do petróleo continue nos patamares atuais. Abdalla el-Badri, secretário-geral do cartel, disse que a organização "não terá problemas para tirar petróleo do mercado".

Mercado
Resultados desfavoráveis sinalizaram a diversidade dos setores afetados pelas condições econômicas atuais e a agenda trouxe indicadores preocupantes. O número de desempregados na Alemanha avançou o dobro do previsto e o volume de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA ficou acima do esperado.

A baixa em Londres também refletiu o forte avanço dos estoques nos EUA na última semana, resultado que marcou o 16º aumento em 18 semanas. Entre 16 e 23 de janeiro, o nível dos estoques no país avançou em 6,2 milhões de barris, ficando novamente bem acima das expectativas dos analistas, que apostavam em alta de 2,9 milhões de barris.

Confira as cotações
A cotação do barril do petróleo Brent, negociado no mercado de Londres, fechou a US$ 45,40 no pregão desta quinta-feira, alta de 1,11% em relação ao último fechamento.

O contrato com vencimento em março de 2009, que apresenta maior liquidez no mercado de Nova York, fechou cotado a US$ 41,44 por barril, configurando uma baixa de 1,71% frente ao fechamento anterior.

Marcadores:

Bookmark and Share

Indicadores macro são evidência incontestável de que a crise chegou ao Brasil

Por: Equipe InfoMoney
29/01/09 - 19h50
InfoMoney

SÃO PAULO - "A crise é muito séria e tão profunda que nós ainda não sabemos o tamanho", afirmou Luiz Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil. Para elucidar a dimensão do colapso, indicadores macroeconômicos deixam explícita a profundidade dos problemas vigentes.

Dentre esses, o seguinte tripé merece atenção: baixa confiança dos empresários no decorrer do último trimestre - pior desde janeiro de 1999; queda de 6% na arrecadação fiscal entre novembro e dezembro do ano passado e maior patamar da inadimplência em seis anos.

Em meio a esse cenário, que inclui ainda elevado desemprego e contas externas no vermelho, a corretora Gradual e os bancos Credit Suisse, Santander e Unibanco divulgaram relatórios sobre o tema, avaliando os dados recentes, bem como projeções macro.

Empresário desconfiado
Conforme os dados da CNI (Confederação Nacional da Indústria), a confiança dos industriais recuou de 52,5 pontos no terceiro trimestre de 2008 para 47,8 pontos nos últimos três meses do ano passado. "Acreditamos que a baixa confiança dos empresários reforça o horizonte de menores investimentos nos próximos trimestres", observam os analistas do Credit Suisse, prevendo menores dispêndios com bens de capital.

Já o Santander ressalta um fator curioso na pesquisa, ao passo que a percepção do empresário em relação a sua companhia difere notadamente da qual enxerga a situação da economia, detendo viés mais pessimista para o ambiente macro do que para o micro. "Essa diferença pode refletir tanto uma ingenuidade do empresário (de que a crise não o atingirá) quanto um exagero sobre os reais efeitos da crise", completa o banco.

Governo arrecada menos
Caminhando às análises referentes à arrecadação fiscal, a Gradual credita a baixa no montante à deterioração da atividade econômica brasileira a partir de novembro, "uma vez que o choque mais pesado da crise chegou ao país em outubro, via câmbio explosivo, e se fez sentir no mês seguinte". Em reflexo, a corretora prevê crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) na casa de 1,1% para este ano.

"Desempenho ruim da arrecadação acende a luz amarela para as contas fiscais", listam os analistas do Santander, ao passo que o ligeiro avanço de 0,9% em dezembro último, quando comparado ao mesmo período de 2007, é ínfimo em relação à média de crescimento dos onze meses antecedentes - nada menos que 15%. Ademais, o banco critica os elevados dispêndios do Estado, recomendando à máquina pública menor complacência - vide obras superfaturadas e gastos sempre acima dos previstos.

Inadimplência cresce
"A inadimplência pessoal em dezembro atingiu o maior nível desde setembro de 2003". A afirmação intitula o relatório do Credit Suisse sobre o tema, no qual enxerga ainda que há grande probabilidade de maiores descumprimentos no decorrer deste mês, dada a deterioração do mercado de trabalho no país, o que se reflete nas restrições orçamentárias das famílias.

Como consequência, o spread dos bancos subiu 30,6% durante o mesmo período, ao passo que, conforme estudos do Banco Central, a inadimplência é o fator mais correlacionado com o diferencial no juro dos bancos. Consoante com o banco suíço, o Santander também projeta aumento do montante de devedores no decorrer deste ano, "para algo em torno de 8,5% no final de 2009" - 40 pontos-base acima do patamar atual.

Déficit externo
Por último, as contas externas registraram um déficit de US$ 2,9 bilhões em dezembro último, acima das expectativas do Unibanco (-US$ 1,8 bilhão) e do consenso do mercado (-US$ 2,6 bilhões). A despeito do desempenho ruim no último mês, os analistas do banco mantêm certo tom de otimismo, baseados nos "fluxos de investimentos diretos, que estão bem acima do déficit atual da conta externa".

Questão de esforço
Entre tantas incertezas no mundo e por aqui, vale ressaltar o esforço identificado pelos analistas da corretora Gradual: o Governo Federal tem agido fortemente para manter a demanda agregada (consumo e investimento) elevada de forma artificial na esperança de reanimar a economia como um todo, e de criar uma ponte entre o momento atual de crise e a retomada da atividade no futuro. Este tipo de ação faz muito sentido em momentos de crise, e esse expediente é amplamente utilizado por todos os países".

Bookmark and Share

Indicadores e resultados relembram preocupações e fream ciclo de alta da bolsa

Por: Roberto Altenhofen Pires Pereira
29/01/09 - 19h27
InfoMoney

SÃO PAULO - Depois de quatro pregões positivos, a bolsa brasileira não resistiu à combinação de indicadores ruins e resultados frustrantes e cedeu à realização, voltando ao vermelho. A quebra do breve ciclo de alta contou com um cenário de perdas pelo mundo, que inclui contratos de metais básicos e petróleo.

Mais uma vez a temporada de resultados trimestrais acendeu o alerta de demissões e cortes de custos. Nesta quinta-feira (29), a Europa recebeu o primeiro prejuízo da petrolífera Shell em dez anos, enquanto os Estados Unidos viram perdas de US$ 5,9 bilhões da Ford no último trimestre e resultados frustrantes também de Starbucks, Allstate e Estaman Kodak. Todas cortaram postos de trabalho para reduzir custos; só a Starbucks demitiu 6.700 empregados e fechou 300 lojas.

A agenda ajudou a ofuscar a aprovação do pacote de US$ 819 bilhões de Obama pela Câmara. Os pedidos de auxílio-desemprego superaram o esperado pelo mercado na última semana, enquanto os pedidos e entregas de bens duráveis tiveram recuo maior que as expectativas em dezembro.

Por aqui, as perdas externas apertaram o gatilho da realização de lucros. As ações de melhor desempenho recente figuraram entre as mais penalizadas, com exceção do setor imobiliário, que ainda encontrou espaço para ganhos em meio à expectativa de medidas de estímulo ao setor. Entre as baixas, destaque para o setor de papel e celulose e os bancos, além do forte ajuste das ações da Vale.

Dólar em R$ 2,297
Invertendo o sinal de abertura, o dólar comercial encerrou a quinta-feira (29) em alta de 0,92% frente ao real, cotado a R$ 2,2970.

O Banco Central voltou a intervir no mercado cambial para conter o avanço da divisa norte-americana e realizou leilões de venda conjugados com leilões de compra de dólares. A operação movimentou um total de US$ 675 milhões. Além disso, ocorreu um novo leilão de dólares à vista, cuja taxa de corte para venda ficou em R$ 2,2910.

Ibovespa cai 1,46%
Com as perdas externas, a realização tomou conta das operações e pôs fim ao breve ciclo de quatro altas do Ibovespa. O índice encerrou com desvalorização de 1,46%, voltando a 39.638 pontos. O volume financeiro totalizou R$ 2,8 bilhões.

As maiores baixas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1 Links
KLBN4 Klabin PN 3,19 -6,45 -3,63 2,24M
ARCZ6 Aracruz PNB 2,02 -4,72 -18,88 20,47M
TCSL3 TIM Part ON 6,80 -4,23 +38,49 1,33M
ALLL11 ALL UNT N2 8,73 -3,85 -12,70 28,40M
TMAR5 Telemar NLeste PNA 46,50 -3,83 -16,22 5,40M

As maiores altas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1 Links
USIM3 Usiminas ON 27,51 +5,40 +6,42 28,54M
RDCD3 Redecard ON 26,11 +2,35 +1,60 22,11M
TRPL4 Trans Paulista PN 41,90 +1,82 +1,74 11,80M
GFSA3 Gafisa ON 11,80 +1,81 +12,49 9,81M
NATU3 Natura ON 20,10 +1,46 +5,85 15,10M

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o Índice Bovespa, foram :

Código Ativo Cot R$ Var % Vol1 Vol 30d1 Neg
VALE5 Vale Rio Doce PNA 28,50 -2,96 414,96M 451,51M 13.526
PETR4 Petrobras PN 25,03 -0,67 389,89M 546,83M 13.338
GGBR4 Gerdau PN 15,19 -1,11 116,57M 87,72M 7.797
CSNA3 Sid Nacional ON 36,12 -2,56 108,83M 110,08M 4.477
BBDC4 Bradesco PN 21,05 -3,00 102,83M 124,08M 4.643

* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Depois da forte alta da véspera, a ação preferencial da Klabin liderou as perdas do Ibovespa, em repercussão às estimativas pouco otimistas do Raymond James para o setor. O melhor desempenho ficou com as ordinárias da Usiminas, após a Nippon Steel comprar a participação de 5,9% da Vale na siderúrgica.

Renda Fixa
No mercado de renda fixa, os juros futuros encerraram sem tendência definida na BM&F Bovespa. O contrato com vencimento em janeiro de 2010, que apresenta maior liquidez, encerrou apontando taxa de 11,25%, alta de 0,02 ponto percentual frente à apresentada na sessão anterior.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 124,85% de seu valor de face, o que representa uma queda de 1,10%.

O risco-país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 409 pontos-base, queda de 3 pontos em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA caem forte
Nos Estados Unidos, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, fechou em forte baixa de 3,31% e atingiu 845 pontos.

Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite desvalorizou-se 3,24%, a 1.508 pontos. Da mesma forma, o índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, caiu 2,70%, a 8.149 pontos.

Na Europa, o índice FTSE 100 da bolsa de Londres registrou baixa de 2,45% e atingiu 4.190 pontos. No mesmo sentido, o índice CAC 40 da bolsa de Paris desvalorizou-se 2,15%, chegando a 3.010 pontos. Já o DAX 30, da bolsa de Frankfurt, caiu 2,01%, a 4.428 pontos.

Veja os indicadores previstos para a sexta-feira
Nos Estados Unidos, o Departamento de Comércio revela os dados avançados do PIB (Produto Interno Bruto) e de seu deflator, ambos baseados no quarto trimestre.

Será publicado o Chicago PMI referente ao mês de janeiro, que mede o nível de atividade industrial na região. Paralelamente, a Universidade de Michigan divulga a versão revisada do Michigan Sentiment de janeiro, que mede a confiança dos consumidores na economia norte-americana.

Para finalizar, será apresentado o Employment Cost Index referente ao quarto trimestre, responsável por mensurar o custo da mão-de-obra. O indicador é muito utilizado pelo mercado como medida de inflação.

Marcadores: , , , ,

Bookmark and Share

Análise Técnica: o que esperar para Ibovespa, Vale e Petrobras no curto prazo?

Por: Rafael de Souza Ribeiro
28/01/09 - 13h00
InfoMoney

SÃO PAULO - Um dos clichês mais comentados no mercado de ações brasileiro diz respeito à relação de dependência entre Vale, Petrobras e Ibovespa, haja vista a representativa participação das duas ações na composição do índice.

Nos últimos doze pregões, a verdade se tornou patente, já que tanto o Ibovespa como as duas blue chips se encontram dentro de um amplo canal de congestão, traçado por suportes e resistências horizontais e pelas extremidades das Bandas de Bollinger.

Desde então os ativos vêm acumulando um sinal muitas vezes negligenciado, mas que resguarda um poder muito grande na análise técnica, já que uma fase de acumulação precede uma alta importante, caso o rompimento para cima da congestão, ou uma baixa consistente, com a perda do suporte da faixa de acumulação.

Ibovespa
Em um canal de congestão mais amplo entre 42.300 pontos e 29.400 pontos, mas ainda em tendência de alta, o Ibovespa precisa ultrapassar a resistência da congestão para engatar um movimento sólido de alta, como indicam os analistas da Doji Star Four Gráficos.

Porém, antes de alcançar a barreira dos 42.000 pontos, o índice precisa ultrapassar os 40.000 pontos e 40.500 pontos, conforme avalia Eduardo Collor, analista técnico da Ativa Corretora, para realmente ganhar força.

Do outro lado, se perder o suporte localizado em 37.800 pontos, os analistas da Doji preveem queda para o curto prazo, com principal objetivo em 36.300 pontos, onde a perda deste patamar indica a reversão para tendência de baixa.

Petrobras
Seguindo o exemplo do índice, os papéis preferenciais (PETR4) da estatal se encontram em congestão, com resistência e suporte na casa dos R$ 25,00 e R$ 22,50, respectivamente.

Rompendo a resistência, a ação volta formar um pivô de alta, com próximo objetivo em R$ 25,90, segundo os analistas da Doji. Acima deste patamar, a equipe da Focques Analistas Técnicos projetam resistências em R$ 28,20, R$ 30,15 e R$ 31,15.

Contudo, se os papéis perderem o suporte da congestão, os próximos suportes intermediários serão R$ 21,10, R$ 20,30, R$ 19,14 e R$ 18,26.

Vale
Negociando dentro de um canal de alta, os papéis preferenciais classe A (VALE5) da mineradora fecharam a última sessão com um forte movimento de alta, se aproximando da principal resistência, em R$ 28,70.

As Bandas de Bollinger projetando-se para um movimento de alta deflagra a manutenção da tendência principal, com próximo objetivo em R$ 29,40, segundo o analista da Ativa Corretora. Acima desta região, a equipe da Focques prevê o teste dos R$ 31,38 e R$ 32,40.

O suporte decisivo para continuação da tendência de alta localiza-se na casa dos R$ 27,20, afirmam os analistas da Doji, que uma vez ultrapassado reverte a tendência para baixa. A partir daí, os próximos suportes de curto prazo são R$ 26,00, R$ 25,80 e R$ 25,00.

Marcadores: , ,

Bookmark and Share

U.S. New-Home Sales Fall to Lowest Level on Record

U.S. New-Home Sales Fall to Lowest Level on Record (Update2)

By Bob Willis

Jan. 29 (Bloomberg) -- Sales of new homes in the U.S. fell in December to the lowest level on record, creating an unprecedented glut of unsold properties that casts doubt on any recovery in the industry this year.

Purchases dropped to an annual pace of 331,000, lower than all 70 forecasts in a Bloomberg News survey, Commerce Department figures showed in Washington. Other reports today said orders for durable goods slumped for a fifth month and a record number of Americans were collecting jobless benefits.

The collapse in demand for homes means builders are still constructing a surplus of properties, and signals more pressure on prices. The intensifying crisis will make it harder for President Barack Obama to arrest the industry's decline with proposed tax breaks and steps to slow mortgage foreclosures.

"Builders are slashing production, but it's difficult for them to keep up with sales that are falling so fast," said Nigel Gault, chief U.S. economist at IHS Global Insight, in Lexington, Massachusetts, who at 345,000 had the lowest estimate of economists surveyed. "New homes are getting cheaper, but you can't get credit so you can't buy."

The Standard & Poor's Homebuilder Composite Index was down 4.5 percent to 199.63 at 11:08 a.m. New York time. Treasuries fell, with yields on 10-year notes climbing to 2.68 percent from 2.66 percent yesterday.

Unadjusted for seasonal patterns, only 23,000 Americans bought new homes last month, with just 2,000 purchases in the Northeast region.

Economists' Forecasts

Economists had forecast new home sales would drop to a 397,000 pace, according to the median forecast in a Bloomberg survey of 70 economists. Estimates ranged from 345,000 to 412,000. Commerce revised the November sales pace down to 388,000 from the 407,000 rate previously reported.

Orders for durable goods fell 2.6 percent in December, more than anticipated, other figures from Commerce showed. The declines signals a slump in business spending will deepen and prolong the recession.

A Labor Department report showed a record 4.8 million fired workers received unemployment benefits in the week ended Jan. 17.

First-time filings last week increased 3,000 to 588,000. The median price of a new home decreased 9.3 percent from the same month the prior year to $206,500, the lowest in five years. Sales of new homes were down 45 percent from December 2007.

For the full year, sales fell a record 38 percent to 482,000, the fewest since 1982, Commerce said. The median price for all of 2008 fell 7 percent, the most since 1970, to $230,600.

Glut of Properties

The supply of homes at the current sales rate jumped to a record 12.9 months' worth. That is more than twice as much as the five-to-six months supply that the National Association of Realtors has said is consistent with a stable market.

The housing report showed builders were unable to trim inventories as fast as sales dropped. The number of homes for sale fell 10 percent to a seasonally adjusted 357,000, the fewest since Sept. 2003.

Sales of new houses dropped in all four regions, led by a 28 percent decrease in the Northeast and a 20 percent slump in the West.

New-home purchases, which now account for less than 10 percent of the market, are a timelier indicator than existing sales because they are based on contract signings. Sales of previously owned homes, which make up the rest, are compiled from closings and reflect contracts signed weeks or months earlier.

Getting 'Clocked'

"The new-home market is getting disproportionately clocked relative to the existing-home market," Stephen Stanley, chief economist at RBS Greenwich Capital Markets Inc. in Greenwich, Connecticut, said before the report. "New home sales have taken the bulk of the hit."

Sales of existing homes in December unexpectedly rose 6.5 percent, the National Association of Realtors said Jan. 26. For the full year 2008, existing home sales fell 13 percent.

Declining residential construction has detracted from economic growth since early 2006.

Home prices have fallen by a quarter on average since mid- 2006, according to the S&P/Case-Shiller 20-city price index, partly reflecting an 81 percent surge in foreclosures last year.

Mounting delinquencies touched off a wave of defaults on mortgage-backed securities, infecting the global financial system and leading to bank losses that may reach $2.2 trillion, according to the International Monetary Fund. That's created a spiral of tighter credit, slumping spending and falling prices.

'Tight' Credit

"Credit conditions for households and firms remain extremely tight," the Federal Reserve said yesterday in its latest policy statement after it kept its lending rate as low as zero.

The central bank said it was ready to purchase Treasuries to revive lending and would continue to purchase government-agency and mortgage-backed debt "to provide support to the mortgage and housing markets."

The shrinking real-estate market is costing more and more jobs, from banks and homebuilders to manufacturers and retailers.

Caterpillar Inc., the world's largest maker of bulldozers and excavators, this week said it's cutting 20,000 jobs and this year's profit and sales will trail analysts' estimates.

Home Depot Inc., the world's largest home-improvement retailer, will cut 7,000 jobs, or 2 percent of its workforce, and exit its design showroom business, the company said.

To contact the reporter on this story: Bob Willis in Washington bwillis@bloomberg.net

Last Updated: January 29, 2009 11:12 EST

Bookmark and Share

Brasil pode ter crescimento negativo, diz Roubini

Por Fernando Dantas, no Estadão:

O Brasil vai acompanhar o resto do mundo num pouso forçado em 2009, com a
possibilidade até de ter crescimento negativo, segundo Nouriel Roubini, o
prestigiado economista que previu com mais precisão o grande cataclisma
financeiro que se abateu sobre a economia global a partir de setembro do
ano passado. "O crescimento no Brasil pode ser próximo de zero, pode ser
1%, ou pode até acabar sendo negativo; mas para um país como o Brasil, que
tem problemas de pobreza e subdesenvolvimento, qualquer coisa abaixo de 3%
já é um pouso forçado", disse Roubini em Davos nesta quarta-feira, 28, de
manhã, em conversa com jornalistas, enquanto se preparava para uma maratona
de encontro e debates durante o Fórum Econômico Mundial.
Ironicamente, quanto pior fica a economia global, mais sobe o cacife de
Roubini, que nos encontros anuais do Fórum em anos recentes previu
consistentemente que se caminhava para o desastre. A seguir, alguns dos
principais pontos da conversa com Nouriel Roubini.

Economia global
O melhor cenário é aquele no qual só há recuperação em 2010, com um
crescimento em torno de 1% nas economia avançadas, mas que vai parecer
ainda recessão, com o desemprego continuando a subir. O pior cenário é o de
uma estagnação ao estilo japonês por vários anos. Assim, teremos sorte se
for apenas uma contração muito feia durante dois anos. Eu diria que há 2/3
de chance de uma contração de dois anos, e 1/3 de uma estagnação de vários
anos.
Os dois principais motores do crescimento global são os Estados Unidos, do
lado do consumo, e a China, do lado da produção. O primeiro entrou em
colapso, e o segundo está caindo. Então você tem basicamente uma aeronave
da economia global sem motores de crescimento. O que está acontecendo neste
exato momento é um pouso forçado maciço, a primeira recessão global
sincronizada, afetando as economias avançadas e os mercados emergentes. Não
houve isso nos últimos 50 anos. Esta é a pior crise financeira desde a
Grande Depressão. É realmente assustador.

Obama
Eu acho que ele é um grande presidente, é inteligente, carismático, e
escolheu uma excelente equipe econômica, Larry Summers (chefe do Conselho
Econômico Nacional) e Tim Geithner (Secretário do Tesouro), que vai tentar
fazer coisas de forma agressiva e forçada. Mas mesmo o melhor plano, que
seja desenhado e implementado com a velocidade suficiente, só vai fazer
alguma diferença em 2010. Não vai haver nenhuma recuperação do crescimento
este ano, nem nenhuma recuperação do mercado financeiro. O sistema bancário
americano está insolvente, as suas perdas esperadas são maiores do que o
seu capital. O Tarp 1 e Tarp 2 (programa de saneamento bancário de US$ 700
bilhões lançado pelo ex-presidente George W. Bush, e implementado em duas
etapas de US$ 350 bilhões) não são suficienteS. Você precisa de mais US$ 1
trilhão, US$ 1,5 trilhão de dinheiro para recapitalizar os bancos. É um
problema fiscal maciço.

Brasil
O crescimento no Brasil pode ser próximo de zero, pode ser 1%, ou pode até
acabar sendo negativo. Mas para um país como o Brasil, que tem problemas de
pobreza e subdesenvolvimento, qualquer coisa abaixo de 3% é um pouso
forçado. Os mercados emergentes crescem potencialmente 6% a 7%, mas agora a
média vai ser 2%. Isto é como se fosse uma recessão, mesmo que tecnicamente
seja crescimento positivo. É tão fraco que a renda per capita real não está
crescendo, o que para mim significa pouso forçado no Brasil, na América
Latina, na Ásia, nos mercados emergentes.

Bookmark and Share

Bom dia ADVFN - Estados Unidos aprova pacote de US$ 819 bilhões e mantém taxa básica de juros

Notícias em destaque
Agenda pesada para esta quinta-feira
Indicadores de peso tanto no cenário doméstico quanto internacional
completam a agenda do investidor na última quinta-feira do mês. No Brasil,
destaque para a ata da do Copom (Comitê de Política Monetária). Já nos
Estados Unidos, teremos novamente indicadores relacionados à crise do
subprime através das Vendas de Imóveis Novos e relacionados também à crise
de desemprego através dos números de Pedidos de Seguro-Desemprego.
Estados Unidos aprova pacote de US$ 819 bilhões e mantém taxa básica de
juros.
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, começou com o pé direito e
teve o seu primeiro pacote econômico aprovado na Câmara dos Representantes
com 244 votos a favor e 188 contra. O pacote foi estimado em US$ 819
bilhões, onde US$ 544 bilhões serão destinados para investimentos e US$ 275
em cortes de impostos para pessoas físicas e jurídicas. O próximo passo
agora é a aprovação no Senado. Obama se diz satisfeito com a decisão da
Câmara e espera gerar cerca de 3 milhões de empregos após estímulos
econômicos. Além disto, ontem foram finalizadas as reuniões do FOMC, Comitê
de Política Monetária dos Estados Unidos. Como esperado pelo mercado e
previamente esclarecido pelo Federal Reserve (Banco Central do país), o
Comitê optou pela manutenção da taxa básica de juros, deixando-a entre 0% e
0,25%.

Resultados coorporativos
A clássica Nintendo, fabricante japonesa de videogames, divulgou os
resultados entre abril e dezembro de 2008, onde teve um aumento de 16,7% em
suas vendas, porém registrou uma queda de 18% no lucro líquido. Outra
fabricante japonesa de eletrônicos, Toshiba, divulgou seus resultados do
quarto trimestre de 2008, marcado por uma forte queda em seu lucro líquido.
Entre outubro e dezembro de 2008, a Toshiba registrou prejuízo líquido de
aproximadamente US$ 1,35 bilhão, contra lucro líquido de US$ 895 milhões no
mesmo período em 2007. A Sony, outra fabricante japonesa, reportou um lucro
líquido de US$ 115 milhões, ou seja, uma forte queda de 95% em relação ao
mesmo período de 2007. Na América, a cadeia de cafeterias Starbucks
anunciou queda de 69% no lucro líquido do seu primeiro trimestre fiscal
(entre outubro e dezembro de 2008) e que irá fechar cerca de 300 lojas ao
redor do mundo e demitir 6.700 funcionários. Nem a editora do famoso jornal
The New York Times conseguiu esc apar da recessão mundial, registrando
prejuízo líquido de US$ 57,8 milhões contra lucro de US$ 208,7 milhões em
2007.

Bookmark and Share

quarta-feira, janeiro 28, 2009

U.S. Stocks Gain, Extending Global Rally, on ‘Bad Bank’ Plan

By Cordell Eddings
Jan. 28 (Bloomberg) -- U.S. stocks rose, extending a global rally, as President Barack Obama prepared to set up a so-called bad bank to absorb toxic investments and Yahoo! Inc. and Germany’s SAP AG reported better-than-estimated earnings.
Citigroup Inc. and Bank of America Corp. surged more than 13 percent after a White House official said Obama’s team may announce the outlines of its plan next week. Deutsche Bank AG and Barclays Plc added at least 18 percent in Europe. Yahoo and SAP, the largest maker of business-management software, climbed more 5.2 percent. The Standard & Poor’s 500 Index gained for a fourth straight day, its longest streak since November.
“The impact of the bad bank idea is positive for equities in that it moves us in the direction of finding a solution to the cloud of bad assets that continue to weigh on proper valuations,” said Alan Gayle, senior investment strategist at Ridgeworth Capital Management, which oversees $70 billion in Richmond, Virginia. It’s “giving nervous markets a lift.”
The S&P 500 added 3.4 percent to 874.09, with financial companies posting 19 of the top 20 gains. The Dow Jones Industrial Average climbed 200.72 points, or 2.5 percent, to 8,375.45. Europe’s benchmark, the Dow Jones Stoxx 600 Index, rose 3.2 percent and the MSCI Asia Pacific Index gained 0.5 percent.
Benchmark indexes climbed to their highs after the Federal Reserve left its benchmark interest rate as low as zero and said it may keep it at “exceptionally low levels” for some time. The S&P 500, which has dropped for three straight weeks, is still 16 percent above an 11-year low reached on Nov. 20 amid optimism that Obama’s stimulus package will revive the economy.
Stimulus, ‘Bad Bank’
Treasuries fell, led by the biggest decline in 30-year bonds in three weeks, after the central bank failed to expand on its plan to buy government debt as a means to reducing borrowing costs. The dollar gained against the yen and euro as the Fed resolved to do whatever is needed to revive the economy.
The U.S. House is set to approve Obama’s proposed $816 billion economic stimulus package. The plan is aimed at pulling the economy out of recession through a combination of tax cuts and $604 billion in spending.
Citigroup added 66 cents, or 19 percent, to $4.21, while Bank of America, the largest U.S. lender by assets, jumped 89 cents to $7.39. JPMorgan Chase & Co. climbed 10 percent to $27.66. Fifth Third Bancorp and State Street Corp. jumped more than 31 percent.
Financial companies in the S&P 500 rallied 13 percent collectively, with 79 of 81 companies advancing.

‘Relief Rally’
The bad-bank initiative may allow the government to rewrite some of the mortgages that underpin banks’ toxic debt, in the hope of stemming a crisis that has stripped more than 1.3 million Americans of their homes. The S&P 500 fell 38 percent last year, the most since the Great Depression, after the collapse of Lehman Brothers Holdings Inc. froze credit markets and more than $1 trillion in losses at financial firms eroded profits.
“You’re getting a big relief rally in the financials and that’s lifting the whole market,” said Michael Binger, Minneapolis-based fund manager at Thrivent Asset Management, which oversees about $70 billion. “If the bad assets can be taken out, banks will feel more comfortable in where their capital ratios will be. And if that’s the case, they’ll be more ready to lend and the credit market freeze will thaw.”
Wells Fargo & Co., the second-biggest U.S. home lender, rallied 31 percent to $21.19. The bank maintained its dividend and said it doesn’t need more federal aid as it reported its first quarterly loss since 2001 following its takeover of Wachovia Corp.

Earnings Watch
Yahoo, owner of the second-most-popular U.S. search engine, added 7.9 percent to $12.24. Excluding items such as stock-based compensation, earnings were about 18 cents a share, buoyed by job cuts and rising domestic sales. That beat the 17 cents estimated by analysts in a Bloomberg survey.
Carol Bartz, in her first earnings conference call as chief executive officer, said she would consider offers to buy the company’s assets, while adding that she didn’t come to Yahoo with the intention of selling it.
Profits decreased 41 percent for the 144 companies in the S&P 500 that have released fourth-quarter results since Jan. 12. Analysts now forecast a 32 percent drop in earnings for the fourth quarter after saying in March 2008 that net income would rise as much as 55 percent, according to Bloomberg data.

Sun Rallies
Sun Microsystems Inc. added 22 percent to $4.86. The world’s fourth-largest maker of server computers reported sales and earnings that topped analysts’ estimates after cutting jobs to cope with the recession.
Life insurers advanced after state insurance commissioners endorsed industry proposals to loosen capital requirements, paving the way for a potential vote on Jan. 29 to change reserving rules. MetLife Inc., the biggest U.S. life insurer, jumped 20 percent to $33.27.
Deutsche Bank, Germany’s largest, surged 22 percent to 22.15 euros in Frankfurt. Barclays, the U.K. lender that turned down government funding last year, rallied 19 percent to 107 pence in London.
There are some signs that the Fed’s action has begun to thaw credit markets. Sales of commercial paper totaled $1.69 trillion last week, up from October’s low of $1.45 trillion, though down from $1.76 trillion in the first week of the year.
The cost of borrowing dollars in London for three months rose to a two-week high this week as confidence in the banking system weakened. The London interbank offered rate, or Libor, for three-month loans slipped 1 basis point to 1.17 percent today, according to British Bankers’ Association data. Libor had surged to 4.82 percent on Oct. 10. The TED spread, the difference between what the U.S. government and companies pay for loans for three months, fell 5 basis points to 100 basis points. The spread was 464 basis points on Oct. 10.
“The Fed has already dipped their toe into quantitative easing, now they want to see how far the credit markets thaw before they do anything big,” said Stephen Wood, who helps manage $150 billion as a senior portfolio strategist at Russell Investments in New York.
To contact the reporter on this story: Cordell Eddings in New York at ceddings@bloomberg.net. Last Updated: January 28, 2009 16:30 EST

Bookmark and Share

Comentários da Rosa no Bom dia Mercado sobre a agenda da semana

Agenda da semana tem PIB nos EUA. Aqui, ATA é o destaque

.. Investidores devem estar preparados para mais uma semana de agenda forte
em Nova York, que inclui indicadores e balanços pesos pesados, com
potencial para definir se WALL STREET vai em frente com OBAMA ou fica na
crise. Não precisa dizer que o risco de lá é o risco daqui. Na quarta-feira
(28), já com o juro zerado, o FED não tem muita opção na sua primeira
decisão de política monetária de 2009, enquanto a economia deve continuar
dando evidências de fragilidade. Nas agências internacionais, analistas
estão prevendo o pior resultado em 26 anos do PIB norte-americano no quarto
trimestre do ano passado, na sexta-feira. A expectativa é de uma retração
em torno de 5% (base anual).

.. Os esforços da Casa Branca para tentar aprovar no Congresso os projetos
de estímulo econômico parecem ser a única esperança de alguma leveza ou
recuperação para os mercados. Nesta semana, OBAMA se reunirá com líderes de
oposição para a negociação de dois pacotes diferentes em debate no
Congresso dos EUA: o que foi apresentado pela bancada democrata na Câmara,
de US$ 825 bilhões, e um segundo, de US$ 455 bilhões no Senado. O
presidente espera que uma ajuda seja aprovada até 16 de fevereiro.

O dado de casas novas sai na quinta-feira,juntamente com as encomendas de
bens duráveis. Na sexta-feira, além da primeira estimativa do PIB, tem a
atividade dos gerentes de compras de Chicago e sentimento do consumidor de
Michigan.

.. Além dos indicadores, os BALANÇOS corporativos continuam dando a
dimensão desta crise. A temporada de resultados segue com força esta
semana, trazendo os números de um terço das empresas integrantes do DOW
Jones e do S&P-500. Nesta segunda-feira, antes da abertura das bolsas,
MCDONALD´S tem previsões de um lucro de US$ 0,83 por ação e CATERPILLAR,
de US$ 1,31.. Após o fechamento, tem a TEXAS INSTRUMENTS (lucro de US$
0,12) e a AMERICAN EXPRESS (ganho líquido de US$ 0,22 por papel).... Entre
as techs, amanhã (terça-feira) estão a YAHOO! e, na quinta-feira, a AMAZON.
Já no setor das teles, o destaque vai para a VERIZON (terça) e AT&T, na
quarta-feira.

Sentindo o impacto da queda livre do petróleo, quase US$ 100 a menos em
relação à sua máxima histórica, as petrolíferas devem vir com lucros
expressivamente menores no quarto trimestre de 2008... CHEVRON sairá na
quinta-feira e a EXXON MOBIL, na sexta.Na lista das farmacêuticas, destaque
para BRISTOL-MYERS SQUIBB (terça), PFIZER (quarta) e ELI LILLY (quinta).
DUPONT e SUN saem amanhã, FORD, na quinta-feira, e a PROCTER & GAMBLE
encerra a semana movimentada (na sexta-feira).

.. Na EUROPA, a agenda traz, na sexta-feira, o desemprego em dezembro e o
índice de preços ao consumidor (preliminar de janeiro) na zona do euro.
Amanhã (terça-feira), na Alemanha, sai o índice IFO de clima para os
negócios (janeiro). Na quarta-feira, o BC da POLÔNIA deve baixar o juro
hoje entre meio ponto e 0,75 ponto. Em Davos (Suíça), começa na quarta a
reunião anual do Fórum Econômico Mundial, que vai até o domingo.

.. AQUI, único mercado descolado de NY, os JUROS futuros esperam a ATA do
Copom, na quinta-feira (29), na expectativa de que o documento forneça
pistas das próximas decisões de política monetária, depois do corte de 1,00
ponto da taxa SELIC, na semana passada, que iniciou o desaperto.

Bookmark and Share

terça-feira, janeiro 27, 2009

Petrobras anuncia descoberta de acumulação de gás na Bacia de Santos

Por: Gabriel Ignatti Casonato
26/01/09 - 19h54
InfoMoney

SÃO PAULO - A Petrobras (PETR3, PETR4) anunciou na noite desta segunda-feira (26) que seu consórcio formado com a Repsol realizou uma descoberta de importante acumulação de gás em poço localizado nas águas rasas da Bacia de Santos.

Segundo o comunicado, este poço está cerca de 210 km a sudeste da cidade de Santos (SP), em lâmina d'água de 214 metros. Sua perfuração faz parte das atividades exploratórias do Plano de Avaliação do poço 1-BSS-68, que havia constatado a presença de gás em reservatórios arenosos da seção pós-salífera.

A estatal informa que o consórcio dará continuidade às atividades exploratórias através da realização de testes de formação a serem realizados nos intervalos de gás já constatados, quando então será possível declarar a comercialidade desta jazida.

Descoberta de grande importância
"Esta descoberta tem grande importância devido ao potencial de produção de gás em águas rasas no sul da Bacia de Santos", conclui a nota.

Marcadores:

Bookmark and Share

Petrobras cai três posições em ranking com as maiores empresas de energia

Por: Gabriel Ignatti Casonato
26/01/09 - 21h28
InfoMoney

SÃO PAULO - Um ranking das 50 maiores empresas de energia do mundo compilado pela consultoria norte-americana PFC Energy mostra que a Petrobras perdeu três posições entre as gigantes energéticas em 2008.

De acordo com a tabela de classificação PFC Energy 50, que tem como critério listar as empresas pela sua capitalização de mercado, a petrolífera brasileira passou da sexta colocação em 2007 para o nono lugar no final do ano passado. Culpa da forte desvalorização das ações no período.

Gigantes energéticas
Empresa 2008 2007
ExxonMobil 1º 2º
PetroChina 2º 1º
Royal Dutch Shell 3º 4º
Chevron 4º 10º
British Petroleum 5º 7º
TOTAL 6º 8º
BHP Billiton 7º 9º
GdF Suez 8º 22º
Petrobras 9º 6º
Eni 10º 11º

Outras empresas estatais, como a chinesa PetroChina e a russa Gazprom, também caíram no ranking. A primeira, que ocupava o ponto mais alto do pódio em 2007, agora aparece na vice- liderança. Já a segunda caiu da terceira colocação para o décimo primeiro lugar no último ano.

Empresas privadas sobem
Por outro lado, outras gigantes internacionais recuperaram posições que haviam perdido para as estatais no ranking anterior. É o caso da Exxon Mobil, que deixou a segunda colocação a agora aparece como a maior empresa de energia em capitalização de mercado.

No mesmo sentido, a Royal Dutch Shell passou de quarto para terceiro lugar, a Chevron pulou da décima para a quarta colocação e a British Petroleum do sétimo para o quinto lugar.

Valor combinado tem maior queda da história
O valor combinado das 50 maiores empresas de energia do mundo caiu 46% entre os anos, passando de US$ 5,2 trilhões no final de 2007 para US$ 2,8 trilhões no encerramento do ano passado. De acordo com a PFC Energy, este foi o maior declínio da história do ranking.

Marcadores:

Bookmark and Share

Bolsa sustenta ganho com melhora em Wall Street e fôlego das ações da Vale

Por: Equipe InfoMoney
27/01/09 - 16h46
InfoMoney

SÃO PAULO - Desafiando o fechamento negativo das bolsas na Europa, o Ibovespa se sustenta no campo positivo no meio da tarde, acompanhando a breve melhoria dos índices acionários de Wall Street. Com muitas referências díspares, as bolsas norte-americanas mostraram instabilidade nas primeiras horas de negócios.

A temporada de resultados corporativos trouxe boas surpresas, reduzindo um pouco o foco de uma nova rodada de indicadores ruins. A confiança do consumidor norte-americano ficou abaixo do esperado no mês de janeiro, enquanto a agência Standard & Poor's divulgou que os preços dos imóveis norte-americanos caíram 18,18% em novembro de 2008 frente a igual período de 2007. Grande destaque da agenda, o início da reunião do Fed desta vez tem menor impacto, haja vista que o juro básico norte-americano já se encontra entre 0% e 0,25% ao ano.

Sem ajuda dos indicadores, os ganhos lá fora são puxados por resultado melhor que as projeções de companhias como Texas Instruments, Travelers Cos. and Netflix. Outro evento que ocupa os noticiários é a confirmação de Timothy Geithner como novo secretário de Tesouro norte-americano. O ex-chairman do Fed de Nova York chegou mostrando serviço e anunciou novas regras para restringir a influência de lobistas nos programas de estímulo do governo.

Por aqui, as ações da Vale ignoram o recuo dos metais básicos e puxam o bom desempenho do Ibovespa. Paralelamente, dados do IBS (Instituto Brasileiro de Siderurgia) apontaram leve queda de 0,2% na produção de aço brasileira em 2008; graças à forte retração da produção no último bimestre do ano.

Dólar sobe
O dólar comercial fechou em alta de 0,52% nesta terça-feira, a R$ 2,3230, impulsionado por mais incertezas acerca da balança comercial brasileira, já no terceiro déficit semanal consecutivo.

De olho na valorização da divisa norte-americana, o Bacen anunciou nova intervenção no câmbio a fim de equilibrar as cotações. Dessa vez, foi realizado um leilão de dólares no mercado à vista, cuja taxa de corte para venda foi de R$ 2,3150.

Ibovespa sustenta ganhos
Com permissão de Wall Street e puxado pela Vale, o Ibovespa opera com alta próxima de 0,71%, contornando os 38.800 pontos. O volume financeiro supera R$ 2,2 bilhões.

Entre os destaques de alta estavam os papéis de Vale Rio Doce ON (VALE3, +3,34%), Souza Cruz ON (CRUZ3, +3,13%), Vale Rio Doce PNA (VALE5, +2,52%), Bradespar PN (BRAP4, +2,48%) e Redecard ON (RDCD3, +2,15%).

Por outro lado, as ações Natura ON (NATU3, -2,82%), Unibanco UNT (UBBR11, -2,07%), Cesp PNB (CESP6, -2,01%), Trans Paulista PN (TRPL4, -1,86%) e Vivo Part PN (VIVO4, -1,79%) apresentam pior desempenho.

Os maiores volumes ficaram com Vale Rio Doce PNA (VALE5, R$ 275,33 milhões), Petrobras PN (PETR4, R$ 212,11 milhões), Vale Rio Doce ON (VALE3, R$ 111,67 milhões), BMF Bovespa ON (BVMF3, R$ 40,67 milhões) e Bradesco PN (BBDC4, R$ 38,90 milhões).

Bookmark and Share

Crise: empresas anunciam demissões de quase 100 mil

SÃO PAULO - Diante do contágio da crise econômica em suas atividades e da
falta de perspectivas no curto prazo, empresas de diversos setores e
diferentes países anunciaram nesta segunda-feira (26) que vão demitir quase
100 mil de seus funcionários nos próximos dias.

O maior corte de trabalhadores será feito pela Caterpillar. O conglomerado
que fabrica equipamento pesados informou em nota divulgada no início do dia
que cortará nada menos que 20 mil empregos - equivalente a 18% de sua
mão-de-obra - principalmente por causa da redução da demanda.

Ainda no setor industrial, mas agora no Japão, a agência de notícias local
Jiji Press afirmou que as doze maiores montadoras do país planejam cortar
um total de 25 mil empregos no atual ano fiscal, que termina em 31 de
março, também para lidar com o declínio das vendas no setor.

No mesmo sentido, a General Motors anunciou que vai cortar 2 mil postos de
trabalho nas fábricas nos estados de Michigan e Ohio, além de reduzir a
produção em outras nove montadoras nos próximos seis meses, devido à queda
nas vendas.

Europa contribui para a onda de demissões...

Na Europa, por sua vez, a Philips, fabricante holandesa de produtos
eletroeletrônicos, anunciou novos planos de corte de custos, incluindo a
demissão de 6 mil funcionários em todo o mundo, após ter a primeira perda
trimestral desde 2003, com prejuízo de euro; 1,47 bilhão entre outubro e
dezembro do ano passado.

Também no velho continente, a britânica Corus, segunda maior siderúrgica
européia, disse que irá cortar 3,5 mil vagas, além das 500 demissões
anunciadas anteriormente. No total, 9,5% da força de trabalho da empresa
será dispensada. Com uma queda de 40% na demanda em relação ao pico de
2007, a companhia ainda irá estender o corte de 30% na produção até o
segundo trimestre deste ano.

Outros 7 mil empregos serão eliminados no holandês ING, que pretende
reduzir as despesas em euro; 1 bilhão ao longo deste ano. O banco anunciou
um prejuízo de euro; 3,3 bilhões no quarto trimestre de 2008, a troca de
CEO (Chief Executive Officer) e uma ajuda oficial do governo local para
cobrir perdas com ativos podres de sua carteira.

...assim como os Estados Unidos

De volta à maior economia do mundo, a empresa de telefonia Sprint Nextel
informou que vai demitir 8 mil funcionários com a intenção de reduzir os
custos com mão-de-obra em US$ 1,2 bilhão anuais. Segundo o comunicado, as
vagas a serem eliminadas serão definidas "em todos os níveis da companhia e
o impacto em localizações geográficas vai variar".

Já a varejista Home Depot comunicou que irá fechar suas lojas Expo e
reorganizar suas funções de apoio, medidas que levrão a um corte de 7 mil
empregos, ou cerca de 2% de sua força de trabalho. "As atividades Expo não
estão com bom desempenho financeiro e não devem tê-lo em qualquer ocasião
próxima", avaliou a companhia.

Por último, mas por um motivo um pouco diferente, outros 19 mil
trabalhadores das farmacêuticas Pfizer e Wyeth podem perder o emprego, como
resultado da união das empresas. Os conselhos de ambas as companhias
aprovaram nesta segunda-feira compra da Wyeth pela Pfizer em um negócio
avaliado em US$ 68 bilhões.

Bookmark and Share

segunda-feira, janeiro 26, 2009

US and UK on brink of debt disaster

The United States and the United Kingdom stand on the brink of the largest debt
crisis in history.

While both governments experiment with quantitative easing, bad banks to absorb
non-performing loans, and state guarantees to restart bank lending, the only real
way out is some combination of widespread corporate default, debt write-downs and
inflation to reduce the burden of debt to more manageable levels. Everything else
is window-dressing.

To understand the scale of the problem, and why it leaves so few options for
policymakers, take a look at Chart 1 (
https://customers.reuters.com/d/graphics/USDEBT1.pdf), which shows the growth in
the real economy (measured by nominal GDP) and the financial sector (measured by
total credit market instruments outstanding) since 1952.

In 1952, the United States was emerging from the Second World War and the conflict
in Korea with a strong economy, and fairly low debt, split between a relatively
large government debt (amounting to 68 percent of GDP) and a relatively small
private sector one (just 60 percent of GDP).

Over the next 23 years, the volume of debt increased, but the rise was broadly in
line with growth in the rest of the economy, so the overall ratio of total debts
to GDP changed little, from 128 percent in 1952 to 155 percent in 1975.

The only real change was in the composition. Private debts increased (7.8 times)
more rapidly than public ones (1.5 times). As a result, there was a marked shift
in the debt stock from public debt (just 37 percent of GDP in 1975) towards
private sector obligations (117 percent). But this was not unusual. It should be
seen as a return to more normal patterns of debt issuance after the wartime period
in which the government commandeered resources for the war effort and rationed
borrowing by the private sector.

From the 1970s onward, however, the economy has undergone two profound structural
shifts. First, the economy as a whole has become much more indebted. Output rose
eight times between 1975 and 2007. But the total volume of debt rose a staggering
20 times, more than twice as fast. The total debt-to-GDP ratio surged from 155
percent to 355 percent.

Second, almost all this extra debt has come from the private sector. Take a look
at Chart 2 (https://customers.reuters.com/d/graphics/USDEBT2.pdf). Despite acres
of newsprint devoted to the federal budget deficit over the last thirty years,
public debt at all levels has risen only 11.5 times since 1975. This is slightly
faster than the eight-fold increase in nominal GDP over the same period, but
government debt has still only risen from 37 percent of GDP to 52 percent.

Instead, the real debt explosion has come from the private sector. Private debt
outstanding has risen an enormous 22 times, three times faster than the economy as
a whole, and fast enough to take the ratio of private debt to GDP from 117 percent
to 303 percent in a little over thirty years.

For the most part, policymakers have been comfortable with rising private debt
levels. Officials have cited a wide range of reasons why the economy can safely
operate with much higher levels of debt than before, including improvements in
macroeconomic management that have muted the business cycle and led to lower
inflation and interest rates. But there is a suspicion that tolerance for private
rather than public sector debt simply reflected an ideological preference.

THE DEBT MOUNTAIN

The data in Table 1 (https://customers.reuters.com/d/graphics/USDEBT3.pdf) makes
clear the rise in private sector debt had become unsustainable. In the 1960s and
1970s, total debt was rising at roughly the same rate as nominal GDP. By
2000-2007, total debt was rising almost twice as fast as output, with the rapid
issuance all coming from the private sector, as well as state and local
governments.

This created a dangerous interdependence between GDP growth (which could only be
sustained by massive borrowing and rapid increases in the volume of debt) and the
debt stock (which could only be serviced if the economy continued its swift and
uninterrupted expansion).

The resulting debt was only sustainable so long as economic conditions remained
extremely favorable. The sheer volume of private-sector obligations the economy
was carrying implied an increasing vulnerability to any shock that changed the
terms on which financing was available, or altered the underlying GDP cash flows.

The proximate trigger of the debt crisis was the deterioration in lending
standards and rise in default rates on subprime mortgage loans. But the widening
divergence revealed in the charts suggests a crisis had become inevitable sooner
or later. If not subprime lending, there would have been some other trigger.

WRONGHEADED POLICIES

The charts strongly suggest the necessary condition for resolving the debt crisis
is a reduction in the outstanding volume of debt, an increase in nominal GDP, or
some combination of the two, to reduce the debt-to-GDP ratio to a more sustainable
level.

From this perspective, it is clear many of the existing policies being pursued in
the United States and the United Kingdom will not resolve the crisis because they
do not lower the debt ratio.

In particular, having governments buy distressed assets from the banks, or provide
loan guarantees, is not an effective solution. It does not reduce the volume of
debt, or force recognition of losses. It merely re-denominates private sector
obligations to be met by households and firms as public ones to be met by the
taxpayer.

This type of debt swap would make sense if the problem was liquidity rather than
solvency. But in current circumstances, taxpayers are being asked to shoulder some
or all of the cost of defaults, rather than provide a temporarily liquidity
bridge.

In some ways, government is better placed to absorb losses than individual banks
and investors, because it can spread them across a larger base of taxpayers. But
in the current crisis, the volume of debts that potentially need to be refinanced
is so large it will stretch even the tax and debt-raising resources of the state,
and risks crowding out other spending.

Trying to cut debt by reducing consumption and investment, lowering wages,
boosting saving and paying down debt out of current income is unlikely to be
effective either. The resulting retrenchment would lead to sharp falls in both
real output and the price level, depressing nominal GDP. Government retrenchment
simply intensified the depression during the early 1930s. Private sector
retrenchment and wage cuts will do the same in the 2000s.

BANKRUPTCY OR INFLATION

The solution must be some combination of policies to reduce the level of debt or
raise nominal GDP. The simplest way to reduce debt is through bankruptcy, in which
some or all of debts are deemed unrecoverable and are simply extinguished, ceasing
to exist.

Bankruptcy would ensure the cost of resolving the debt crisis falls where it
belongs. Investor portfolios and pension funds would take a severe but one-time
hit. Healthy businesses would survive, minus the encumbrance of debt.

But widespread bankruptcies are probably socially and politically unacceptable.
The alternative is some mechanism for refinancing debt on terms which are more
favorable to borrowers (replacing short term debt at higher rates with
longer-dated paper at lower ones).

The final option is to raise nominal GDP so it becomes easier to finance debt
payments from augmented cashflow. But counter-cyclical policies to sustain GDP
will not be enough. Governments in both the United States and the United Kingdom
need to raise nominal GDP and debt-service capacity, not simply sustain it.

There is not much government can do to accelerate the real rate of growth. The
remaining option is to tolerate, even encourage, a faster rate of inflation to
improve debt-service capacity. Even more than debt nationalisation, inflation is
the ultimate way to spread the costs of debt workout across the
widest possible section of the population.

The need to work down real debt and boost cash flow provides the motive, while the
massive liquidity injections into the financial system provide the means. The
stage is set for a long period of slow growth as debts are worked down and a rise
in inflation in the medium term.

Bookmark and Share

terça-feira, janeiro 20, 2009

Crédito: o que fazer?

Crédito: o que fazer?


Autor(es): Ilan Goldfajn

O Globo - 20/01/2009



Alguém ainda acredita que os bancos internacionais voltarão a emprestar no
futuro próximo? Quem tinha ilusões ficou desiludido com o déjà-vu da
semana passada. Os bancos voltaram a divulgar perdas bilionárias. Nesse
cenário de perdas, falta de capital e falências bancárias é difícil
vislumbrar a volta do crédito. No Brasil, o debate sobre a falta de
crédito deve esquentar, agora que o Banco Central (BC) vai começar a
reduzir os juros. Por que os bancos não emprestam mais agora que os juros
estão caindo e os depósitos compulsórios no BC já foram liberados? Não
seria necessário uma mão forte que forçasse os bancos (no Brasil e no
exterior) a emprestar?

É tentador imaginar que a solução para a falta de crédito envolva forçar
os bancos privados a expandir os empréstimos públicos. A lógica parece
cristalina. Um dos canais de transmissão mais potentes desta crise
financeira para o resto da economia é através do encolhimento brutal do
crédito. Como a falta de crédito é um problema advindo da incapacidade das
instituições financeiras em conceder crédito - seja porque estão
quebradas, com falta de capital, sem liquidez, ou, simplesmente, em pânico
- a solução natural seria substituir essa falta de capacidade e/ou
disposição com medidas econômicas que forçassem o crédito a voltar.

Mas, às vezes, o que parece cristalino, não o é. Infelizmente a crise é
mais do que o seu braço financeiro. Envolve o lado real da economia,
através da reestimação da riqueza global. Quanto do consumo passado era
baseado numa riqueza falsa, na subida enganosa do mercado imobiliário, das
bolsas no mundo e dos ativos em geral? E, seguindo essa linha de
raciocínio, quanto era produzido no mundo para satisfazer esse falso
consumo? Houve excesso de investimentos para ampliar a capacidade de
produção desnecessariamente (para satisfazer o consumo exagerado baseado
em riqueza falsa)?

Parece claro que haverá mudanças permanentes com a crise. Há hoje um
consenso que pelo menos o sistema financeiro mundial tenha inchado demais.
E, também, que o consumo americano era insustentável e que deveria se
retrair. Não são necessários muitos passos lógicos para construir um
cenário onde a economia mundial precise de um ajuste, onde consumo e
investimento caiam (substancialmente), antes que possam voltar ao vigor
anterior. E o crédito nesse cenário?

Pois bem, nesse cenário quem concede crédito deveria tomar cuidado
redobrado, independentemente se é um banco privado, uma entidade pública
ou o próprio governo. Alguns setores precisarão encolher, algumas firmas
poderão tornar-se não lucrativas. Não está claro se nesse cenário seria
eficiente conceder novos empréstimos para alguns setores e/ou firmas, já
que a taxa de inadimplência deve elevar-se no processo de ajuste global.

Nesse cenário, a ausência de crédito não se deve aos problemas dos bancos,
nem a uma aversão despropositada a emprestar. A contração dos empréstimos
está seguindo a lógica do ajuste global. Forçar o crédito é maximizar as
perdas, seja dos bancos privados ou públicos. Nesse cenário, ir contra a
lógica do ajuste global é jogar dinheiro fora.

Na realidade, a retração de crédito no mundo deve ser resultado dos dois
argumentos levantados neste artigo. Por um lado, a queda de crédito deve
ser fruto das dificuldades dos bancos e, por outro lado, a queda também
deve ser a natural reação de quem vislumbra um ajuste global nesta nova
realidade. A política econômica deve reagir ao efeito das dificuldades dos
bancos, mas permitir a retração devido ao ajuste global. Na prática, na
medida que dificilmente se consegue separar o joio do trigo, é prudente
evitar os extremos, combatendo a paralisia no crédito, mas também as
medidas extremas que forcem a concessão de crédito ou expandam de forma
descontrolada o crédito público (a fundo perdido). Este é apenas mais um
exemplo de um princípio geral: o governo deve buscar políticas que
minimizem o impacto da crise, mas também aquelas que preservem a
capacidade de uma retomada vigorosa e longa, uma vez que as condições
internacionais permitirem.

ILAN GOLDFAJN é professor de economia da PUC-Rio. E-mail:
goldfajn@uol.com.br.

Bookmark and Share

segunda-feira, janeiro 19, 2009

Notícias extraídas dos principais jornais nacionais e estrangeiros com opiniões

MUNDO - Prosseguem os cancelamentos de investimentos, as demissões em massa

e as empresas quebrando pelo mundo. "A fabricante de chips AMD e a Pfizer

anunciaram demissões, rumores dão conta que a varejista Circuit City está

próxima de liquidação após não chegar a um acordo com credores em sua

recuperação judicial e o governo soltou mais US$ 1,5 bilhão, desta vez para

o braço financeiro da montadora Chrysler."



EUA - "Governo dos EUA deve lançar bases para segunda fase do resgate aos

bancos." Até quando durará este processo? Quem irá sobreviver? Você

emprestaria muito capital a algum destes bancos? A que taxa? Se a resposta

é não, como é que os bancos captarão e emprestarão ao mercado para promover

o efeito multiplicador e o crescimento econômico? Será que só o dinheiro do

governo norte americano será capaz de recuperar a economia e a

credibilidade? Eu não aposto ainda na hipótese, prefiro ser cauteloso a ver

o meu dinheiro virar pó.



Por enquanto, "prejuízo de US$ 8,3 bilhões do Citi no trimestre, sua cisão

em duas unidades independentes e o primeiro resultado negativo do Bank of

America em 17 anos. Para compensar, o governo irá desembolsar cerca de US$

400 bilhões em garantias e aportes para dar sobrevida às duas

instituições." Ta difícil... Até quando o governo americano irá ajudar

todas as instituições financeiras? Será que ele terá condições de longo

prazo para financiar planos com cifras de trilhões para o setor financeiro

e os demais setores? Eu não aposto, prefiro esperar...



Enquanto isto os indicadores prosseguem ruins, "A produção industrial dos

EUA retraiu mais que o esperado e o CPI apontou deflação de 0,7% em

dezembro." Quero lembrar que os preços no atacado tiveram uma deflação de

1,9% em Desembro. Ainda não há indícios de que a recessão está ficando

amena.



EUROPA - "Deutsche Bank, adiantou os seus resultados e reportou perdas de €

4,8 bilhões (US$ 6,3 bilhões)." As perdas dos bancos estão se espalhando

pelo mundo.



O BACEN da Itália estima uma redução de seu PIB de 2% em 2009.



ASIA - "Cresce temor de desaceleração mais forte na China." Segundo Albert

Edwards, estrategista global do Société Generale, que previu a crise

cambial asiática no final dos anos 90, "Em 2009, a principal surpresa não

será o risco crescente de uma depressão nas economias desenvolvidas; será a

implosão econômica na China e os riscos globais e geopolíticos inerentes.".

Para muitos analistas isto não ocorrerá, mas eles estimam que a China deva

crescer entre 4% e 6%, podendo estes números serem revistos para baixo.



As encomendas de máquinas no Japão registraram queda recorde de 16,2% em

novembro.



BRASIL - As demissões começaram no Brasil? "Usiminas demite 60 funcionários

de sua unidade em Ipatinga", outra, "A expectativa sobre o teor das medidas

que a administração Luiz Inácio Lula da Silva vem prometendo para barrar

uma queda acentuada na atividade da construção civil é uma dose de

esperança em meio à expectativa de um crescente volume de demissões em

diversos setores do País.", mais uma "Magneti Marelli demite 800 no ABC e

MG". Para provar que as demissões começaram, "Desemprego na indústria é o

que mais preocupa o governo." Houve o pior resultado mensal da história do

Cadastro Geral de Empregados e Desempregados em dezembro. A perda foi um

pouco maior do que 600 mil, enquanto o normal é cerca de 300 mil.



Mas há um lado positivo no Brasil, como temos juros muito elevados e houve

uma deflação de 0,85% pelo IGP-10 de janeiro, dobro da estimada pelos

analistas, que foi a maio da história, há agora um espaço para o governo

baixar os juros em 1% e esta notícia será muito positiva para as ações. Até

a ONU está sugerindo ao governo brasileiro a cortar os juros com urgência,

pois se não o fizer o Brasil crescerá apenas 0,5% em 2009.



Hoje os juros reais no Brasil estão estratosféricos e por este motivo todos

estão correndo para aplicar no Tesouro Direto.



DÓLAR - MANTENHAM o HEDGE.



BANCOS - "O Morgan Stanley, divulgou relatório no início da semana cortando

a recomendação para a indústria bancária brasileira de "atrativa" para

"neutra". Segundo os analistas, a combinação de desaceleração econômica com

menor taxa básica de juro irá reduzir os lucros das instituições." Além

dele, "O suíço UBS reduziram significativamente as perspectivas para os

ganhos dos bancos médios e pequenos do Brasil em 2008, 2009 e 2010."



COMBUSTÍVEIS - "Demanda por petróleo cai em ritmo acelerado." Acho melhor

tomar cuidado com ações do setor de combustíveis derivados do petróleo ou

similares.



CONSTRUÇÃO - "Setor imobiliário espera medidas voltadas para o comprador

final." Segundo o artigo, "há uma expectativa sobre o teor das medidas que

a administração Luiz Inácio Lula da Silva vem prometendo para barrar uma

queda acentuada na atividade da construção civil..." Eu não compraria ações

do setor no momento... Esperaria para ver as vendas reagirem. Acho que as

medidas do governo não serão o suficiente para salvar o setor.



CPFL - "CPFL à venda? Analistas avaliam interessadas e possíveis valores da

compra." Parece que a Votorantim quer sair e a Cemig quer entrar. Por

enquanto são boatos.

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.