Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

sexta-feira, março 31, 2006

EQUATORIAL ENERGIA: PEDIDO ATÉ R$ 5 MIL É ATENDIDO INTEGRALMENTE

AE, São Paulo, 31 - Na oferta de varejo das units da Equatorial Energia, os pedidos de reserva foram atendidos integralmente até o valor de R$ 5 mil. Sobre o valor excedente, foi aplicado o rateio de 23,18%. As ações estréiam na próxima segunda-feira no nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa, sob o código EQTL11. Após bookbuilding, o papel foi fixado em R$ 14,50.

Cada uma das units representa uma ação ordinária e duas preferenciais da Equatorial. A integrará a carteira do Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC). A liquidação da oferta ocorrerá no dia 05/04/2006.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

EQUATORIAL ENERGIA: PEDIDO ATÉ R$ 5 MIL É ATENDIDO INTEGRALMENTE

AE, São Paulo, 31 - Na oferta de varejo das units da Equatorial Energia, os pedidos de reserva foram atendidos integralmente até o valor de R$ 5 mil. Sobre o valor excedente, foi aplicado o rateio de 23,18%. As ações estréiam na próxima segunda-feira no nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa, sob o código EQTL11. Após bookbuilding, o papel foi fixado em R$ 14,50.

Cada uma das units representa uma ação ordinária e duas preferenciais da Equatorial. A integrará a carteira do Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC). A liquidação da oferta ocorrerá no dia 05/04/2006.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

EQUATORIAL ENERGIA: PEDIDO ATÉ R$ 5 MIL É ATENDIDO INTEGRALMENTE

AE, São Paulo, 31 - Na oferta de varejo das units da Equatorial Energia, os pedidos de reserva foram atendidos integralmente até o valor de R$ 5 mil. Sobre o valor excedente, foi aplicado o rateio de 23,18%. As ações estréiam na próxima segunda-feira no nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa, sob o código EQTL11. Após bookbuilding, o papel foi fixado em R$ 14,50.

Cada uma das units representa uma ação ordinária e duas preferenciais da Equatorial. A integrará a carteira do Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC). A liquidação da oferta ocorrerá no dia 05/04/2006.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

CAEMI APROVA INCORPORAÇÃO DE SUAS AÇÕES PELA VALE

AE, São Paulo, 31 - A Caemi informa que seus acionistas, reunidos hoje, aprovaram a incorporação de suas ações pela Companhia Vale do Rio Doce. A diretoria da empresa foi autorizada a praticar todos os atos necessários à operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

CAEMI APROVA INCORPORAÇÃO DE SUAS AÇÕES PELA VALE

AE, São Paulo, 31 - A Caemi informa que seus acionistas, reunidos hoje, aprovaram a incorporação de suas ações pela Companhia Vale do Rio Doce. A diretoria da empresa foi autorizada a praticar todos os atos necessários à operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

CAEMI APROVA INCORPORAÇÃO DE SUAS AÇÕES PELA VALE

AE, São Paulo, 31 - A Caemi informa que seus acionistas, reunidos hoje, aprovaram a incorporação de suas ações pela Companhia Vale do Rio Doce. A diretoria da empresa foi autorizada a praticar todos os atos necessários à operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

EQUATORIAL ENERGIA: UNIT É FIXADA EM R$ 14,50 APÓS BOOK

AE, São Paulo, 31 - A Equatorial Energia informa que, após processo de boobkbuilding, o preço das units alvo de oferta pública foi fixado em R$ 14,50. Cada Unit representa uma ação ordinária e duas preferenciais da companhia. A operação compreende a colocação de 38,4 milhões units e atinge R$ 556,8 milhões. Os papéis serão listados no Nível 2 da Bovespa na segunda-feira.

Conforme informou o editor-assitente Téo Takar, a maior parte dos pedidos se concentrava na metade do intervalo sugerido pela companhia, que variava de R$ 11,75 a R$ 15,75, ou seja, perto dos R$ 14,00. A demanda final teria sido próxima a 5 vezes e o investidor estrangeiro teria concentrado os papéis.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

EQUATORIAL ENERGIA: UNIT É FIXADA EM R$ 14,50 APÓS BOOK

AE, São Paulo, 31 - A Equatorial Energia informa que, após processo de boobkbuilding, o preço das units alvo de oferta pública foi fixado em R$ 14,50. Cada Unit representa uma ação ordinária e duas preferenciais da companhia. A operação compreende a colocação de 38,4 milhões units e atinge R$ 556,8 milhões. Os papéis serão listados no Nível 2 da Bovespa na segunda-feira.

Conforme informou o editor-assitente Téo Takar, a maior parte dos pedidos se concentrava na metade do intervalo sugerido pela companhia, que variava de R$ 11,75 a R$ 15,75, ou seja, perto dos R$ 14,00. A demanda final teria sido próxima a 5 vezes e o investidor estrangeiro teria concentrado os papéis.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

EQUATORIAL ENERGIA: UNIT É FIXADA EM R$ 14,50 APÓS BOOK

AE, São Paulo, 31 - A Equatorial Energia informa que, após processo de boobkbuilding, o preço das units alvo de oferta pública foi fixado em R$ 14,50. Cada Unit representa uma ação ordinária e duas preferenciais da companhia. A operação compreende a colocação de 38,4 milhões units e atinge R$ 556,8 milhões. Os papéis serão listados no Nível 2 da Bovespa na segunda-feira.

Conforme informou o editor-assitente Téo Takar, a maior parte dos pedidos se concentrava na metade do intervalo sugerido pela companhia, que variava de R$ 11,75 a R$ 15,75, ou seja, perto dos R$ 14,00. A demanda final teria sido próxima a 5 vezes e o investidor estrangeiro teria concentrado os papéis.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

BHP: VALOR DE MERCADO SUPERA 100 BI DÓLARES AUSTRALIANOS (US$ 71 BI)

AE, Sydney, 31 - A BHP Billiton, líder mundial em mineração e principal exploradora de petróleo da Austrália, tornou-se a primeira companhia a ter um valor de mercado superior a 100 bilhões de dólares australianos, o que equivale a US$ 71,37 bilhões. As ações da empresa fecharam hoje com alta de 1,6%, a 28,03 dólares australianos (US$ 20,01), após atingirem o recorde histórico de 28,33 dólares australianos (US$ 20,22). As informações são de agências internacionais.
(Patricia Lara)

Bookmark and Share

BHP: VALOR DE MERCADO SUPERA 100 BI DÓLARES AUSTRALIANOS (US$ 71 BI)

AE, Sydney, 31 - A BHP Billiton, líder mundial em mineração e principal exploradora de petróleo da Austrália, tornou-se a primeira companhia a ter um valor de mercado superior a 100 bilhões de dólares australianos, o que equivale a US$ 71,37 bilhões. As ações da empresa fecharam hoje com alta de 1,6%, a 28,03 dólares australianos (US$ 20,01), após atingirem o recorde histórico de 28,33 dólares australianos (US$ 20,22). As informações são de agências internacionais.
(Patricia Lara)

Bookmark and Share

BHP: VALOR DE MERCADO SUPERA 100 BI DÓLARES AUSTRALIANOS (US$ 71 BI)

AE, Sydney, 31 - A BHP Billiton, líder mundial em mineração e principal exploradora de petróleo da Austrália, tornou-se a primeira companhia a ter um valor de mercado superior a 100 bilhões de dólares australianos, o que equivale a US$ 71,37 bilhões. As ações da empresa fecharam hoje com alta de 1,6%, a 28,03 dólares australianos (US$ 20,01), após atingirem o recorde histórico de 28,33 dólares australianos (US$ 20,22). As informações são de agências internacionais.
(Patricia Lara)

Bookmark and Share

BB ESTUDA DESDOBRAMENTO DE AÇÕES ANTES DE OFERTA SECUNDÁRIA

AE, Rio, 31 - O vice-presidente de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do Banco do Brasil (BB), Aldo Luiz Mendes, revelou ontem que a instituição estuda um desdobramento de suas ações, antes da oferta secundária a ser promovida pelo BNDES e a Previ - ainda este ano. Em encontro com investidores promovido pela Abamec Rio, o executivo afirmou que o tema chegou a ser discutido em uma reunião hoje no banco. O objetivo é dar ainda mais liquidez aos papéis do BB.

O gerente de Relações com Investidores do banco, Marco Geovanni, acredita que a oferta secundária de ações poderá ser concretizada ainda no primeiro semestre. Com a operação, o Banco do Brasil espera triplicar seu free float na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), alcançando o patamar de 16% de suas ações ordinárias em circulação no mercado.

Geovanni está confiante que todos os bônus emitidos pela instituição em 1996 sejam subscritos a partir de hoje. O prazo para a subscrição termina em 30 de junho.

Na época, o bônus - lançado para incentivar acionistas a participarem de um aumento de capital - foi emitido a R$ 8,50 mais correção pelo IGP-DI. Hoje, esse valor está em R$ 21,69. “Esse é um excelente negócio para o detentor dos bônus que pode subscrever o papel a R$ 21,69 e vender as ações no mercado a cerca de R$ 50,00”, explicou.

Se a previsão de Giovanni for confirmada e todos os bônus forem subscritos, o “free float” das ações ordinárias do BB será ampliado em dois pontos percentuais, para 8,9%.

Geovanni prevê um cenário mais tranqüilo para o mercado de agronegócios este ano. O executivo informou que o banco já renegociou cerca de R$ 2 bilhões referentes a créditos agrícolas não pagos por produtores que sofreram com a seca no Sul e a perda de margens com valorização do real.

“O cenário para o agronegócio em 2006 é mais favorável. A safra prevista é de 121 milhões de toneladas de grão, mais dos que os 112 milhões de toneladas de 2005”, afirmou.

O executivo, porém, admitiu que o risco da carteira de crédito agrícola do banco subiu muito. Atualmente, a taxa de risco da carteira é de 9,4%, muito acima da média histórica de 2%. Segundo ele, esse percentual só deve começar a convergir para o patamar tradicionais a partir de 2007.
(Mônica Ciarelli)

Bookmark and Share

BB ESTUDA DESDOBRAMENTO DE AÇÕES ANTES DE OFERTA SECUNDÁRIA

AE, Rio, 31 - O vice-presidente de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do Banco do Brasil (BB), Aldo Luiz Mendes, revelou ontem que a instituição estuda um desdobramento de suas ações, antes da oferta secundária a ser promovida pelo BNDES e a Previ - ainda este ano. Em encontro com investidores promovido pela Abamec Rio, o executivo afirmou que o tema chegou a ser discutido em uma reunião hoje no banco. O objetivo é dar ainda mais liquidez aos papéis do BB.

O gerente de Relações com Investidores do banco, Marco Geovanni, acredita que a oferta secundária de ações poderá ser concretizada ainda no primeiro semestre. Com a operação, o Banco do Brasil espera triplicar seu free float na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), alcançando o patamar de 16% de suas ações ordinárias em circulação no mercado.

Geovanni está confiante que todos os bônus emitidos pela instituição em 1996 sejam subscritos a partir de hoje. O prazo para a subscrição termina em 30 de junho.

Na época, o bônus - lançado para incentivar acionistas a participarem de um aumento de capital - foi emitido a R$ 8,50 mais correção pelo IGP-DI. Hoje, esse valor está em R$ 21,69. “Esse é um excelente negócio para o detentor dos bônus que pode subscrever o papel a R$ 21,69 e vender as ações no mercado a cerca de R$ 50,00”, explicou.

Se a previsão de Giovanni for confirmada e todos os bônus forem subscritos, o “free float” das ações ordinárias do BB será ampliado em dois pontos percentuais, para 8,9%.

Geovanni prevê um cenário mais tranqüilo para o mercado de agronegócios este ano. O executivo informou que o banco já renegociou cerca de R$ 2 bilhões referentes a créditos agrícolas não pagos por produtores que sofreram com a seca no Sul e a perda de margens com valorização do real.

“O cenário para o agronegócio em 2006 é mais favorável. A safra prevista é de 121 milhões de toneladas de grão, mais dos que os 112 milhões de toneladas de 2005”, afirmou.

O executivo, porém, admitiu que o risco da carteira de crédito agrícola do banco subiu muito. Atualmente, a taxa de risco da carteira é de 9,4%, muito acima da média histórica de 2%. Segundo ele, esse percentual só deve começar a convergir para o patamar tradicionais a partir de 2007.
(Mônica Ciarelli)

Bookmark and Share

BB ESTUDA DESDOBRAMENTO DE AÇÕES ANTES DE OFERTA SECUNDÁRIA

AE, Rio, 31 - O vice-presidente de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do Banco do Brasil (BB), Aldo Luiz Mendes, revelou ontem que a instituição estuda um desdobramento de suas ações, antes da oferta secundária a ser promovida pelo BNDES e a Previ - ainda este ano. Em encontro com investidores promovido pela Abamec Rio, o executivo afirmou que o tema chegou a ser discutido em uma reunião hoje no banco. O objetivo é dar ainda mais liquidez aos papéis do BB.

O gerente de Relações com Investidores do banco, Marco Geovanni, acredita que a oferta secundária de ações poderá ser concretizada ainda no primeiro semestre. Com a operação, o Banco do Brasil espera triplicar seu free float na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), alcançando o patamar de 16% de suas ações ordinárias em circulação no mercado.

Geovanni está confiante que todos os bônus emitidos pela instituição em 1996 sejam subscritos a partir de hoje. O prazo para a subscrição termina em 30 de junho.

Na época, o bônus - lançado para incentivar acionistas a participarem de um aumento de capital - foi emitido a R$ 8,50 mais correção pelo IGP-DI. Hoje, esse valor está em R$ 21,69. “Esse é um excelente negócio para o detentor dos bônus que pode subscrever o papel a R$ 21,69 e vender as ações no mercado a cerca de R$ 50,00”, explicou.

Se a previsão de Giovanni for confirmada e todos os bônus forem subscritos, o “free float” das ações ordinárias do BB será ampliado em dois pontos percentuais, para 8,9%.

Geovanni prevê um cenário mais tranqüilo para o mercado de agronegócios este ano. O executivo informou que o banco já renegociou cerca de R$ 2 bilhões referentes a créditos agrícolas não pagos por produtores que sofreram com a seca no Sul e a perda de margens com valorização do real.

“O cenário para o agronegócio em 2006 é mais favorável. A safra prevista é de 121 milhões de toneladas de grão, mais dos que os 112 milhões de toneladas de 2005”, afirmou.

O executivo, porém, admitiu que o risco da carteira de crédito agrícola do banco subiu muito. Atualmente, a taxa de risco da carteira é de 9,4%, muito acima da média histórica de 2%. Segundo ele, esse percentual só deve começar a convergir para o patamar tradicionais a partir de 2007.
(Mônica Ciarelli)

Bookmark and Share

quinta-feira, março 30, 2006

MINÉRIO DE FERRO: ÍNDIA AUTORIZA RENOVAÇÃO DE ACORDOS COM TRÊS PAÍSES

AE, Nova Délhi, 30 - O gabinete federal da Índia autorizou a estatal Minerals & Metals Trading Corporation of India (MMTC) a renovar os acordos de longo prazo para exportação de minério de ferro com siderúrgicas do Japão, Coréia do Sul e China. Os contratos tem duração de cinco anos e entram em vigor a partir de 31 de março.

O gabinete também aprovou a proposta do ministério de Minas e Carvão de reduzir o teto anual para o embarque de ferro das minas de Bailadila, que pertencem ao governo.

O limite para o minério bruto passou de 3 milhões de toneladas para 2,7 milhões de toneladas ao ano, com queda de 10%. Para o minério beneficiado o teto para exportação foi reduzido de 3,8 milhões de toneladas para 1,81 milhão de toneladas, o que representa corte de mais de 50%. A Índia é o terceiro maior exportador da commodity do mundo, depois da Austrália e Brasil. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

MINÉRIO DE FERRO: ÍNDIA AUTORIZA RENOVAÇÃO DE ACORDOS COM TRÊS PAÍSES

AE, Nova Délhi, 30 - O gabinete federal da Índia autorizou a estatal Minerals & Metals Trading Corporation of India (MMTC) a renovar os acordos de longo prazo para exportação de minério de ferro com siderúrgicas do Japão, Coréia do Sul e China. Os contratos tem duração de cinco anos e entram em vigor a partir de 31 de março.

O gabinete também aprovou a proposta do ministério de Minas e Carvão de reduzir o teto anual para o embarque de ferro das minas de Bailadila, que pertencem ao governo.

O limite para o minério bruto passou de 3 milhões de toneladas para 2,7 milhões de toneladas ao ano, com queda de 10%. Para o minério beneficiado o teto para exportação foi reduzido de 3,8 milhões de toneladas para 1,81 milhão de toneladas, o que representa corte de mais de 50%. A Índia é o terceiro maior exportador da commodity do mundo, depois da Austrália e Brasil. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

MINÉRIO DE FERRO: ÍNDIA AUTORIZA RENOVAÇÃO DE ACORDOS COM TRÊS PAÍSES

AE, Nova Délhi, 30 - O gabinete federal da Índia autorizou a estatal Minerals & Metals Trading Corporation of India (MMTC) a renovar os acordos de longo prazo para exportação de minério de ferro com siderúrgicas do Japão, Coréia do Sul e China. Os contratos tem duração de cinco anos e entram em vigor a partir de 31 de março.

O gabinete também aprovou a proposta do ministério de Minas e Carvão de reduzir o teto anual para o embarque de ferro das minas de Bailadila, que pertencem ao governo.

O limite para o minério bruto passou de 3 milhões de toneladas para 2,7 milhões de toneladas ao ano, com queda de 10%. Para o minério beneficiado o teto para exportação foi reduzido de 3,8 milhões de toneladas para 1,81 milhão de toneladas, o que representa corte de mais de 50%. A Índia é o terceiro maior exportador da commodity do mundo, depois da Austrália e Brasil. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

SUBMARINO: RESERVA DE AÇÕES VAI DE 6/4 A 11/4; BOOK FECHA DIA 12

AE, São Paulo, 30 - O Submarino informa que o período de reserva de suas ações objeto de oferta pública primária e secundária inicia em 6 de abril e se estende até 11 de abril. A fixação do preço do papel, via bookbuilding, será dia 12 e as ações devem ingressar na Bovespa dia 17. O Submarino é listado no Novo Mercado.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. De acordo com o aviso da empresa, o montante mínimo de 10% da oferta até o máximo de 20% será destinado a este investidor não institucional.

Para 19 de abril está marcada a liquidação financeira da operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

SUBMARINO: RESERVA DE AÇÕES VAI DE 6/4 A 11/4; BOOK FECHA DIA 12

AE, São Paulo, 30 - O Submarino informa que o período de reserva de suas ações objeto de oferta pública primária e secundária inicia em 6 de abril e se estende até 11 de abril. A fixação do preço do papel, via bookbuilding, será dia 12 e as ações devem ingressar na Bovespa dia 17. O Submarino é listado no Novo Mercado.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. De acordo com o aviso da empresa, o montante mínimo de 10% da oferta até o máximo de 20% será destinado a este investidor não institucional.

Para 19 de abril está marcada a liquidação financeira da operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

SUBMARINO: RESERVA DE AÇÕES VAI DE 6/4 A 11/4; BOOK FECHA DIA 12

AE, São Paulo, 30 - O Submarino informa que o período de reserva de suas ações objeto de oferta pública primária e secundária inicia em 6 de abril e se estende até 11 de abril. A fixação do preço do papel, via bookbuilding, será dia 12 e as ações devem ingressar na Bovespa dia 17. O Submarino é listado no Novo Mercado.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. De acordo com o aviso da empresa, o montante mínimo de 10% da oferta até o máximo de 20% será destinado a este investidor não institucional.

Para 19 de abril está marcada a liquidação financeira da operação.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

LOCALIZA: PERÍODO DE RESERVA DE AÇÕES ALVO DE OFERTA VAI DE 6 A 18/4

AE, São Paulo, 30 - A Localiza divulga hoje o cronograma de sua oferta pública primária e secundária de ações, aprovada pelo conselho no último dia 27.

O período de reserva começa dia 6 de abril e termina dia 18. Neste mesmo dia, acaba o procedimento de coleta de intenções de investimento e o preço dos papéis será fixado dia 19. As ações alvo da oferta devem ingressar na Bovespa dia 20 de abril e a liquidação financeira será dia 26.

A Localiza oferta, em colocação primária, 2.571.429 de ações ordinárias, representantes de 4,06% do capital social da companhia. Além disso, haverá a distribuição secundária de 5.785.714 papéis, representantes de 9,14% do capital. Os acionistas vendedores são José Salim Mattar Júnior, Antônio Cláudio Brandão Resende, Eugênio Pacelli Mattar e Flávio Brandão Resende. Ontem a ação era cotada na Bovespa a R$ 36,99. Pelos números fornecidos, a empresa deverá captar cerca de R$ 300 milhões. A operação prevê lote suplementar de 15% dos papéis inicialmente ofertados

Os bancos Pactual (líder)e Credit Suisse (coordenador) concederam garantia firme de liquidação. O Credit Suisse, por meio de sua corretora, poderá atuar como estabilizador das ações 30 dias depois de sua estréia na Bovespa.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. Dez por cento dos papéis será destinado para o investidor não institucional. Amanhã a empresa inicia road show.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

LOCALIZA: PERÍODO DE RESERVA DE AÇÕES ALVO DE OFERTA VAI DE 6 A 18/4

AE, São Paulo, 30 - A Localiza divulga hoje o cronograma de sua oferta pública primária e secundária de ações, aprovada pelo conselho no último dia 27.

O período de reserva começa dia 6 de abril e termina dia 18. Neste mesmo dia, acaba o procedimento de coleta de intenções de investimento e o preço dos papéis será fixado dia 19. As ações alvo da oferta devem ingressar na Bovespa dia 20 de abril e a liquidação financeira será dia 26.

A Localiza oferta, em colocação primária, 2.571.429 de ações ordinárias, representantes de 4,06% do capital social da companhia. Além disso, haverá a distribuição secundária de 5.785.714 papéis, representantes de 9,14% do capital. Os acionistas vendedores são José Salim Mattar Júnior, Antônio Cláudio Brandão Resende, Eugênio Pacelli Mattar e Flávio Brandão Resende. Ontem a ação era cotada na Bovespa a R$ 36,99. Pelos números fornecidos, a empresa deverá captar cerca de R$ 300 milhões. A operação prevê lote suplementar de 15% dos papéis inicialmente ofertados

Os bancos Pactual (líder)e Credit Suisse (coordenador) concederam garantia firme de liquidação. O Credit Suisse, por meio de sua corretora, poderá atuar como estabilizador das ações 30 dias depois de sua estréia na Bovespa.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. Dez por cento dos papéis será destinado para o investidor não institucional. Amanhã a empresa inicia road show.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

LOCALIZA: PERÍODO DE RESERVA DE AÇÕES ALVO DE OFERTA VAI DE 6 A 18/4

AE, São Paulo, 30 - A Localiza divulga hoje o cronograma de sua oferta pública primária e secundária de ações, aprovada pelo conselho no último dia 27.

O período de reserva começa dia 6 de abril e termina dia 18. Neste mesmo dia, acaba o procedimento de coleta de intenções de investimento e o preço dos papéis será fixado dia 19. As ações alvo da oferta devem ingressar na Bovespa dia 20 de abril e a liquidação financeira será dia 26.

A Localiza oferta, em colocação primária, 2.571.429 de ações ordinárias, representantes de 4,06% do capital social da companhia. Além disso, haverá a distribuição secundária de 5.785.714 papéis, representantes de 9,14% do capital. Os acionistas vendedores são José Salim Mattar Júnior, Antônio Cláudio Brandão Resende, Eugênio Pacelli Mattar e Flávio Brandão Resende. Ontem a ação era cotada na Bovespa a R$ 36,99. Pelos números fornecidos, a empresa deverá captar cerca de R$ 300 milhões. A operação prevê lote suplementar de 15% dos papéis inicialmente ofertados

Os bancos Pactual (líder)e Credit Suisse (coordenador) concederam garantia firme de liquidação. O Credit Suisse, por meio de sua corretora, poderá atuar como estabilizador das ações 30 dias depois de sua estréia na Bovespa.

No varejo, o pedido mínimo de reserva é de R$ 3 mil e o máximo, de R$ 300 mil. Dez por cento dos papéis será destinado para o investidor não institucional. Amanhã a empresa inicia road show.
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

quarta-feira, março 29, 2006

CSN É A SIDERÚRGICA DE MENOR ATRATIVIDADE NO BRASIL, DIZ BEAR STEARNS

AE, São Paulo, 29 - Apesar de ter apresentado resultados melhores do que o esperado no quarto trimestre de 2005 e ter anunciado um plano de investimento bastante ambicioso, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é a empresa de menor atratividade entre as brasileiras do setor listadas em Bolsa. A avaliação consta de relatório divulgado hoje pelo banco de investimentos Bear Stearns.

O documento, elaborado pelo analista Daniel Altman, destaca que o plano da CSN para construção de duas novas usinas para elevar em 6 milhões de toneladas a capacidade de produção de placas, pode andar mais lentamente do que o planejado. Obtenção de financiamento e licenças ambientais, comportamento do mercado, além da necessidade de aquisição de uma planta downstream no exterior são alguns motivos apontados pelo banco que podem desacelerar o cronograma do investimento.

A análise ressalta, no entanto, que os planos de crescimento da CSN devem contribuir para o fim dos boatos sobre a venda da empresa. O banco mantém recomendação underperform para as ADRs da siderúrgica com um preço-alvo de US 26,00 para o final do ano, o que representa uma desvalorização de 11% sobre o fechamento de ontem.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN É A SIDERÚRGICA DE MENOR ATRATIVIDADE NO BRASIL, DIZ BEAR STEARNS

AE, São Paulo, 29 - Apesar de ter apresentado resultados melhores do que o esperado no quarto trimestre de 2005 e ter anunciado um plano de investimento bastante ambicioso, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é a empresa de menor atratividade entre as brasileiras do setor listadas em Bolsa. A avaliação consta de relatório divulgado hoje pelo banco de investimentos Bear Stearns.

O documento, elaborado pelo analista Daniel Altman, destaca que o plano da CSN para construção de duas novas usinas para elevar em 6 milhões de toneladas a capacidade de produção de placas, pode andar mais lentamente do que o planejado. Obtenção de financiamento e licenças ambientais, comportamento do mercado, além da necessidade de aquisição de uma planta downstream no exterior são alguns motivos apontados pelo banco que podem desacelerar o cronograma do investimento.

A análise ressalta, no entanto, que os planos de crescimento da CSN devem contribuir para o fim dos boatos sobre a venda da empresa. O banco mantém recomendação underperform para as ADRs da siderúrgica com um preço-alvo de US 26,00 para o final do ano, o que representa uma desvalorização de 11% sobre o fechamento de ontem.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN É A SIDERÚRGICA DE MENOR ATRATIVIDADE NO BRASIL, DIZ BEAR STEARNS

AE, São Paulo, 29 - Apesar de ter apresentado resultados melhores do que o esperado no quarto trimestre de 2005 e ter anunciado um plano de investimento bastante ambicioso, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) é a empresa de menor atratividade entre as brasileiras do setor listadas em Bolsa. A avaliação consta de relatório divulgado hoje pelo banco de investimentos Bear Stearns.

O documento, elaborado pelo analista Daniel Altman, destaca que o plano da CSN para construção de duas novas usinas para elevar em 6 milhões de toneladas a capacidade de produção de placas, pode andar mais lentamente do que o planejado. Obtenção de financiamento e licenças ambientais, comportamento do mercado, além da necessidade de aquisição de uma planta downstream no exterior são alguns motivos apontados pelo banco que podem desacelerar o cronograma do investimento.

A análise ressalta, no entanto, que os planos de crescimento da CSN devem contribuir para o fim dos boatos sobre a venda da empresa. O banco mantém recomendação underperform para as ADRs da siderúrgica com um preço-alvo de US 26,00 para o final do ano, o que representa uma desvalorização de 11% sobre o fechamento de ontem.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ÁGORA SÊNIOR RECOMENDA COMPRA COM PREÇO-ALVO DE R$ 87,47

AE, São Paulo, 29 - A Agora Sênior reiterou a recomendação de compra para as ações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), com preço-alvo de R$ 87,47, o que indica um potencial de valorização de 33,5%. Em relatório divulgado hoje, a corretora explica que a posição sobre os papéis da siderúrgica deve-se ao expressivo resultado apresentado no quarto trimestre de 2005 e à expectativa de crescimento consistente para a companhia.

A análise, elaborada pela analista Cristiane Viana, ressalta que o ativo de minério de ferro (Casa de Pedra) não está precificado nas ações, e deve ser paulatinamente melhor avaliado com as medidas que a empresa está adotando - cisão do ativo e possível alienação de até 20% do capital. "Dado as perspectivas positivas de crescimento para a CSN, estamos inserindo a empresa em nossas carteiras recomendadas (moderada e arrojada) e na nossa lista de top picks, no lugar da Gerdau", informa.

A corretora afirma que o cenário para o segmento siderúrgico continua positivo, com a expectativa de incremento gradual de preço e demanda. A análise destaca que, apesar da paralisação do alto-forno, a CSN espera vender aproximadamente cinco milhões de toneladas de aço em 2006, destinando 80% deste volume ao mercado interno. "A compra de um milhão de toneladas de placas de aço (ao preço de US$ 380/tonelada) deverá suprir as necessidades da companhia no curto prazo" e contribuir para o cumprimento das metas, avalia.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ÁGORA SÊNIOR RECOMENDA COMPRA COM PREÇO-ALVO DE R$ 87,47

AE, São Paulo, 29 - A Agora Sênior reiterou a recomendação de compra para as ações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), com preço-alvo de R$ 87,47, o que indica um potencial de valorização de 33,5%. Em relatório divulgado hoje, a corretora explica que a posição sobre os papéis da siderúrgica deve-se ao expressivo resultado apresentado no quarto trimestre de 2005 e à expectativa de crescimento consistente para a companhia.

A análise, elaborada pela analista Cristiane Viana, ressalta que o ativo de minério de ferro (Casa de Pedra) não está precificado nas ações, e deve ser paulatinamente melhor avaliado com as medidas que a empresa está adotando - cisão do ativo e possível alienação de até 20% do capital. "Dado as perspectivas positivas de crescimento para a CSN, estamos inserindo a empresa em nossas carteiras recomendadas (moderada e arrojada) e na nossa lista de top picks, no lugar da Gerdau", informa.

A corretora afirma que o cenário para o segmento siderúrgico continua positivo, com a expectativa de incremento gradual de preço e demanda. A análise destaca que, apesar da paralisação do alto-forno, a CSN espera vender aproximadamente cinco milhões de toneladas de aço em 2006, destinando 80% deste volume ao mercado interno. "A compra de um milhão de toneladas de placas de aço (ao preço de US$ 380/tonelada) deverá suprir as necessidades da companhia no curto prazo" e contribuir para o cumprimento das metas, avalia.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ÁGORA SÊNIOR RECOMENDA COMPRA COM PREÇO-ALVO DE R$ 87,47

AE, São Paulo, 29 - A Agora Sênior reiterou a recomendação de compra para as ações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), com preço-alvo de R$ 87,47, o que indica um potencial de valorização de 33,5%. Em relatório divulgado hoje, a corretora explica que a posição sobre os papéis da siderúrgica deve-se ao expressivo resultado apresentado no quarto trimestre de 2005 e à expectativa de crescimento consistente para a companhia.

A análise, elaborada pela analista Cristiane Viana, ressalta que o ativo de minério de ferro (Casa de Pedra) não está precificado nas ações, e deve ser paulatinamente melhor avaliado com as medidas que a empresa está adotando - cisão do ativo e possível alienação de até 20% do capital. "Dado as perspectivas positivas de crescimento para a CSN, estamos inserindo a empresa em nossas carteiras recomendadas (moderada e arrojada) e na nossa lista de top picks, no lugar da Gerdau", informa.

A corretora afirma que o cenário para o segmento siderúrgico continua positivo, com a expectativa de incremento gradual de preço e demanda. A análise destaca que, apesar da paralisação do alto-forno, a CSN espera vender aproximadamente cinco milhões de toneladas de aço em 2006, destinando 80% deste volume ao mercado interno. "A compra de um milhão de toneladas de placas de aço (ao preço de US$ 380/tonelada) deverá suprir as necessidades da companhia no curto prazo" e contribuir para o cumprimento das metas, avalia.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

FONTES: VALE PEDE REAJUSTE DE 24% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Brasília, 29 - A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) pediu reajuste de 24% para o preço do minério de ferro em 2006, de acordo com fontes do mercado. Esta semana foi encerrada a quarta rodada de negociação para a definição do reajuste do minério de ferro entre as siderúrgicas européias e asiáticas e as três maiores mineradoras mundiais - BHP, Rio Tinto. Após o pedido da Vale, as siderúrgicas ficaram de fazer as contas e dar uma resposta.
(Rosana de Cássia)

Bookmark and Share

FONTES: VALE PEDE REAJUSTE DE 24% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Brasília, 29 - A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) pediu reajuste de 24% para o preço do minério de ferro em 2006, de acordo com fontes do mercado. Esta semana foi encerrada a quarta rodada de negociação para a definição do reajuste do minério de ferro entre as siderúrgicas européias e asiáticas e as três maiores mineradoras mundiais - BHP, Rio Tinto. Após o pedido da Vale, as siderúrgicas ficaram de fazer as contas e dar uma resposta.
(Rosana de Cássia)

Bookmark and Share

FONTES: VALE PEDE REAJUSTE DE 24% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Brasília, 29 - A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) pediu reajuste de 24% para o preço do minério de ferro em 2006, de acordo com fontes do mercado. Esta semana foi encerrada a quarta rodada de negociação para a definição do reajuste do minério de ferro entre as siderúrgicas européias e asiáticas e as três maiores mineradoras mundiais - BHP, Rio Tinto. Após o pedido da Vale, as siderúrgicas ficaram de fazer as contas e dar uma resposta.
(Rosana de Cássia)

Bookmark and Share

MITTAL DEVE REDUZIR PARTE EM DINHEIRO DA OFERTA POR ARCELOR

AE, Londres, 29 - A Mittal Steel Co. confirmou que poderá reduzir a parte em dinheiro de sua oferta de 18,6 bilhões de euros (US$ 22,34 bilhões) pela rival Arcelor se a companhia pagar dividendos aos acionistas acima do consenso do mercado. Como a Arcelor fez o anúncio depois de 6 de fevereiro, "a parte em dinheiro da oferta será conseqüentemente reduzida para menos de 25%", declarou a companhia em documento enviado à comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC, Securities and Exchange Commission) em 23 de março.

A Arcelor informou, ao divulgar o balanço de 2005, em 16 de fevereiro, a intenção de pagar dividendo final de 1,2 euro por ação. A proposta será votada na assembléia geral da companhia em 28 de abril. "Se a Arcelor decidir contribuir com pagamento extra aos acionistas acima da expectativa do mercado, o que constitui um pagamento adiantado sobre nossa oferta, faremos os devidos ajustes na proposta", afirmou o porta-voz da Mittal.

A atual oferta da Mittal prevê pagamento em dinheiro por 25% das ações da Arcelor (pelo valor de fechamento em 6 de fevereiro), ou no máximo de 4,7 bilhões de euros. A companhia planeja completar o valor da oferta com ações. "Os termos de nossa proposta acordada com os reguladores automaticamente ajustam o montante previsto em dinheiro para refletir qualquer dividendo que exceda 0,8 euro, que é o consenso de mercado", declarou o porta-voz da Mittal. O porta-voz da Arcelor preferiu não fazer comentários sobre o assunto. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

MITTAL DEVE REDUZIR PARTE EM DINHEIRO DA OFERTA POR ARCELOR

AE, Londres, 29 - A Mittal Steel Co. confirmou que poderá reduzir a parte em dinheiro de sua oferta de 18,6 bilhões de euros (US$ 22,34 bilhões) pela rival Arcelor se a companhia pagar dividendos aos acionistas acima do consenso do mercado. Como a Arcelor fez o anúncio depois de 6 de fevereiro, "a parte em dinheiro da oferta será conseqüentemente reduzida para menos de 25%", declarou a companhia em documento enviado à comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC, Securities and Exchange Commission) em 23 de março.

A Arcelor informou, ao divulgar o balanço de 2005, em 16 de fevereiro, a intenção de pagar dividendo final de 1,2 euro por ação. A proposta será votada na assembléia geral da companhia em 28 de abril. "Se a Arcelor decidir contribuir com pagamento extra aos acionistas acima da expectativa do mercado, o que constitui um pagamento adiantado sobre nossa oferta, faremos os devidos ajustes na proposta", afirmou o porta-voz da Mittal.

A atual oferta da Mittal prevê pagamento em dinheiro por 25% das ações da Arcelor (pelo valor de fechamento em 6 de fevereiro), ou no máximo de 4,7 bilhões de euros. A companhia planeja completar o valor da oferta com ações. "Os termos de nossa proposta acordada com os reguladores automaticamente ajustam o montante previsto em dinheiro para refletir qualquer dividendo que exceda 0,8 euro, que é o consenso de mercado", declarou o porta-voz da Mittal. O porta-voz da Arcelor preferiu não fazer comentários sobre o assunto. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

MITTAL DEVE REDUZIR PARTE EM DINHEIRO DA OFERTA POR ARCELOR

AE, Londres, 29 - A Mittal Steel Co. confirmou que poderá reduzir a parte em dinheiro de sua oferta de 18,6 bilhões de euros (US$ 22,34 bilhões) pela rival Arcelor se a companhia pagar dividendos aos acionistas acima do consenso do mercado. Como a Arcelor fez o anúncio depois de 6 de fevereiro, "a parte em dinheiro da oferta será conseqüentemente reduzida para menos de 25%", declarou a companhia em documento enviado à comissão de valores mobiliários dos EUA (SEC, Securities and Exchange Commission) em 23 de março.

A Arcelor informou, ao divulgar o balanço de 2005, em 16 de fevereiro, a intenção de pagar dividendo final de 1,2 euro por ação. A proposta será votada na assembléia geral da companhia em 28 de abril. "Se a Arcelor decidir contribuir com pagamento extra aos acionistas acima da expectativa do mercado, o que constitui um pagamento adiantado sobre nossa oferta, faremos os devidos ajustes na proposta", afirmou o porta-voz da Mittal.

A atual oferta da Mittal prevê pagamento em dinheiro por 25% das ações da Arcelor (pelo valor de fechamento em 6 de fevereiro), ou no máximo de 4,7 bilhões de euros. A companhia planeja completar o valor da oferta com ações. "Os termos de nossa proposta acordada com os reguladores automaticamente ajustam o montante previsto em dinheiro para refletir qualquer dividendo que exceda 0,8 euro, que é o consenso de mercado", declarou o porta-voz da Mittal. O porta-voz da Arcelor preferiu não fazer comentários sobre o assunto. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

CHINESES PODEM ACEITAR ALTA DE 5% A 10% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Pequim, 29 - As siderúrgicas chinesas podem tolerar um aumento de 5% a 10% para o preço do minério de ferro se esse for o resultado da recente rondada de negociações de contratos, afirmou o administrador geral de uma usina subsidiária da China MinMetals.

No entanto, o governo também considera políticas de controle sobre a commodity importada, acrescentou. "Não consideramos justo um reajuste e certamente não esperamos que isso vá acontecer", disse a oficial que participa de uma conferência do setor organizada pela Metal Bulletin e Minmetals Group. "Mas se esse for o resultado final a maior parte das siderúrgicas chinesas pode absorver uma alta de 5% a 10%, levando em conta suas atuais condições financeiras", declarou.

Segundo a fonte, o governo chinês ainda considera e, possivelmente, irá adotar políticas para controlar o preço das importações. "Talvez o governo estabeleça um valor de referência (para as compras de outros países) e quem estiver acima dele enfrentará dificuldades para chegar aos clientes", observou. No entanto, "isso ainda continua em discussão, nada foi definido e o resultado das conversas em andamento certamente terá impacto na política".

Enquanto isso, os chineses tentam desacelerar a produção de aço na esperança de reduzir sua dependência das importações do minério. O governo reduziu a lista de companhias domésticas que tem autorização para importar ferro de 118 para 99 e não está incentivando a exportação de aço, apesar do excesso de capacidade, esperando exercer mais influência nas negociações. Sem estimular as exportações de aço a China espera que a produção menor resulte em menos demanda pela commodity.

As usinas chinesas e os produtores mundiais de minério de ferro realizaram três rodadas de negociações para o ano fiscal 2006-2007 visando a renovação dos contratos que expiram em 1º de abril, mas as duas partes até o momento não encontraram um consenso. A quarta rodada deve se prolongar por pelo menos duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua.

Enquanto os fornecedores do Ocidente, liderados pela brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD), BHP Billiton e Rio Tinto insistem em um aumento de 20%, as siderúrgicas locais, representadas pela Shanghai Baosteel Group Corp., continuam esperando uma queda no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

CHINESES PODEM ACEITAR ALTA DE 5% A 10% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Pequim, 29 - As siderúrgicas chinesas podem tolerar um aumento de 5% a 10% para o preço do minério de ferro se esse for o resultado da recente rondada de negociações de contratos, afirmou o administrador geral de uma usina subsidiária da China MinMetals.

No entanto, o governo também considera políticas de controle sobre a commodity importada, acrescentou. "Não consideramos justo um reajuste e certamente não esperamos que isso vá acontecer", disse a oficial que participa de uma conferência do setor organizada pela Metal Bulletin e Minmetals Group. "Mas se esse for o resultado final a maior parte das siderúrgicas chinesas pode absorver uma alta de 5% a 10%, levando em conta suas atuais condições financeiras", declarou.

Segundo a fonte, o governo chinês ainda considera e, possivelmente, irá adotar políticas para controlar o preço das importações. "Talvez o governo estabeleça um valor de referência (para as compras de outros países) e quem estiver acima dele enfrentará dificuldades para chegar aos clientes", observou. No entanto, "isso ainda continua em discussão, nada foi definido e o resultado das conversas em andamento certamente terá impacto na política".

Enquanto isso, os chineses tentam desacelerar a produção de aço na esperança de reduzir sua dependência das importações do minério. O governo reduziu a lista de companhias domésticas que tem autorização para importar ferro de 118 para 99 e não está incentivando a exportação de aço, apesar do excesso de capacidade, esperando exercer mais influência nas negociações. Sem estimular as exportações de aço a China espera que a produção menor resulte em menos demanda pela commodity.

As usinas chinesas e os produtores mundiais de minério de ferro realizaram três rodadas de negociações para o ano fiscal 2006-2007 visando a renovação dos contratos que expiram em 1º de abril, mas as duas partes até o momento não encontraram um consenso. A quarta rodada deve se prolongar por pelo menos duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua.

Enquanto os fornecedores do Ocidente, liderados pela brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD), BHP Billiton e Rio Tinto insistem em um aumento de 20%, as siderúrgicas locais, representadas pela Shanghai Baosteel Group Corp., continuam esperando uma queda no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

CHINESES PODEM ACEITAR ALTA DE 5% A 10% NO PREÇO DO MINÉRIO DE FERRO

AE, Pequim, 29 - As siderúrgicas chinesas podem tolerar um aumento de 5% a 10% para o preço do minério de ferro se esse for o resultado da recente rondada de negociações de contratos, afirmou o administrador geral de uma usina subsidiária da China MinMetals.

No entanto, o governo também considera políticas de controle sobre a commodity importada, acrescentou. "Não consideramos justo um reajuste e certamente não esperamos que isso vá acontecer", disse a oficial que participa de uma conferência do setor organizada pela Metal Bulletin e Minmetals Group. "Mas se esse for o resultado final a maior parte das siderúrgicas chinesas pode absorver uma alta de 5% a 10%, levando em conta suas atuais condições financeiras", declarou.

Segundo a fonte, o governo chinês ainda considera e, possivelmente, irá adotar políticas para controlar o preço das importações. "Talvez o governo estabeleça um valor de referência (para as compras de outros países) e quem estiver acima dele enfrentará dificuldades para chegar aos clientes", observou. No entanto, "isso ainda continua em discussão, nada foi definido e o resultado das conversas em andamento certamente terá impacto na política".

Enquanto isso, os chineses tentam desacelerar a produção de aço na esperança de reduzir sua dependência das importações do minério. O governo reduziu a lista de companhias domésticas que tem autorização para importar ferro de 118 para 99 e não está incentivando a exportação de aço, apesar do excesso de capacidade, esperando exercer mais influência nas negociações. Sem estimular as exportações de aço a China espera que a produção menor resulte em menos demanda pela commodity.

As usinas chinesas e os produtores mundiais de minério de ferro realizaram três rodadas de negociações para o ano fiscal 2006-2007 visando a renovação dos contratos que expiram em 1º de abril, mas as duas partes até o momento não encontraram um consenso. A quarta rodada deve se prolongar por pelo menos duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua.

Enquanto os fornecedores do Ocidente, liderados pela brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD), BHP Billiton e Rio Tinto insistem em um aumento de 20%, as siderúrgicas locais, representadas pela Shanghai Baosteel Group Corp., continuam esperando uma queda no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

terça-feira, março 28, 2006

CSN NÃO DEVE SER VENDIDA NO CURTO PRAZO, DIZ MERRILL LYNCH

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) não deve ser vendida no curto prazo, embora, em meio ao processo de consolidação mundial da siderurgia, seja o principal alvo de aquisição entre as empresas brasileiras, afirma o banco de investimentos Merrill Lynch em relatório divulgado hoje. Os analistas Marcelo Aguiar e Marcos Assumpção dizem que a família Steinbruch, detentora de 43% do capital total da CSN, pediria prêmio significativo em relação ao atual preço de mercado. Os especialistas entendem também que as incertezas quanto ao potencial de fusão e aquisição da companhia devem ser vistas pelos investidores como "opção de compra". A recomendação para o ADR da CSN é compra e o preço-alvo, em doze meses, US$ 30,00. Há instantes, o ADR subia 2,03% para US$ 30,66.

Em relação ao balanço financeiro divulgado hoje pela CSN, o Merrill Lynch afirma que o Ebitda de R$ 1,005 bilhão no quarto trimestre, 21% acima do projetado pelo banco, surpreendeu. O lucro por ação, de R$ 1,36, também superou a estimativa do Merrill, de R$ 1,02. "A principal razão para explicar lucro líquido acima do esperado é o forte resultado operacional."
(Patrícia Fortunato)

Bookmark and Share

CSN ESTUDA ABRIR CAPITAL DE CASA DE PEDRA NA BOVESPA

AE, São Paulo, 28 - O diretor de mineração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Juarez Saliba, explicou hoje que já foi aprovada a contratação de um banco de investimentos para estudar a transformação da mina de Casa de Pedra em uma empresa independente e com capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

A operação é uma alternativa para que se possa colocar à venda entre 10% e 20% do ativo, mantendo seu controle nas mãos da siderúrgica. "O objetivo é aumentar o valor de mercado de Casa de Pedra, que consideramos subavaliado", explica.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN NÃO DEVE SER VENDIDA NO CURTO PRAZO, DIZ MERRILL LYNCH

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) não deve ser vendida no curto prazo, embora, em meio ao processo de consolidação mundial da siderurgia, seja o principal alvo de aquisição entre as empresas brasileiras, afirma o banco de investimentos Merrill Lynch em relatório divulgado hoje. Os analistas Marcelo Aguiar e Marcos Assumpção dizem que a família Steinbruch, detentora de 43% do capital total da CSN, pediria prêmio significativo em relação ao atual preço de mercado. Os especialistas entendem também que as incertezas quanto ao potencial de fusão e aquisição da companhia devem ser vistas pelos investidores como "opção de compra". A recomendação para o ADR da CSN é compra e o preço-alvo, em doze meses, US$ 30,00. Há instantes, o ADR subia 2,03% para US$ 30,66.

Em relação ao balanço financeiro divulgado hoje pela CSN, o Merrill Lynch afirma que o Ebitda de R$ 1,005 bilhão no quarto trimestre, 21% acima do projetado pelo banco, surpreendeu. O lucro por ação, de R$ 1,36, também superou a estimativa do Merrill, de R$ 1,02. "A principal razão para explicar lucro líquido acima do esperado é o forte resultado operacional."
(Patrícia Fortunato)

Bookmark and Share

CSN ESTUDA ABRIR CAPITAL DE CASA DE PEDRA NA BOVESPA

AE, São Paulo, 28 - O diretor de mineração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Juarez Saliba, explicou hoje que já foi aprovada a contratação de um banco de investimentos para estudar a transformação da mina de Casa de Pedra em uma empresa independente e com capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

A operação é uma alternativa para que se possa colocar à venda entre 10% e 20% do ativo, mantendo seu controle nas mãos da siderúrgica. "O objetivo é aumentar o valor de mercado de Casa de Pedra, que consideramos subavaliado", explica.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN NÃO DEVE SER VENDIDA NO CURTO PRAZO, DIZ MERRILL LYNCH

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) não deve ser vendida no curto prazo, embora, em meio ao processo de consolidação mundial da siderurgia, seja o principal alvo de aquisição entre as empresas brasileiras, afirma o banco de investimentos Merrill Lynch em relatório divulgado hoje. Os analistas Marcelo Aguiar e Marcos Assumpção dizem que a família Steinbruch, detentora de 43% do capital total da CSN, pediria prêmio significativo em relação ao atual preço de mercado. Os especialistas entendem também que as incertezas quanto ao potencial de fusão e aquisição da companhia devem ser vistas pelos investidores como "opção de compra". A recomendação para o ADR da CSN é compra e o preço-alvo, em doze meses, US$ 30,00. Há instantes, o ADR subia 2,03% para US$ 30,66.

Em relação ao balanço financeiro divulgado hoje pela CSN, o Merrill Lynch afirma que o Ebitda de R$ 1,005 bilhão no quarto trimestre, 21% acima do projetado pelo banco, surpreendeu. O lucro por ação, de R$ 1,36, também superou a estimativa do Merrill, de R$ 1,02. "A principal razão para explicar lucro líquido acima do esperado é o forte resultado operacional."
(Patrícia Fortunato)

Bookmark and Share

CSN ESTUDA ABRIR CAPITAL DE CASA DE PEDRA NA BOVESPA

AE, São Paulo, 28 - O diretor de mineração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Juarez Saliba, explicou hoje que já foi aprovada a contratação de um banco de investimentos para estudar a transformação da mina de Casa de Pedra em uma empresa independente e com capital aberto na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

A operação é uma alternativa para que se possa colocar à venda entre 10% e 20% do ativo, mantendo seu controle nas mãos da siderúrgica. "O objetivo é aumentar o valor de mercado de Casa de Pedra, que consideramos subavaliado", explica.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: "SOMOS COMPRADORES" NO MERCADO, DIZ STEINBRUCH

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, garantiu hoje que a empresa não está à venda e deverá seguir com a estratégia de crescimento, apesar dos vários boatos do mercado de que a empresa poderia ser vendida.

"Acabou essa brincadeira de que a CSN será vendida, porque hoje somos compradores", afirmou o executivo, após anunciar planos de investimentos para elevar a produção de placas e minério de ferro.

Segundo o executivo, além do crescimento no mercado interno, a CSN mantém em andamento a estratégia internacionalização, explicando que o crescimento fora do Brasil poderá acontecer tanto através de aquisições, como através de associações. "O importante é queremos manter participação forte no capital e na gestão", afirma.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ALTO-FORNO VOLTARÁ A FUNCIONAR NO FIM DE MAIO OU INÍCIO DE JUNHO

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch, afirmou hoje que o acidente com os dutos de gás do alto-forno 3, ocorrido em janeiro, não afetará a produção da empresa em 2006. Segundo o executivo, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas no mercado para garantir a continuidade da produção.

O executivo lembrou ainda que a empresa tem seguro no valor de US$ 100 milhões para danos materiais e US$ 750 milhões para custos adicionais e lucros cessantes. "Acreditamos que vamos consumir metade disso", informou. O executivo garantiu que equipamento voltará a funcionar entre o final de maio e início de junho e que no prazo de 10 a 20 dias a produção da empresa estará normalizada.

De acordo com o diretor financeiro da CSN, Otavio Lazcano, o pagamento do seguro deverá ser feito rapidamente, assim que a empresa entregar os relatórios e documentos sobre o acidente para o Instituto de Resseguros do Brasil.

Em seu balanço financeiro de 2005, a empresa explica que o reparo no equipamento está estimado em US$ 40 milhões, e o aluguel de guindastes especiais necessários ao reparo, em US$ 14 milhões. "A perda de produção será compensada pela compra de placas, no mercado local e internacional, além do aproveitamento dos estoques de produtos intermediários e finais da empresa. Até o momento, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas, a um custo médio (CIF Volta Redonda) de US$ 380,00 a tonelada", explica o relatório.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: "SOMOS COMPRADORES" NO MERCADO, DIZ STEINBRUCH

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, garantiu hoje que a empresa não está à venda e deverá seguir com a estratégia de crescimento, apesar dos vários boatos do mercado de que a empresa poderia ser vendida.

"Acabou essa brincadeira de que a CSN será vendida, porque hoje somos compradores", afirmou o executivo, após anunciar planos de investimentos para elevar a produção de placas e minério de ferro.

Segundo o executivo, além do crescimento no mercado interno, a CSN mantém em andamento a estratégia internacionalização, explicando que o crescimento fora do Brasil poderá acontecer tanto através de aquisições, como através de associações. "O importante é queremos manter participação forte no capital e na gestão", afirma.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ALTO-FORNO VOLTARÁ A FUNCIONAR NO FIM DE MAIO OU INÍCIO DE JUNHO

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch, afirmou hoje que o acidente com os dutos de gás do alto-forno 3, ocorrido em janeiro, não afetará a produção da empresa em 2006. Segundo o executivo, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas no mercado para garantir a continuidade da produção.

O executivo lembrou ainda que a empresa tem seguro no valor de US$ 100 milhões para danos materiais e US$ 750 milhões para custos adicionais e lucros cessantes. "Acreditamos que vamos consumir metade disso", informou. O executivo garantiu que equipamento voltará a funcionar entre o final de maio e início de junho e que no prazo de 10 a 20 dias a produção da empresa estará normalizada.

De acordo com o diretor financeiro da CSN, Otavio Lazcano, o pagamento do seguro deverá ser feito rapidamente, assim que a empresa entregar os relatórios e documentos sobre o acidente para o Instituto de Resseguros do Brasil.

Em seu balanço financeiro de 2005, a empresa explica que o reparo no equipamento está estimado em US$ 40 milhões, e o aluguel de guindastes especiais necessários ao reparo, em US$ 14 milhões. "A perda de produção será compensada pela compra de placas, no mercado local e internacional, além do aproveitamento dos estoques de produtos intermediários e finais da empresa. Até o momento, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas, a um custo médio (CIF Volta Redonda) de US$ 380,00 a tonelada", explica o relatório.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: "SOMOS COMPRADORES" NO MERCADO, DIZ STEINBRUCH

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, garantiu hoje que a empresa não está à venda e deverá seguir com a estratégia de crescimento, apesar dos vários boatos do mercado de que a empresa poderia ser vendida.

"Acabou essa brincadeira de que a CSN será vendida, porque hoje somos compradores", afirmou o executivo, após anunciar planos de investimentos para elevar a produção de placas e minério de ferro.

Segundo o executivo, além do crescimento no mercado interno, a CSN mantém em andamento a estratégia internacionalização, explicando que o crescimento fora do Brasil poderá acontecer tanto através de aquisições, como através de associações. "O importante é queremos manter participação forte no capital e na gestão", afirma.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN: ALTO-FORNO VOLTARÁ A FUNCIONAR NO FIM DE MAIO OU INÍCIO DE JUNHO

AE, São Paulo, 28 - O presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, Benjamin Steinbruch, afirmou hoje que o acidente com os dutos de gás do alto-forno 3, ocorrido em janeiro, não afetará a produção da empresa em 2006. Segundo o executivo, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas no mercado para garantir a continuidade da produção.

O executivo lembrou ainda que a empresa tem seguro no valor de US$ 100 milhões para danos materiais e US$ 750 milhões para custos adicionais e lucros cessantes. "Acreditamos que vamos consumir metade disso", informou. O executivo garantiu que equipamento voltará a funcionar entre o final de maio e início de junho e que no prazo de 10 a 20 dias a produção da empresa estará normalizada.

De acordo com o diretor financeiro da CSN, Otavio Lazcano, o pagamento do seguro deverá ser feito rapidamente, assim que a empresa entregar os relatórios e documentos sobre o acidente para o Instituto de Resseguros do Brasil.

Em seu balanço financeiro de 2005, a empresa explica que o reparo no equipamento está estimado em US$ 40 milhões, e o aluguel de guindastes especiais necessários ao reparo, em US$ 14 milhões. "A perda de produção será compensada pela compra de placas, no mercado local e internacional, além do aproveitamento dos estoques de produtos intermediários e finais da empresa. Até o momento, a empresa já comprou 1 milhão de toneladas de placas, a um custo médio (CIF Volta Redonda) de US$ 380,00 a tonelada", explica o relatório.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN PRETENDE VENDER ENTRE 10% E 20% DA MINA CASA DE PEDRA

AE, São Paulo, 28 - O conselho de administração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aprovou a contratação de uma instituição financeira para estruturar a venda de 10% a 20% da mina Casa de Pedra. De acordo com o presidente da siderúrgica, Benjamin Steinbruch, há muitos parceiros interessados no ativo, que na sua avaliação tem valor estimado de US$ 5 bilhões.

A expectativa é de que assim que contratada a instituição financeira, a operação esteja pronta no prazo de 90 a 120 dias. "Já recebemos várias propostas de bancos e devemos fechar com um deles", afirma.

"Vender entre 10% e 20% do negócio não afeta os nossos planos para a área de mineração e prova o valor que o negócio agrega à companhia", explica. O executivo, que participou de reunião com analistas de mercado na manhã de hoje, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, disse ainda que a operação não mudará em nada a preferência de compra da Companhia Vale do Rio Doce sobre o minério produzido por Casa de Pedra.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN PRETENDE VENDER ENTRE 10% E 20% DA MINA CASA DE PEDRA

AE, São Paulo, 28 - O conselho de administração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aprovou a contratação de uma instituição financeira para estruturar a venda de 10% a 20% da mina Casa de Pedra. De acordo com o presidente da siderúrgica, Benjamin Steinbruch, há muitos parceiros interessados no ativo, que na sua avaliação tem valor estimado de US$ 5 bilhões.

A expectativa é de que assim que contratada a instituição financeira, a operação esteja pronta no prazo de 90 a 120 dias. "Já recebemos várias propostas de bancos e devemos fechar com um deles", afirma.

"Vender entre 10% e 20% do negócio não afeta os nossos planos para a área de mineração e prova o valor que o negócio agrega à companhia", explica. O executivo, que participou de reunião com analistas de mercado na manhã de hoje, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, disse ainda que a operação não mudará em nada a preferência de compra da Companhia Vale do Rio Doce sobre o minério produzido por Casa de Pedra.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CSN PRETENDE VENDER ENTRE 10% E 20% DA MINA CASA DE PEDRA

AE, São Paulo, 28 - O conselho de administração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aprovou a contratação de uma instituição financeira para estruturar a venda de 10% a 20% da mina Casa de Pedra. De acordo com o presidente da siderúrgica, Benjamin Steinbruch, há muitos parceiros interessados no ativo, que na sua avaliação tem valor estimado de US$ 5 bilhões.

A expectativa é de que assim que contratada a instituição financeira, a operação esteja pronta no prazo de 90 a 120 dias. "Já recebemos várias propostas de bancos e devemos fechar com um deles", afirma.

"Vender entre 10% e 20% do negócio não afeta os nossos planos para a área de mineração e prova o valor que o negócio agrega à companhia", explica. O executivo, que participou de reunião com analistas de mercado na manhã de hoje, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, disse ainda que a operação não mudará em nada a preferência de compra da Companhia Vale do Rio Doce sobre o minério produzido por Casa de Pedra.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

CREDIT SUISSE: ARACRUZ E VCP SÃO AS CIAS MELHOR POSICIONADAS NO MUNDO

AE, São Paulo, 28 - Em relatório divulgado ontem, o Credit Suisse aponta que Aracruz e Votorantim Celulose e Papel (VCP) são as empresas melhor posicionadas no mercado mundial de celulose de fibra curta. Para o setor de celulose e papel, a recomendação do banco é Market Weight e para os papéis das duas companhias brasileiras, Neutral. Conforme os analistas que assinam o relatório, Mark W. Connelly, Lars Kjellberg, Ivan Fadel, Sam McGovern e Catherine Haynes, apesar das preocupações dos investidores em relação à entrada de novas capacidades de celulose, os preços da commodity continuam subindo. "Acreditamos que a perspectiva para celulose é muito positiva, contrariamente à avaliação consensual corrente", afirmam.

Os analistas apontam ainda que a adição "sem precedentes" de novas capacidades de fibra curta por parte das produtoras brasileiras é motivo para reflexão. Entretanto, ponderam que a demanda chinesa pela commodity segue com crescimento acelerado e o fechamento de unidades produtoras integradas tem criado uma nova fonte de demanda para a celulose de fibra curta de mercado. "Nossas projeções sugerem que a utilização da capacidade instalada de fibra curta está prestes a superar 92%, sugerindo que os próximos cinco anos podem ser melhores, e não piores, que o normal", destacam.

Conforme os especialistas, a diferença de preços (spread) entre a celulose de fibra curta e a de fibra longa pode ser avaliada mais como curiosidade do que como indicador. Com o fechamento de capacidades, a expectativa é a de que esse spread se amplie, com os preços da fibra longa persistentemente em alta nos próximos anos. Em relação ao cenário para as companhias brasileiras de celulose de fibra curta, o Credit Suisse destaca que embora a valorização do real tenha mitigado algumas das vantagens de custo dessas companhias, o Brasil ainda segue como o mais competitivo, com margens significativas.

Em relação aos preços da celulose, os analistas apostam em cotações fortalecidas nos próximos cinco anos, apesar da substancial capacidade adicional que virá a mercado a partir de 2006. "Investidores estão compreensivelmente preocupados com a capacidade do mercado em absorver as novas capacidades, mas há uma série de fatores que sugerem que a cotação está caminhando para média superior e não inferior", dizem os especialistas. No segmento de fibra curta, lembram os analistas, está concentrada toda a nova capacidade. "Mas também é neste segmento que virá uma grande demanda adicional por parte da China", complementam. O fechamento de unidades integradas também contribui para o cenário otimista.

As ações de VCP e Aracruz dispararam ontem, em parte puxadas pelos guidances dados pela VCP na sexta-feira, e em parte por ajustes de grandes casas de avaliação após as novas diretrizes. Ontem, especialmente, o mercado comentava reação positiva a este relatório do Credit Suisse. VCP ainda está entre os maiores ganhos do Ibovespa hoje.
(Stella Fontes)

Bookmark and Share

CREDIT SUISSE: ARACRUZ E VCP SÃO AS CIAS MELHOR POSICIONADAS NO MUNDO

AE, São Paulo, 28 - Em relatório divulgado ontem, o Credit Suisse aponta que Aracruz e Votorantim Celulose e Papel (VCP) são as empresas melhor posicionadas no mercado mundial de celulose de fibra curta. Para o setor de celulose e papel, a recomendação do banco é Market Weight e para os papéis das duas companhias brasileiras, Neutral. Conforme os analistas que assinam o relatório, Mark W. Connelly, Lars Kjellberg, Ivan Fadel, Sam McGovern e Catherine Haynes, apesar das preocupações dos investidores em relação à entrada de novas capacidades de celulose, os preços da commodity continuam subindo. "Acreditamos que a perspectiva para celulose é muito positiva, contrariamente à avaliação consensual corrente", afirmam.

Os analistas apontam ainda que a adição "sem precedentes" de novas capacidades de fibra curta por parte das produtoras brasileiras é motivo para reflexão. Entretanto, ponderam que a demanda chinesa pela commodity segue com crescimento acelerado e o fechamento de unidades produtoras integradas tem criado uma nova fonte de demanda para a celulose de fibra curta de mercado. "Nossas projeções sugerem que a utilização da capacidade instalada de fibra curta está prestes a superar 92%, sugerindo que os próximos cinco anos podem ser melhores, e não piores, que o normal", destacam.

Conforme os especialistas, a diferença de preços (spread) entre a celulose de fibra curta e a de fibra longa pode ser avaliada mais como curiosidade do que como indicador. Com o fechamento de capacidades, a expectativa é a de que esse spread se amplie, com os preços da fibra longa persistentemente em alta nos próximos anos. Em relação ao cenário para as companhias brasileiras de celulose de fibra curta, o Credit Suisse destaca que embora a valorização do real tenha mitigado algumas das vantagens de custo dessas companhias, o Brasil ainda segue como o mais competitivo, com margens significativas.

Em relação aos preços da celulose, os analistas apostam em cotações fortalecidas nos próximos cinco anos, apesar da substancial capacidade adicional que virá a mercado a partir de 2006. "Investidores estão compreensivelmente preocupados com a capacidade do mercado em absorver as novas capacidades, mas há uma série de fatores que sugerem que a cotação está caminhando para média superior e não inferior", dizem os especialistas. No segmento de fibra curta, lembram os analistas, está concentrada toda a nova capacidade. "Mas também é neste segmento que virá uma grande demanda adicional por parte da China", complementam. O fechamento de unidades integradas também contribui para o cenário otimista.

As ações de VCP e Aracruz dispararam ontem, em parte puxadas pelos guidances dados pela VCP na sexta-feira, e em parte por ajustes de grandes casas de avaliação após as novas diretrizes. Ontem, especialmente, o mercado comentava reação positiva a este relatório do Credit Suisse. VCP ainda está entre os maiores ganhos do Ibovespa hoje.
(Stella Fontes)

Bookmark and Share

CREDIT SUISSE: ARACRUZ E VCP SÃO AS CIAS MELHOR POSICIONADAS NO MUNDO

AE, São Paulo, 28 - Em relatório divulgado ontem, o Credit Suisse aponta que Aracruz e Votorantim Celulose e Papel (VCP) são as empresas melhor posicionadas no mercado mundial de celulose de fibra curta. Para o setor de celulose e papel, a recomendação do banco é Market Weight e para os papéis das duas companhias brasileiras, Neutral. Conforme os analistas que assinam o relatório, Mark W. Connelly, Lars Kjellberg, Ivan Fadel, Sam McGovern e Catherine Haynes, apesar das preocupações dos investidores em relação à entrada de novas capacidades de celulose, os preços da commodity continuam subindo. "Acreditamos que a perspectiva para celulose é muito positiva, contrariamente à avaliação consensual corrente", afirmam.

Os analistas apontam ainda que a adição "sem precedentes" de novas capacidades de fibra curta por parte das produtoras brasileiras é motivo para reflexão. Entretanto, ponderam que a demanda chinesa pela commodity segue com crescimento acelerado e o fechamento de unidades produtoras integradas tem criado uma nova fonte de demanda para a celulose de fibra curta de mercado. "Nossas projeções sugerem que a utilização da capacidade instalada de fibra curta está prestes a superar 92%, sugerindo que os próximos cinco anos podem ser melhores, e não piores, que o normal", destacam.

Conforme os especialistas, a diferença de preços (spread) entre a celulose de fibra curta e a de fibra longa pode ser avaliada mais como curiosidade do que como indicador. Com o fechamento de capacidades, a expectativa é a de que esse spread se amplie, com os preços da fibra longa persistentemente em alta nos próximos anos. Em relação ao cenário para as companhias brasileiras de celulose de fibra curta, o Credit Suisse destaca que embora a valorização do real tenha mitigado algumas das vantagens de custo dessas companhias, o Brasil ainda segue como o mais competitivo, com margens significativas.

Em relação aos preços da celulose, os analistas apostam em cotações fortalecidas nos próximos cinco anos, apesar da substancial capacidade adicional que virá a mercado a partir de 2006. "Investidores estão compreensivelmente preocupados com a capacidade do mercado em absorver as novas capacidades, mas há uma série de fatores que sugerem que a cotação está caminhando para média superior e não inferior", dizem os especialistas. No segmento de fibra curta, lembram os analistas, está concentrada toda a nova capacidade. "Mas também é neste segmento que virá uma grande demanda adicional por parte da China", complementam. O fechamento de unidades integradas também contribui para o cenário otimista.

As ações de VCP e Aracruz dispararam ontem, em parte puxadas pelos guidances dados pela VCP na sexta-feira, e em parte por ajustes de grandes casas de avaliação após as novas diretrizes. Ontem, especialmente, o mercado comentava reação positiva a este relatório do Credit Suisse. VCP ainda está entre os maiores ganhos do Ibovespa hoje.
(Stella Fontes)

Bookmark and Share

MANTEGA SINALIZA QUE VOTARÁ AMANHÃ PELA QUEDA DA TJLP

AE, São Paulo, 28 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou que está mantida a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) amanhã, que vai decidir sobre a nova Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente em 9%. Mantega sinalizou que vai votar pela queda do juro. "Mudei de função, mas não de idéia", afirmou. Como presidente do BNDES, Mantega defendia a redução da TJLP para 7% ao ano.
(Josué Leonel e Sueli Campo)

Bookmark and Share

CSN: CONSUMO DOMÉSTICO DE AÇOS PLANOS DEVE CRESCER 7% EM 2006

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) trabalha com uma expectativa de crescimento de 7% para o mercado de aços planos no Brasil em 2006. Segundo relatório divulgado pela empresa, a previsão baseia-se em um cenário de economia brasileira crescendo a taxas mais elevadas, em função, basicamente, de maiores gastos do governo com obras e projetos e continuidade da trajetória de queda das taxas de juros.

"Dessa forma, seu volume de vendas e a alocação de vendas entre mercados pode apresentar melhora em relação a 2005", afirma. Por outro lado, no mercado internacional a siderúrgica espera estabilidade de preços no primeiro semestre e queda na segunda metade do ano, devido a uma expectativa de declínio no consumo aparente.

A empresa destaca também a expectativa de menores custos para as principais matérias-primas que compõem a estrutura de custo da empresa - carvão e coque -, de acordo com tendência de queda já verificada nos preços internacionais. "A margem Ebitda deve manter-se estável na média de 2006. Em função da continuidade de geração de caixa elevada, a companhia estima uma redução no nível de endividamento ao final do ano", informa.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

MANTEGA SINALIZA QUE VOTARÁ AMANHÃ PELA QUEDA DA TJLP

AE, São Paulo, 28 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou que está mantida a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) amanhã, que vai decidir sobre a nova Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente em 9%. Mantega sinalizou que vai votar pela queda do juro. "Mudei de função, mas não de idéia", afirmou. Como presidente do BNDES, Mantega defendia a redução da TJLP para 7% ao ano.
(Josué Leonel e Sueli Campo)

Bookmark and Share

CSN: CONSUMO DOMÉSTICO DE AÇOS PLANOS DEVE CRESCER 7% EM 2006

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) trabalha com uma expectativa de crescimento de 7% para o mercado de aços planos no Brasil em 2006. Segundo relatório divulgado pela empresa, a previsão baseia-se em um cenário de economia brasileira crescendo a taxas mais elevadas, em função, basicamente, de maiores gastos do governo com obras e projetos e continuidade da trajetória de queda das taxas de juros.

"Dessa forma, seu volume de vendas e a alocação de vendas entre mercados pode apresentar melhora em relação a 2005", afirma. Por outro lado, no mercado internacional a siderúrgica espera estabilidade de preços no primeiro semestre e queda na segunda metade do ano, devido a uma expectativa de declínio no consumo aparente.

A empresa destaca também a expectativa de menores custos para as principais matérias-primas que compõem a estrutura de custo da empresa - carvão e coque -, de acordo com tendência de queda já verificada nos preços internacionais. "A margem Ebitda deve manter-se estável na média de 2006. Em função da continuidade de geração de caixa elevada, a companhia estima uma redução no nível de endividamento ao final do ano", informa.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

MANTEGA SINALIZA QUE VOTARÁ AMANHÃ PELA QUEDA DA TJLP

AE, São Paulo, 28 - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou que está mantida a reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) amanhã, que vai decidir sobre a nova Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), atualmente em 9%. Mantega sinalizou que vai votar pela queda do juro. "Mudei de função, mas não de idéia", afirmou. Como presidente do BNDES, Mantega defendia a redução da TJLP para 7% ao ano.
(Josué Leonel e Sueli Campo)

Bookmark and Share

CSN: CONSUMO DOMÉSTICO DE AÇOS PLANOS DEVE CRESCER 7% EM 2006

AE, São Paulo, 28 - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) trabalha com uma expectativa de crescimento de 7% para o mercado de aços planos no Brasil em 2006. Segundo relatório divulgado pela empresa, a previsão baseia-se em um cenário de economia brasileira crescendo a taxas mais elevadas, em função, basicamente, de maiores gastos do governo com obras e projetos e continuidade da trajetória de queda das taxas de juros.

"Dessa forma, seu volume de vendas e a alocação de vendas entre mercados pode apresentar melhora em relação a 2005", afirma. Por outro lado, no mercado internacional a siderúrgica espera estabilidade de preços no primeiro semestre e queda na segunda metade do ano, devido a uma expectativa de declínio no consumo aparente.

A empresa destaca também a expectativa de menores custos para as principais matérias-primas que compõem a estrutura de custo da empresa - carvão e coque -, de acordo com tendência de queda já verificada nos preços internacionais. "A margem Ebitda deve manter-se estável na média de 2006. Em função da continuidade de geração de caixa elevada, a companhia estima uma redução no nível de endividamento ao final do ano", informa.
(Beth Moreira)

Bookmark and Share

BRADESCO, FIDELITY E REAL FECHAM PARCERIA PARA PROCESSAR CARTÕES

AE, São Paulo, 28 - O Banco Bradesco, a Fidelity National Information Services e o Banco ABN Amro Real assinaram acordo de parceria com a finalidade de prestar serviços de processamento de cartões. A nova empresa, que se denominará Fidelity Processadora e Serviços, atenderá os atuais clientes da Fidelity e os novos parceiros, bem como outros emissores de cartões.

Os serviços a serem prestados abrangem toda a cadeia de atividade de cartões, destacando processamento, administração de centrais de atendimento, suporte de retaguarda (back office), serviços de cobrança e gerenciamento de riscos. A plataforma para processamento dos cartões na nova empresa será a BASE2000 da Fidelity National.

A Fidelity National, líder mundial em prestação de serviços de tecnologia para instituições financeiras, espera processar nos próximos 24 meses mais de 20 milhões de cartões no Brasil e mais de 63 milhões no mundo.

A parceria tornará a Fidelity uma das maiores processadoras de cartões no País. O Bradesco foi assessorado pelo seu departamento de Mercado de Capitais-BBI e o Banco Real pelo seu grupo de Corporate Finance.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

BRADESPAR: LUCRO DECORRE DE INVESTIMENTOS E RESULTADO FINANCEIRO

AE, São Paulo, 28 - O lucro da Bradespar no ano passado, de R$ 636,9 milhões, decorreu dos resultados expressivos registrados pela Companhia Vale do Rio Doce e pela CPFL Energia e da redução das despesas financeiras da Bradesplan.

Segundo relatório de desempenho da empresa, a Bradespar apresentou em 2005 receita operacional de R$ 725,2 milhões, retratando a contribuição das empresas investidas e a venda de participação na Net Serviços.

O resultado positivo da equivalência patrimonial da Valepar/Companhia Vale do Rio Doce foi de R$ 562,9 milhões, 73% superior ao apresentado em 2004. O ganho da equivalência patrimonial da VBC/CPFL Energia atingiu R$ 104,1 milhões, com crescimento de 34%.

A venda da parcela final de participação na Net, o que ocorreu no primeiro trimestre de 2005, gerou receita de R$ 58,2 milhões. Em 2004, o resultado com a alienação de investimentos somou R$ 50,7 milhões.

No decorrer no ano passado, o resultado financeiro da Bradespar melhorou significativamente. Passou de despesas financeiras de R$ 120,8 milhões em 2004 para receitas financeiras líquidas de R$ 20,6 milhões em 2005.

A mudança financeira decorreu, principalmente, da recompra da totalidade das debêntures da Bradesplan, utilizando recursos originados da venda de participação na Valepar para a Mitsui e no aumento de capital da Bradespar, realizados em setembro de 2003 e dezembro de 2004, respectivamente.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

BRADESCO, FIDELITY E REAL FECHAM PARCERIA PARA PROCESSAR CARTÕES

AE, São Paulo, 28 - O Banco Bradesco, a Fidelity National Information Services e o Banco ABN Amro Real assinaram acordo de parceria com a finalidade de prestar serviços de processamento de cartões. A nova empresa, que se denominará Fidelity Processadora e Serviços, atenderá os atuais clientes da Fidelity e os novos parceiros, bem como outros emissores de cartões.

Os serviços a serem prestados abrangem toda a cadeia de atividade de cartões, destacando processamento, administração de centrais de atendimento, suporte de retaguarda (back office), serviços de cobrança e gerenciamento de riscos. A plataforma para processamento dos cartões na nova empresa será a BASE2000 da Fidelity National.

A Fidelity National, líder mundial em prestação de serviços de tecnologia para instituições financeiras, espera processar nos próximos 24 meses mais de 20 milhões de cartões no Brasil e mais de 63 milhões no mundo.

A parceria tornará a Fidelity uma das maiores processadoras de cartões no País. O Bradesco foi assessorado pelo seu departamento de Mercado de Capitais-BBI e o Banco Real pelo seu grupo de Corporate Finance.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

BRADESPAR: LUCRO DECORRE DE INVESTIMENTOS E RESULTADO FINANCEIRO

AE, São Paulo, 28 - O lucro da Bradespar no ano passado, de R$ 636,9 milhões, decorreu dos resultados expressivos registrados pela Companhia Vale do Rio Doce e pela CPFL Energia e da redução das despesas financeiras da Bradesplan.

Segundo relatório de desempenho da empresa, a Bradespar apresentou em 2005 receita operacional de R$ 725,2 milhões, retratando a contribuição das empresas investidas e a venda de participação na Net Serviços.

O resultado positivo da equivalência patrimonial da Valepar/Companhia Vale do Rio Doce foi de R$ 562,9 milhões, 73% superior ao apresentado em 2004. O ganho da equivalência patrimonial da VBC/CPFL Energia atingiu R$ 104,1 milhões, com crescimento de 34%.

A venda da parcela final de participação na Net, o que ocorreu no primeiro trimestre de 2005, gerou receita de R$ 58,2 milhões. Em 2004, o resultado com a alienação de investimentos somou R$ 50,7 milhões.

No decorrer no ano passado, o resultado financeiro da Bradespar melhorou significativamente. Passou de despesas financeiras de R$ 120,8 milhões em 2004 para receitas financeiras líquidas de R$ 20,6 milhões em 2005.

A mudança financeira decorreu, principalmente, da recompra da totalidade das debêntures da Bradesplan, utilizando recursos originados da venda de participação na Valepar para a Mitsui e no aumento de capital da Bradespar, realizados em setembro de 2003 e dezembro de 2004, respectivamente.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

BRADESCO, FIDELITY E REAL FECHAM PARCERIA PARA PROCESSAR CARTÕES

AE, São Paulo, 28 - O Banco Bradesco, a Fidelity National Information Services e o Banco ABN Amro Real assinaram acordo de parceria com a finalidade de prestar serviços de processamento de cartões. A nova empresa, que se denominará Fidelity Processadora e Serviços, atenderá os atuais clientes da Fidelity e os novos parceiros, bem como outros emissores de cartões.

Os serviços a serem prestados abrangem toda a cadeia de atividade de cartões, destacando processamento, administração de centrais de atendimento, suporte de retaguarda (back office), serviços de cobrança e gerenciamento de riscos. A plataforma para processamento dos cartões na nova empresa será a BASE2000 da Fidelity National.

A Fidelity National, líder mundial em prestação de serviços de tecnologia para instituições financeiras, espera processar nos próximos 24 meses mais de 20 milhões de cartões no Brasil e mais de 63 milhões no mundo.

A parceria tornará a Fidelity uma das maiores processadoras de cartões no País. O Bradesco foi assessorado pelo seu departamento de Mercado de Capitais-BBI e o Banco Real pelo seu grupo de Corporate Finance.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

BRADESPAR: LUCRO DECORRE DE INVESTIMENTOS E RESULTADO FINANCEIRO

AE, São Paulo, 28 - O lucro da Bradespar no ano passado, de R$ 636,9 milhões, decorreu dos resultados expressivos registrados pela Companhia Vale do Rio Doce e pela CPFL Energia e da redução das despesas financeiras da Bradesplan.

Segundo relatório de desempenho da empresa, a Bradespar apresentou em 2005 receita operacional de R$ 725,2 milhões, retratando a contribuição das empresas investidas e a venda de participação na Net Serviços.

O resultado positivo da equivalência patrimonial da Valepar/Companhia Vale do Rio Doce foi de R$ 562,9 milhões, 73% superior ao apresentado em 2004. O ganho da equivalência patrimonial da VBC/CPFL Energia atingiu R$ 104,1 milhões, com crescimento de 34%.

A venda da parcela final de participação na Net, o que ocorreu no primeiro trimestre de 2005, gerou receita de R$ 58,2 milhões. Em 2004, o resultado com a alienação de investimentos somou R$ 50,7 milhões.

No decorrer no ano passado, o resultado financeiro da Bradespar melhorou significativamente. Passou de despesas financeiras de R$ 120,8 milhões em 2004 para receitas financeiras líquidas de R$ 20,6 milhões em 2005.

A mudança financeira decorreu, principalmente, da recompra da totalidade das debêntures da Bradesplan, utilizando recursos originados da venda de participação na Valepar para a Mitsui e no aumento de capital da Bradespar, realizados em setembro de 2003 e dezembro de 2004, respectivamente.
(Silvia Fregoni)

Bookmark and Share

ARCELOR: OPA DE ACESITA SERÁ EM 27/4; PREÇO DE R$ 36,34 PARA ON E PN

AE, São Paulo, 28 - A Arcelor Spain Holding S.L. informa que a oferta pública de aquisição de ações (OPA) para a Acesita ocorrerá dia 27 de abril em dois leilões na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O primeiro será às 14h, para as ações ordinárias, e o segundo, às 15h para as preferenciais. Conforme já divulgado, o preço por ação da Acesita, tanto preferencial quanto ordinária será de R$ 36,34. No caso das ON, o valor corresponde a 80% da média do valor por ação pago para a Previ, Petros e Sistel na compra de participação desses fundos na empresa conforme já anunciado. Para as PN, o valor equivale a um prêmio de 26,02% sobre a média do preço pela qual as ações preferenciais foram negociadas no pregão da Bovespa no período de 6 de dezembro de 2005 a 6 de janeiro de 2006.

De acordo com o edital da oferta, por intermédio do Unibanco, a Arcelor irá adquirir a totalidade das ações ordinárias e até 10,396 milhões de papéis preferenciais da Acesita.

A habilitação para os leilões será realizada no sistema eletrônico da Bovespa até as 18h de 26 de abril, dia útil imediatamente anterior à data do evento, no Unibanco Investshop ou outra corretora. A liquidação financeira das operações será em 3 de maio.

A OPA decorre do fato da Arcelor Spain Holding S.L. ter adquirido a participação de fundos de pensão na Acesita, em operação que configurou alienação de controle. A OPA foi anunciada no começo do ano.

A oferta para as ON é obrigatória em decorrência de alienação de controle da Acesita e a oferta para as PN é voluntária e está limitada a 1/3 da classe em circulação. A operação não visa o cancelamento de
registro de companhia aberta da Acesita.

A Arcelor publicou fato relevante no dia 6 de janeiro no qual informava ter adquirido no dia anterior, por meio de sua subsidiária integral Arcelor Spain Holding, 3.021 mil ações ordinárias de emissão da Acesita de propriedade da Fundação Sistel de Seguridade Social. Por conta da operação, disse que faria oferta pública para compra das ações da companhia em circulação. As ações estavam vinculadas ao acordo de acionistas da Acesita, representando 12,13% do seu capital votante e 4,05% do capital total. O preço pago à Sistel foi de R$ 45,08 por ação.
Com essas ações, mais as compradas da Previ e da Petros, a Arcelor passou a deter 18,861 milhões de ações ON da Acesita, que representam 75,75%
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

MINÉRIO DE FERRO: RODADA DE NEGOCIAÇÕES PODE DEMORAR ATÉ DUAS SEMANAS

AE, Pequim, 28 - A China não deve apressar a atual rodada de negociações de preço para o minério de ferro com os fornecedores globais e as conversações podem se prolongar por até duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial chinesa Xinhua, citando fontes não identificadas. As siderúrgicas chinesas têm declarado que não estão dispostos a aceitar uma alta de preços, mas analistas estimam que o minério de ferro, esse ano, deve subir entre 10% e 20%.

A agência de notícias prevê que a atual rodada de negociações, a quarta, não deve resultar em uma conclusão final sobre os preços. As conversações não atingiram um estágio de definição do valores, com cada lado ainda analisando e apresentando suas perspectivas sobre os mercados de minério de ferro e aço.

A chinesa Shanghai Baosteel Group Corp., que representa as siderúrgicas do país na mesa de negociações, deve se encontrar primeiro com a Hamersley Iron, unidade da anglo-australiana Rio Tinto. Na próxima semana, o grupo chinês deve se encontrar com a brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD) e BHP Billiton, acrescenta a agência.

No início do mês, Liu Rujun, chairman da siderúrgica chinesa Handan Iron & Steel Co., declarou que o anúncio do preço do minério de ferro para 2006 pode ser feito depois de 1º de abril, data que normalmente marca o início dos contratos para o novo ano fiscal.

Em 2005 as três maiores produtoras de minério de ferro, Vale, Rio Tinto e BHP (que juntas respondem por 70% das vendas globais do minério) conseguiram alta de 71,5% no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

ARCELOR: OPA DE ACESITA SERÁ EM 27/4; PREÇO DE R$ 36,34 PARA ON E PN

AE, São Paulo, 28 - A Arcelor Spain Holding S.L. informa que a oferta pública de aquisição de ações (OPA) para a Acesita ocorrerá dia 27 de abril em dois leilões na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O primeiro será às 14h, para as ações ordinárias, e o segundo, às 15h para as preferenciais. Conforme já divulgado, o preço por ação da Acesita, tanto preferencial quanto ordinária será de R$ 36,34. No caso das ON, o valor corresponde a 80% da média do valor por ação pago para a Previ, Petros e Sistel na compra de participação desses fundos na empresa conforme já anunciado. Para as PN, o valor equivale a um prêmio de 26,02% sobre a média do preço pela qual as ações preferenciais foram negociadas no pregão da Bovespa no período de 6 de dezembro de 2005 a 6 de janeiro de 2006.

De acordo com o edital da oferta, por intermédio do Unibanco, a Arcelor irá adquirir a totalidade das ações ordinárias e até 10,396 milhões de papéis preferenciais da Acesita.

A habilitação para os leilões será realizada no sistema eletrônico da Bovespa até as 18h de 26 de abril, dia útil imediatamente anterior à data do evento, no Unibanco Investshop ou outra corretora. A liquidação financeira das operações será em 3 de maio.

A OPA decorre do fato da Arcelor Spain Holding S.L. ter adquirido a participação de fundos de pensão na Acesita, em operação que configurou alienação de controle. A OPA foi anunciada no começo do ano.

A oferta para as ON é obrigatória em decorrência de alienação de controle da Acesita e a oferta para as PN é voluntária e está limitada a 1/3 da classe em circulação. A operação não visa o cancelamento de
registro de companhia aberta da Acesita.

A Arcelor publicou fato relevante no dia 6 de janeiro no qual informava ter adquirido no dia anterior, por meio de sua subsidiária integral Arcelor Spain Holding, 3.021 mil ações ordinárias de emissão da Acesita de propriedade da Fundação Sistel de Seguridade Social. Por conta da operação, disse que faria oferta pública para compra das ações da companhia em circulação. As ações estavam vinculadas ao acordo de acionistas da Acesita, representando 12,13% do seu capital votante e 4,05% do capital total. O preço pago à Sistel foi de R$ 45,08 por ação.
Com essas ações, mais as compradas da Previ e da Petros, a Arcelor passou a deter 18,861 milhões de ações ON da Acesita, que representam 75,75%
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

MINÉRIO DE FERRO: RODADA DE NEGOCIAÇÕES PODE DEMORAR ATÉ DUAS SEMANAS

AE, Pequim, 28 - A China não deve apressar a atual rodada de negociações de preço para o minério de ferro com os fornecedores globais e as conversações podem se prolongar por até duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial chinesa Xinhua, citando fontes não identificadas. As siderúrgicas chinesas têm declarado que não estão dispostos a aceitar uma alta de preços, mas analistas estimam que o minério de ferro, esse ano, deve subir entre 10% e 20%.

A agência de notícias prevê que a atual rodada de negociações, a quarta, não deve resultar em uma conclusão final sobre os preços. As conversações não atingiram um estágio de definição do valores, com cada lado ainda analisando e apresentando suas perspectivas sobre os mercados de minério de ferro e aço.

A chinesa Shanghai Baosteel Group Corp., que representa as siderúrgicas do país na mesa de negociações, deve se encontrar primeiro com a Hamersley Iron, unidade da anglo-australiana Rio Tinto. Na próxima semana, o grupo chinês deve se encontrar com a brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD) e BHP Billiton, acrescenta a agência.

No início do mês, Liu Rujun, chairman da siderúrgica chinesa Handan Iron & Steel Co., declarou que o anúncio do preço do minério de ferro para 2006 pode ser feito depois de 1º de abril, data que normalmente marca o início dos contratos para o novo ano fiscal.

Em 2005 as três maiores produtoras de minério de ferro, Vale, Rio Tinto e BHP (que juntas respondem por 70% das vendas globais do minério) conseguiram alta de 71,5% no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

ARCELOR: OPA DE ACESITA SERÁ EM 27/4; PREÇO DE R$ 36,34 PARA ON E PN

AE, São Paulo, 28 - A Arcelor Spain Holding S.L. informa que a oferta pública de aquisição de ações (OPA) para a Acesita ocorrerá dia 27 de abril em dois leilões na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). O primeiro será às 14h, para as ações ordinárias, e o segundo, às 15h para as preferenciais. Conforme já divulgado, o preço por ação da Acesita, tanto preferencial quanto ordinária será de R$ 36,34. No caso das ON, o valor corresponde a 80% da média do valor por ação pago para a Previ, Petros e Sistel na compra de participação desses fundos na empresa conforme já anunciado. Para as PN, o valor equivale a um prêmio de 26,02% sobre a média do preço pela qual as ações preferenciais foram negociadas no pregão da Bovespa no período de 6 de dezembro de 2005 a 6 de janeiro de 2006.

De acordo com o edital da oferta, por intermédio do Unibanco, a Arcelor irá adquirir a totalidade das ações ordinárias e até 10,396 milhões de papéis preferenciais da Acesita.

A habilitação para os leilões será realizada no sistema eletrônico da Bovespa até as 18h de 26 de abril, dia útil imediatamente anterior à data do evento, no Unibanco Investshop ou outra corretora. A liquidação financeira das operações será em 3 de maio.

A OPA decorre do fato da Arcelor Spain Holding S.L. ter adquirido a participação de fundos de pensão na Acesita, em operação que configurou alienação de controle. A OPA foi anunciada no começo do ano.

A oferta para as ON é obrigatória em decorrência de alienação de controle da Acesita e a oferta para as PN é voluntária e está limitada a 1/3 da classe em circulação. A operação não visa o cancelamento de
registro de companhia aberta da Acesita.

A Arcelor publicou fato relevante no dia 6 de janeiro no qual informava ter adquirido no dia anterior, por meio de sua subsidiária integral Arcelor Spain Holding, 3.021 mil ações ordinárias de emissão da Acesita de propriedade da Fundação Sistel de Seguridade Social. Por conta da operação, disse que faria oferta pública para compra das ações da companhia em circulação. As ações estavam vinculadas ao acordo de acionistas da Acesita, representando 12,13% do seu capital votante e 4,05% do capital total. O preço pago à Sistel foi de R$ 45,08 por ação.
Com essas ações, mais as compradas da Previ e da Petros, a Arcelor passou a deter 18,861 milhões de ações ON da Acesita, que representam 75,75%
(Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

MINÉRIO DE FERRO: RODADA DE NEGOCIAÇÕES PODE DEMORAR ATÉ DUAS SEMANAS

AE, Pequim, 28 - A China não deve apressar a atual rodada de negociações de preço para o minério de ferro com os fornecedores globais e as conversações podem se prolongar por até duas semanas, de acordo com a agência de notícias oficial chinesa Xinhua, citando fontes não identificadas. As siderúrgicas chinesas têm declarado que não estão dispostos a aceitar uma alta de preços, mas analistas estimam que o minério de ferro, esse ano, deve subir entre 10% e 20%.

A agência de notícias prevê que a atual rodada de negociações, a quarta, não deve resultar em uma conclusão final sobre os preços. As conversações não atingiram um estágio de definição do valores, com cada lado ainda analisando e apresentando suas perspectivas sobre os mercados de minério de ferro e aço.

A chinesa Shanghai Baosteel Group Corp., que representa as siderúrgicas do país na mesa de negociações, deve se encontrar primeiro com a Hamersley Iron, unidade da anglo-australiana Rio Tinto. Na próxima semana, o grupo chinês deve se encontrar com a brasileira Companhia de Vale do Rio Doce (CVRD) e BHP Billiton, acrescenta a agência.

No início do mês, Liu Rujun, chairman da siderúrgica chinesa Handan Iron & Steel Co., declarou que o anúncio do preço do minério de ferro para 2006 pode ser feito depois de 1º de abril, data que normalmente marca o início dos contratos para o novo ano fiscal.

Em 2005 as três maiores produtoras de minério de ferro, Vale, Rio Tinto e BHP (que juntas respondem por 70% das vendas globais do minério) conseguiram alta de 71,5% no preço. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

VALE PROCURA NOVAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NA ÁSIA

AE, Cingapura, 28 - A Companhia Vale Do Rio Doce (CVRD) está em busca de novas oportunidades de investimento no setor de mineração na Ásia, segundo um executivo da companhia. Ao se apresentar em um congresso de mineração no continente, o chefe de Exploração da Vale para Ásia e Oceania, Fábio Masotti, declarou que a Mongólia, região na qual a companhia já possui 3,9 milhões de hectares de terras de exploração, será o principal foco da Vale, que já reservou 77% dos investimentos (capex) para novos projetos.

"A América do Sul liderou em mineração na região nos anos 90 para investimentos e desenvolvimento de minas. Enquanto isso, a agenda política e econômica atrasou o desenvolvimento de minas na Ásia, mas a região agora começa a concentrar as atenções", afirmou Masotti.

O executivo notou que a Ásia, no momento, perde somente para América do Norte e do Sul no desenvolvimento novas minas. "Na América Sul as descobertas estão ficando cada dia mais difíceis, enquanto na Ásia, a Mongólia se tornou um novo membro notável" no horizonte da mineração. A Mongólia recebeu US$ 120 milhões em novos investimentos para mineração durante 2005, acrescentou Masotti.

Com a alta nos preços da commodity, o "apetite maior por risco e prosperidade econômica na Ásia" estão impulsionando investimentos em mineração na região. Masotti disse que a estratégia da Vale para a Ásia é avaliar todas as oportunidades possíveis em recursos como minério de ferro, cobre, níquel e ouro.

Em 2005, a Vale liderou a produção de minério de ferro do mundo, respondendo por 33% do fornecimento global do produto. Para manter o ritmo de crescimento, a companhia pretende destinar US$ 13 bilhões para novos investimentos nos próximos cinco anos. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

CSN: CONSELHO APROVA INVESTIMENTOS DE US$ 3,6 BI EM 4 ANOS

AE, São Paulo, 28 - O conselho da administração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aprovou, na reunião de 27/03/2006, investimentos da ordem de US$ 3,6 bilhões com duração de aproximadamente quatro anos a partir da contratação. Os recursos serão destinados para produção de 6 milhões de toneladas de placas adicionais por ano, com a instalação de quatro alto-fornos, com capacidade para 1,5 milhão de toneladas por ano cada um.

Os dois primeiros fornos serão instalados em Itaguaí (RJ), perfazendo um total de 3 milhões de toneladas por ano. A localização dos outros dois será escolhida oportunamente, conforme fato relevante divulgado hoje.

De acordo com os administradores, a realização desses investimentos está sujeita a aprovação de condições adequadas de financiamento.

A reunião também aprovou a revisão do projeto "Minério de Ferro" da CSN, que contempla a expansão da capacidade da mina de Casa de Pedra, do terminal de carvão, bem como a implantação de uma segunda pelotizadora, e a respectiva realização de investimentos da ordem de US$ 1,5 bilhão. Conforme a proposta apresentada na reunião do conselho, a revisão se deu em razão da necessidade de se atender a um novo patamar de produção de minério de ferro que atingirá 53 milhões de toneladas no ano de 2011.
(Silvia Araujo)

Bookmark and Share

VALE PROCURA NOVAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NA ÁSIA

AE, Cingapura, 28 - A Companhia Vale Do Rio Doce (CVRD) está em busca de novas oportunidades de investimento no setor de mineração na Ásia, segundo um executivo da companhia. Ao se apresentar em um congresso de mineração no continente, o chefe de Exploração da Vale para Ásia e Oceania, Fábio Masotti, declarou que a Mongólia, região na qual a companhia já possui 3,9 milhões de hectares de terras de exploração, será o principal foco da Vale, que já reservou 77% dos investimentos (capex) para novos projetos.

"A América do Sul liderou em mineração na região nos anos 90 para investimentos e desenvolvimento de minas. Enquanto isso, a agenda política e econômica atrasou o desenvolvimento de minas na Ásia, mas a região agora começa a concentrar as atenções", afirmou Masotti.

O executivo notou que a Ásia, no momento, perde somente para América do Norte e do Sul no desenvolvimento novas minas. "Na América Sul as descobertas estão ficando cada dia mais difíceis, enquanto na Ásia, a Mongólia se tornou um novo membro notável" no horizonte da mineração. A Mongólia recebeu US$ 120 milhões em novos investimentos para mineração durante 2005, acrescentou Masotti.

Com a alta nos preços da commodity, o "apetite maior por risco e prosperidade econômica na Ásia" estão impulsionando investimentos em mineração na região. Masotti disse que a estratégia da Vale para a Ásia é avaliar todas as oportunidades possíveis em recursos como minério de ferro, cobre, níquel e ouro.

Em 2005, a Vale liderou a produção de minério de ferro do mundo, respondendo por 33% do fornecimento global do produto. Para manter o ritmo de crescimento, a companhia pretende destinar US$ 13 bilhões para novos investimentos nos próximos cinco anos. As informações são da agência Dow Jones.
(Fabiana Holtz)

Bookmark and Share

CSN: CONSELHO APROVA INVESTIMENTOS DE US$ 3,6 BI EM 4 ANOS

AE, São Paulo, 28 - O conselho da administração da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) aprovou, na reunião de 27/03/2006, investimentos da ordem de US$ 3,6 bilhões com duração de aproximadamente quatro anos a partir da contratação. Os recursos serão destinados para produção de 6 milhões de toneladas de placas adicionais por ano, com a instalação de quatro alto-fornos, com capacidade para 1,5 milhão de toneladas por ano cada um.

Os dois primeiros fornos serão instalados em Itaguaí (RJ), perfazendo um total de 3 milhões de toneladas por ano. A localização dos outros dois será escolhida oportunamente, conforme fato relevante divulgado hoje.

De acordo com os administradores, a realização desses investimentos está sujeita a aprovação de condições adequadas de financiamento.

A reunião também aprovou a revisão do projeto "Minério de Ferro" da CSN, que contempla a expansão da capacidade da mina de Casa de Pedra, do terminal de carvão, bem como a implantação de uma segunda pelotizadora, e a respectiva realização de investimentos da ordem de US$ 1,5 bilhão. Conforme a proposta apresentada na reunião do conselho, a revisão se deu em razão da necessidade de se atender a um novo patamar de produção de minério de ferro que atingirá 53 milhões de toneladas no ano de 2011.
(Silvia Araujo)

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.