Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

CENÁRIO 1: PETROBRAS E VALE CAEM COM NY; ELÉTRICAS E BANCOS SOBEM

São Paulo, 10 - Após uma abertura vibrante, quando atingiu a máxima de 2,52%, o mau humor passou a predominar na Bolsa a partir da queda dos mercados em Nova York. As ações mais castigadas pelas vendas são justamente as de maior peso no índice, enquanto elétricas e bancos se mantêm em alta. Há pouco o Ibovespa operava estável, a 36.882,3 pontos. O volume, de R$ 1,83 bilhão, projeta R$ 3,18 bilhões para o fechamento, por conta, mais uma vez, do fluxo de capital
externo.

Operadores não encontram justificativa para a queda, já que os demais mercados operam com ganhos e os fundamentos da economia são positivos. Petrobras PN lidera o volume, com R$ 300 milhões, e queda de 2,51%. Vale PNA cai 2,34% e tem giro de R$ 165 milhões. Telemar PN cai um pouco menos: 0,96%, com R$ 64,7 milhões em negócios.

Outra ação que chegou a subir e passou a operar em queda é Embraer. Há pouco, a ação ON da companhia caía 0,80% e a PN, 1,60%. A empresa brasileira e o grupo US Airways alteraram seu contrato original de encomenda de aviões.

Pelo acordo, os 57 jatos Embraer 170 ainda não entregues serão convertidos em 25 encomendas firmes de Embraer 190 e em 32 outros pedidos firmes de Embraer 190. Esses últimos estão sujeitos a confirmação pela empresa aérea. A empresa não informou valores, mas a troca deve trazer aumento de receita, já que os 190 têm preço maior que os 170, segundo os analistas de investimento.

Desde o início do pregão, a maior baixa do índice é registrada por Embratel PN (-6,32%), após a divulgação do balanço anual, classificado por um operador como "muito ruim". A média das expectativas apontava para um lucro líquido de R$ 277 milhões no ano passado. Entretanto, a empresa apresentou resultado de R$ 174,3 milhões. A frustração, segundo apurou a repórter Graziella Valenti, ocorreu com o prejuízo do quarto trimestre, que foi de R$ 16,9 milhões, enquanto a média das expectativas apontava para lucro líquido de R$ 86 milhões.

Cesp PN volta a liderar o Ibovespa, com alta de 6,45%, após 404 transações. O impulso adicional de hoje é a publicação do aviso de edital de leilão da Companhia de Transmissão Paulista (Cteep). No cronograma está previsto, por exemplo, a publicação do edital no dia 22 deste mês, dois dias depois da data prevista pela Aneel para decidir sobre a revisão tarifária da empresa.

Ainda no setor elétrico, Eletrobrás PNB e ON sobem 3,81% e 3,87%, respectivamente, Cemig ON +2,78%, Eletropaulo PN +3,81% e Copel PNB, +3,17%. Entre as teles, Telemig Celular PN era o principal destaque de alta (+3,90%), ao lado de Tele Leste Cel PN, com ganho de 3,40%.

Os bancos também apresentam um bom desempenho hoje. Bradesco PN opera em alta de 2,70%, Itaú PN sobe 1,36%, BB ON +0,69% e Unibanco units, +0,48%.

O anúncio de que a Standard & Poor's concedeu rating "BBB-/Estável" para o risco de crédito corporativo em moeda nacional e estrangeira da Votorantim Celulose e Papel (VCP), elevando-a para a categoria de investment grade (grau de investimento), impulsiona as ações nesta sexta-feira. Os papéis PN da companhia operavam em alta de 2,43%, após 481 negócios.

Um operador destaca que, a partir da elevação do rating, várias casas revisaram a recomendação para o papel e outras iniciaram a cobertura. As ações PNB da Aracruz se beneficiam do movimento e sobem 0,63%, o que não ocorreu quando a própria companhia foi promovida a grau de investimento. Naquela época, lembra um operador, além dos preços depreciados da celulose, a empresa havia praticamente dobrado a capacidade com o investimento na Veracel, em parceria com a Stora Enso.

Ofertas - As ações da livraria Saraiva e da companhia de energia Cemar disparam hoje na Bolsa após anúncios de oferta pública. Os papéis preferenciais da Saraiva subiam há pouco 4,90%, para R$ 18,00, com 121 transações. As ações ordinárias da Cemar, negociadas no mercado de balcão, avançavam 15,79%, para R$ 0,22, com 50 transações, a maior valorização da Bolsa.

A Equatorial Energia, controladora e detentora de 65% das ações do capital votante da Cemar, protocolou ontem na CVM pedido de registro de companhia aberta e de oferta pública primária e secundária de certificados de depósito de ações de emissão própria, a ser realizada no Brasil e no Exterior (distribuição global).

Os papéis da Cemar acumulam valorização de 120% este ano. Questionada pela Bovespa no mês passado, a empresa informou que desconhecia qualquer fato que justificasse a oscilação, salvo a publicação de fatos relevantes em dezembro e janeiro informando a entrada do Pactual Latin America Power Fund no bloco de controle indireto da companhia.

A Saraiva, por sua vez, planeja realizar oferta pública primária e secundária de ações preferenciais. Os papéis serão vendidos pela própria companhia e por fundos de investimento geridos pela Investidor Profissional Gestão de Recursos.

A Company publicou hoje na imprensa aviso ao mercado em que comunica sua oferta primária e secundária de ações, num total de 15,304 milhões de ordinárias, indicando o preço de subscrição entre R$ 13 e R$ 16 por papel. Por esses valores, a companhia pretende captar R$ 221,8 milhões pela média do preço de oferta.

Risco e inflação - O cenário macroeconômico positivo é apontado como principal fator para o impulso da Bolsa na abertura do pregão. Os indicadores de inflação abaixo das estimativas do mercado animaram os investidores locais, enquanto o patamar de risco País abaixo de 250 pontos estimulou a entrada de capital externo.
(Vinícius Pinheiro)

Bookmark and Share

0 Comments:

Postar um comentário

<< Home

Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.