Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

terça-feira, janeiro 31, 2006

Don't Let Overconfidence Undo Your Winning Streak

(www.innerworth.com)

Skip has been successful in everything he has tried: sports, academics, and business. He recently started trading to prepare for his retirement. He's done well, and last week made huge profits after a long winning streak. He is psyched up and optimistic. At this point, there are two ways Skip can go. He can either stand aside, and let his optimism wane, or he can jump back in the markets, and potentially give back his profits. A study by behavioral economists Brad Barber and Terrance Odean showed that young traders like Skip tend to take unnecessary risks after a huge windfall. They overtrade and tend to end up with lower account balances than traders who did not have a windfall. Trading expert Martin Pring in "Investment Psychology Explained" notes, "after a long winning streak, almost every investor and trader falls into the trap of thinking that he is infallible." If you want to stay profitable, it is vital that you control your optimism.

Everyone wants to be good at trading. Not only will you have more money and status, but you can have pride in knowing that you've developed a skill that few possess. You are one of the elite who mastered the markets. Rewards usually go to the humble, though. The markets have a way of exposing the arrogant trader who feels omnipotent.

Martin Pring offers a few guidelines for how to control your optimism and stay profitable. The first step is recognizing that you may have a problem with pride and overconfidence. Admit that you are human, fallible, and can make mistakes. Once you admit that you are human, you will feel free and be willing to look at past trades more objectively. If you think, "I'm the greatest trader in a decade," you won't be willing to look for faults in your trading plans. But if you think, "I'm human; I'm fallible, and of course I make mistakes," you will look at your past trading plans with a critical eye and you'll surely find ways to improve.

Second, focus on potential risks before potential profits. Traders who are overly optimistic tend to focus on the positive aspects of a trade, specifically how much money they will make. It's more important to focus on how much money you may lose, however. If you focus on what you can lose, you'll avoid risky, low probability setups. You'll search for less risky trades that have a better chance of making a profit. Third, develop a clearly defined trading plan with a clear exit strategy. Determine either a point where you decide the market has moved against you or a profit objective where you take profits and close the position. Committing to a specific trading plan will help curb your over-enthusiasm.

Finally, it's useful to move profits out of your account occasionally. For example, once you reach a 20% profit objective, take the money out so you will have a feeling that you have to start over again. You may also want to take a break from trading to feel that you have to "start over," sort of like summer vacation at the end of the school year. When you come back, it will feel like starting a new school year with new challenges. This strategy will help you control feelings of overconfidence after a big win. Many traders allow overconfidence to wipe out the profits they have just made. Don't give profits back. If you stay humble, you'll increase your chances of staying profitable.

Bookmark and Share

Don't Let Overconfidence Undo Your Winning Streak

(www.innerworth.com)

Skip has been successful in everything he has tried: sports, academics, and business. He recently started trading to prepare for his retirement. He's done well, and last week made huge profits after a long winning streak. He is psyched up and optimistic. At this point, there are two ways Skip can go. He can either stand aside, and let his optimism wane, or he can jump back in the markets, and potentially give back his profits. A study by behavioral economists Brad Barber and Terrance Odean showed that young traders like Skip tend to take unnecessary risks after a huge windfall. They overtrade and tend to end up with lower account balances than traders who did not have a windfall. Trading expert Martin Pring in "Investment Psychology Explained" notes, "after a long winning streak, almost every investor and trader falls into the trap of thinking that he is infallible." If you want to stay profitable, it is vital that you control your optimism.

Everyone wants to be good at trading. Not only will you have more money and status, but you can have pride in knowing that you've developed a skill that few possess. You are one of the elite who mastered the markets. Rewards usually go to the humble, though. The markets have a way of exposing the arrogant trader who feels omnipotent.

Martin Pring offers a few guidelines for how to control your optimism and stay profitable. The first step is recognizing that you may have a problem with pride and overconfidence. Admit that you are human, fallible, and can make mistakes. Once you admit that you are human, you will feel free and be willing to look at past trades more objectively. If you think, "I'm the greatest trader in a decade," you won't be willing to look for faults in your trading plans. But if you think, "I'm human; I'm fallible, and of course I make mistakes," you will look at your past trading plans with a critical eye and you'll surely find ways to improve.

Second, focus on potential risks before potential profits. Traders who are overly optimistic tend to focus on the positive aspects of a trade, specifically how much money they will make. It's more important to focus on how much money you may lose, however. If you focus on what you can lose, you'll avoid risky, low probability setups. You'll search for less risky trades that have a better chance of making a profit. Third, develop a clearly defined trading plan with a clear exit strategy. Determine either a point where you decide the market has moved against you or a profit objective where you take profits and close the position. Committing to a specific trading plan will help curb your over-enthusiasm.

Finally, it's useful to move profits out of your account occasionally. For example, once you reach a 20% profit objective, take the money out so you will have a feeling that you have to start over again. You may also want to take a break from trading to feel that you have to "start over," sort of like summer vacation at the end of the school year. When you come back, it will feel like starting a new school year with new challenges. This strategy will help you control feelings of overconfidence after a big win. Many traders allow overconfidence to wipe out the profits they have just made. Don't give profits back. If you stay humble, you'll increase your chances of staying profitable.

Bookmark and Share

Don't Let Overconfidence Undo Your Winning Streak

(www.innerworth.com)

Skip has been successful in everything he has tried: sports, academics, and business. He recently started trading to prepare for his retirement. He's done well, and last week made huge profits after a long winning streak. He is psyched up and optimistic. At this point, there are two ways Skip can go. He can either stand aside, and let his optimism wane, or he can jump back in the markets, and potentially give back his profits. A study by behavioral economists Brad Barber and Terrance Odean showed that young traders like Skip tend to take unnecessary risks after a huge windfall. They overtrade and tend to end up with lower account balances than traders who did not have a windfall. Trading expert Martin Pring in "Investment Psychology Explained" notes, "after a long winning streak, almost every investor and trader falls into the trap of thinking that he is infallible." If you want to stay profitable, it is vital that you control your optimism.

Everyone wants to be good at trading. Not only will you have more money and status, but you can have pride in knowing that you've developed a skill that few possess. You are one of the elite who mastered the markets. Rewards usually go to the humble, though. The markets have a way of exposing the arrogant trader who feels omnipotent.

Martin Pring offers a few guidelines for how to control your optimism and stay profitable. The first step is recognizing that you may have a problem with pride and overconfidence. Admit that you are human, fallible, and can make mistakes. Once you admit that you are human, you will feel free and be willing to look at past trades more objectively. If you think, "I'm the greatest trader in a decade," you won't be willing to look for faults in your trading plans. But if you think, "I'm human; I'm fallible, and of course I make mistakes," you will look at your past trading plans with a critical eye and you'll surely find ways to improve.

Second, focus on potential risks before potential profits. Traders who are overly optimistic tend to focus on the positive aspects of a trade, specifically how much money they will make. It's more important to focus on how much money you may lose, however. If you focus on what you can lose, you'll avoid risky, low probability setups. You'll search for less risky trades that have a better chance of making a profit. Third, develop a clearly defined trading plan with a clear exit strategy. Determine either a point where you decide the market has moved against you or a profit objective where you take profits and close the position. Committing to a specific trading plan will help curb your over-enthusiasm.

Finally, it's useful to move profits out of your account occasionally. For example, once you reach a 20% profit objective, take the money out so you will have a feeling that you have to start over again. You may also want to take a break from trading to feel that you have to "start over," sort of like summer vacation at the end of the school year. When you come back, it will feel like starting a new school year with new challenges. This strategy will help you control feelings of overconfidence after a big win. Many traders allow overconfidence to wipe out the profits they have just made. Don't give profits back. If you stay humble, you'll increase your chances of staying profitable.

Bookmark and Share

TOP PICKS: PROGRAMA DE INVESTIMENTOS DEVE IMPULSIONAR VALE, DIZ BES

São Paulo, 31 - A BES Securities incluiu Vale do Rio Doce PNA na sua lista de Top Picks desta semana. A corretora acredita que o programa de investimentos para este ano, anunciado na semana passada, foi positivo para a companhia, visto que os valores divulgados não representaram uma forte aceleração de gastos, como se esperava. Ao contrário, os investimentos foram considerados adequados para sustentar o portfólio de projetos da companhia.

A corretora também indicou Pão de Açúcar PN, devido ao atraso do papel em relação aos demais ativos de varejo. A BES recomendou ainda as ações da Perdigão, na expectativa de um bom resultado da companhia no quarto trimestre. Deixaram a carteira da BES Ambev PN, Energias do Brasil ON e Gerdau Metalúrgica PN.

A Ágora Senior elevou o preço-alvo de Petrobras PN de R$ 47,00 para R$ 56,00. O preço-alvo de Bradesco PN foi colocado em revisão. A Socopa reduziu a estimativa de OHL ON de R$ 36,83 para R$ 34,06 por ação. O target de Ambev, por sua vez, foi reajustado de R$ 1.267,87 para R$ 1.310,69 por mil ações. As outras corretoras que participam da coluna Top Picks não fizeram alterações nesta semana.

Confira a lista de recomendações:

ABN AMRO REAL Preço-alvo (R$)
Vale PNA 123,37
Copel PNB 23,53
Telemar Norte Leste PNA 109,50
Petrobras PN 49,30
Telesp ON 66,44
Prazo: 12 meses

ÁGORA SENIOR Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 50,03
TIM Participações PN 8,91
Bradesco PN em revisão
Vale PNA 123,11
Petrobras PN 56,00
Prazo: dezembro/2006

BES SECURITIES Preço-alvo (R$)
Perdigão PN 101,00
Copesul ON 38,00
Pão de Açúcar PN 88,00
Vale PNA 125,94
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRADESCO CORRETORA Preço-alvo (R$)
Itaúsa PN 8,70
CSN ON 72,00
Vale PNA em revisão
Ambev PN 1.070,00
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRASCAN Preço-alvo (R$)
Gerdau PN em revisão
Brasil Telecom Operadora PN 18,54
Vale PNA 122,30
Usiminas PNA em revisão
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

COINVALORES Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 47,33
Duratex PN 45,10
Vale PNA em revisão
Telemig Celular PN 6,50
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

FATOR CORRETORA Preço-alvo (R$)
Copel PNB 29,00
Petrobras PN 46,36
NET PN 1,45
Itaúsa PN 10,69
Telemar Norte Leste PNA 115,06
Prazo: dezembro/2006

GERAÇÃO FUTURO Preço-alvo
Petrobras PN 44,95
Caemi PN 5,09
Randon PN 11,50
Forjas Taurus PN 1,76
Gerdau PN 58,37
Prazo: dezembro/2006

PROSPER Preço-alvo (R$)
Cemig ON 110,00
Vale PNA 115,00
Confab PN 4,30
CSN ON 70,00
IdeiasNet ON 4,30
Prazo: dezembro/2006

SOCOPA Preço-alvo (R$)
Itaú PN 74,50
OHL Brasil 34,06
Petrobras ON 52,52
CSN ON 70,42
Ambev PN 1.310,69
Prazo: 12 meses

UNIBANCO Preço-alvo (R$)
AmBev PN 1.038,00
Petrobras PN em revisão
Itaú PN em revisão
Cteep PN 34,40
Vale PNA 113,10
Prazo: dezembro/2006

(Téo Takar)

Bookmark and Share

TOP PICKS: PROGRAMA DE INVESTIMENTOS DEVE IMPULSIONAR VALE, DIZ BES

São Paulo, 31 - A BES Securities incluiu Vale do Rio Doce PNA na sua lista de Top Picks desta semana. A corretora acredita que o programa de investimentos para este ano, anunciado na semana passada, foi positivo para a companhia, visto que os valores divulgados não representaram uma forte aceleração de gastos, como se esperava. Ao contrário, os investimentos foram considerados adequados para sustentar o portfólio de projetos da companhia.

A corretora também indicou Pão de Açúcar PN, devido ao atraso do papel em relação aos demais ativos de varejo. A BES recomendou ainda as ações da Perdigão, na expectativa de um bom resultado da companhia no quarto trimestre. Deixaram a carteira da BES Ambev PN, Energias do Brasil ON e Gerdau Metalúrgica PN.

A Ágora Senior elevou o preço-alvo de Petrobras PN de R$ 47,00 para R$ 56,00. O preço-alvo de Bradesco PN foi colocado em revisão. A Socopa reduziu a estimativa de OHL ON de R$ 36,83 para R$ 34,06 por ação. O target de Ambev, por sua vez, foi reajustado de R$ 1.267,87 para R$ 1.310,69 por mil ações. As outras corretoras que participam da coluna Top Picks não fizeram alterações nesta semana.

Confira a lista de recomendações:

ABN AMRO REAL Preço-alvo (R$)
Vale PNA 123,37
Copel PNB 23,53
Telemar Norte Leste PNA 109,50
Petrobras PN 49,30
Telesp ON 66,44
Prazo: 12 meses

ÁGORA SENIOR Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 50,03
TIM Participações PN 8,91
Bradesco PN em revisão
Vale PNA 123,11
Petrobras PN 56,00
Prazo: dezembro/2006

BES SECURITIES Preço-alvo (R$)
Perdigão PN 101,00
Copesul ON 38,00
Pão de Açúcar PN 88,00
Vale PNA 125,94
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRADESCO CORRETORA Preço-alvo (R$)
Itaúsa PN 8,70
CSN ON 72,00
Vale PNA em revisão
Ambev PN 1.070,00
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRASCAN Preço-alvo (R$)
Gerdau PN em revisão
Brasil Telecom Operadora PN 18,54
Vale PNA 122,30
Usiminas PNA em revisão
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

COINVALORES Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 47,33
Duratex PN 45,10
Vale PNA em revisão
Telemig Celular PN 6,50
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

FATOR CORRETORA Preço-alvo (R$)
Copel PNB 29,00
Petrobras PN 46,36
NET PN 1,45
Itaúsa PN 10,69
Telemar Norte Leste PNA 115,06
Prazo: dezembro/2006

GERAÇÃO FUTURO Preço-alvo
Petrobras PN 44,95
Caemi PN 5,09
Randon PN 11,50
Forjas Taurus PN 1,76
Gerdau PN 58,37
Prazo: dezembro/2006

PROSPER Preço-alvo (R$)
Cemig ON 110,00
Vale PNA 115,00
Confab PN 4,30
CSN ON 70,00
IdeiasNet ON 4,30
Prazo: dezembro/2006

SOCOPA Preço-alvo (R$)
Itaú PN 74,50
OHL Brasil 34,06
Petrobras ON 52,52
CSN ON 70,42
Ambev PN 1.310,69
Prazo: 12 meses

UNIBANCO Preço-alvo (R$)
AmBev PN 1.038,00
Petrobras PN em revisão
Itaú PN em revisão
Cteep PN 34,40
Vale PNA 113,10
Prazo: dezembro/2006

(Téo Takar)

Bookmark and Share

TOP PICKS: PROGRAMA DE INVESTIMENTOS DEVE IMPULSIONAR VALE, DIZ BES

São Paulo, 31 - A BES Securities incluiu Vale do Rio Doce PNA na sua lista de Top Picks desta semana. A corretora acredita que o programa de investimentos para este ano, anunciado na semana passada, foi positivo para a companhia, visto que os valores divulgados não representaram uma forte aceleração de gastos, como se esperava. Ao contrário, os investimentos foram considerados adequados para sustentar o portfólio de projetos da companhia.

A corretora também indicou Pão de Açúcar PN, devido ao atraso do papel em relação aos demais ativos de varejo. A BES recomendou ainda as ações da Perdigão, na expectativa de um bom resultado da companhia no quarto trimestre. Deixaram a carteira da BES Ambev PN, Energias do Brasil ON e Gerdau Metalúrgica PN.

A Ágora Senior elevou o preço-alvo de Petrobras PN de R$ 47,00 para R$ 56,00. O preço-alvo de Bradesco PN foi colocado em revisão. A Socopa reduziu a estimativa de OHL ON de R$ 36,83 para R$ 34,06 por ação. O target de Ambev, por sua vez, foi reajustado de R$ 1.267,87 para R$ 1.310,69 por mil ações. As outras corretoras que participam da coluna Top Picks não fizeram alterações nesta semana.

Confira a lista de recomendações:

ABN AMRO REAL Preço-alvo (R$)
Vale PNA 123,37
Copel PNB 23,53
Telemar Norte Leste PNA 109,50
Petrobras PN 49,30
Telesp ON 66,44
Prazo: 12 meses

ÁGORA SENIOR Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 50,03
TIM Participações PN 8,91
Bradesco PN em revisão
Vale PNA 123,11
Petrobras PN 56,00
Prazo: dezembro/2006

BES SECURITIES Preço-alvo (R$)
Perdigão PN 101,00
Copesul ON 38,00
Pão de Açúcar PN 88,00
Vale PNA 125,94
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRADESCO CORRETORA Preço-alvo (R$)
Itaúsa PN 8,70
CSN ON 72,00
Vale PNA em revisão
Ambev PN 1.070,00
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

BRASCAN Preço-alvo (R$)
Gerdau PN em revisão
Brasil Telecom Operadora PN 18,54
Vale PNA 122,30
Usiminas PNA em revisão
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

COINVALORES Preço-alvo (R$)
Gerdau PN 47,33
Duratex PN 45,10
Vale PNA em revisão
Telemig Celular PN 6,50
Petrobras PN em revisão
Prazo: dezembro/2006

FATOR CORRETORA Preço-alvo (R$)
Copel PNB 29,00
Petrobras PN 46,36
NET PN 1,45
Itaúsa PN 10,69
Telemar Norte Leste PNA 115,06
Prazo: dezembro/2006

GERAÇÃO FUTURO Preço-alvo
Petrobras PN 44,95
Caemi PN 5,09
Randon PN 11,50
Forjas Taurus PN 1,76
Gerdau PN 58,37
Prazo: dezembro/2006

PROSPER Preço-alvo (R$)
Cemig ON 110,00
Vale PNA 115,00
Confab PN 4,30
CSN ON 70,00
IdeiasNet ON 4,30
Prazo: dezembro/2006

SOCOPA Preço-alvo (R$)
Itaú PN 74,50
OHL Brasil 34,06
Petrobras ON 52,52
CSN ON 70,42
Ambev PN 1.310,69
Prazo: 12 meses

UNIBANCO Preço-alvo (R$)
AmBev PN 1.038,00
Petrobras PN em revisão
Itaú PN em revisão
Cteep PN 34,40
Vale PNA 113,10
Prazo: dezembro/2006

(Téo Takar)

Bookmark and Share

ROSSI: OFERTA SUGERE DESCONTO DE 10% EM RELAÇÃO A PREÇO DE MERCADO

(Agência Estado)

São Paulo, 31 - A Rossi Residencial estima faixa de R$ 19,00 a R$ 23,00 para sua oferta pública primária e secundária de ações. Em média, o preço sugerido é de R$ 21,00, abaixo da cotação da ação no mercado - ao fechamento de ontem, o papel valia R$ 24,20. As contas simples sugerem que, na oferta, a empresa oferece um desconto próximo a 10% em relação ao preço do mercado para quem aderir à colocação.

No aviso distribuído hoje, a Rossi destaca que o investidor não institucional poderá efetuar a reserva das ações junto a uma única instituição, observados os valores mínimo e máximo, sem a necessidade de depósito em dinheiro. Porém a Rossi recomenda a esses investidores pessoa física que consultem a casa escolhida para verificar se esta não exigirá a manutenção de recursos em conta de investimento para fins de garantia do pedido de reserva. Segundo informações do mercado, as instituições intermediárias estão exigindo garantias dos pedidos de reserva dos papéis.

Solicitações infladas em períodos de reserva de ações, de parte de investidores que querem garantir a quantidade desejada após o rateio, têm, na avaliação de muitos participantes do mercado, gerado demandas artificiais em relação aos papéis.

Na oferta da Rossi, o início da negociação das novas ações na Bolsa está marcado para 15 de fevereiro, sendo que a liquidação financeira será dia 17. Sem a solicitação de garantias, se desejasse vender os papéis no dia de estréia, o investidor faria a movimentação a descoberto - e é essa a operação que algumas casas já desejam combater.

Na sexta-feira passada, a empresa marcou, para ontem, reunião com investidores na Bovespa, com o intuito de detalhar sua operação. Naquele mesmo dia, divulgou seu balanço de 2005 e promoveu a estréia de seus papéis no Novo Mercado da Bovespa.

De sexta até ontem, a ação acumula desvalorização de 9%. A queda dos últimos dias foi relacionada a um movimento de correção dos preços dos papéis que, em janeiro, sobem 14%. Em um ano, a valorização é de 489%. As ações ganharam fôlego especial ao final do ano passado após o mercado tomar conhecimento de sua oferta e também da colocação de papéis das concorrentes Gafisa e Company. A empresa deseja captar, aproximadamente R$ 600 milhões. Os recursos possibilitarão a liquidação total das dívidas dos acionistas decorrentes de recentes aquisições de Sociedades de Propósito Específico (SPEs). (Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

ROSSI: OFERTA SUGERE DESCONTO DE 10% EM RELAÇÃO A PREÇO DE MERCADO

(Agência Estado)

São Paulo, 31 - A Rossi Residencial estima faixa de R$ 19,00 a R$ 23,00 para sua oferta pública primária e secundária de ações. Em média, o preço sugerido é de R$ 21,00, abaixo da cotação da ação no mercado - ao fechamento de ontem, o papel valia R$ 24,20. As contas simples sugerem que, na oferta, a empresa oferece um desconto próximo a 10% em relação ao preço do mercado para quem aderir à colocação.

No aviso distribuído hoje, a Rossi destaca que o investidor não institucional poderá efetuar a reserva das ações junto a uma única instituição, observados os valores mínimo e máximo, sem a necessidade de depósito em dinheiro. Porém a Rossi recomenda a esses investidores pessoa física que consultem a casa escolhida para verificar se esta não exigirá a manutenção de recursos em conta de investimento para fins de garantia do pedido de reserva. Segundo informações do mercado, as instituições intermediárias estão exigindo garantias dos pedidos de reserva dos papéis.

Solicitações infladas em períodos de reserva de ações, de parte de investidores que querem garantir a quantidade desejada após o rateio, têm, na avaliação de muitos participantes do mercado, gerado demandas artificiais em relação aos papéis.

Na oferta da Rossi, o início da negociação das novas ações na Bolsa está marcado para 15 de fevereiro, sendo que a liquidação financeira será dia 17. Sem a solicitação de garantias, se desejasse vender os papéis no dia de estréia, o investidor faria a movimentação a descoberto - e é essa a operação que algumas casas já desejam combater.

Na sexta-feira passada, a empresa marcou, para ontem, reunião com investidores na Bovespa, com o intuito de detalhar sua operação. Naquele mesmo dia, divulgou seu balanço de 2005 e promoveu a estréia de seus papéis no Novo Mercado da Bovespa.

De sexta até ontem, a ação acumula desvalorização de 9%. A queda dos últimos dias foi relacionada a um movimento de correção dos preços dos papéis que, em janeiro, sobem 14%. Em um ano, a valorização é de 489%. As ações ganharam fôlego especial ao final do ano passado após o mercado tomar conhecimento de sua oferta e também da colocação de papéis das concorrentes Gafisa e Company. A empresa deseja captar, aproximadamente R$ 600 milhões. Os recursos possibilitarão a liquidação total das dívidas dos acionistas decorrentes de recentes aquisições de Sociedades de Propósito Específico (SPEs). (Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

ROSSI: OFERTA SUGERE DESCONTO DE 10% EM RELAÇÃO A PREÇO DE MERCADO

(Agência Estado)

São Paulo, 31 - A Rossi Residencial estima faixa de R$ 19,00 a R$ 23,00 para sua oferta pública primária e secundária de ações. Em média, o preço sugerido é de R$ 21,00, abaixo da cotação da ação no mercado - ao fechamento de ontem, o papel valia R$ 24,20. As contas simples sugerem que, na oferta, a empresa oferece um desconto próximo a 10% em relação ao preço do mercado para quem aderir à colocação.

No aviso distribuído hoje, a Rossi destaca que o investidor não institucional poderá efetuar a reserva das ações junto a uma única instituição, observados os valores mínimo e máximo, sem a necessidade de depósito em dinheiro. Porém a Rossi recomenda a esses investidores pessoa física que consultem a casa escolhida para verificar se esta não exigirá a manutenção de recursos em conta de investimento para fins de garantia do pedido de reserva. Segundo informações do mercado, as instituições intermediárias estão exigindo garantias dos pedidos de reserva dos papéis.

Solicitações infladas em períodos de reserva de ações, de parte de investidores que querem garantir a quantidade desejada após o rateio, têm, na avaliação de muitos participantes do mercado, gerado demandas artificiais em relação aos papéis.

Na oferta da Rossi, o início da negociação das novas ações na Bolsa está marcado para 15 de fevereiro, sendo que a liquidação financeira será dia 17. Sem a solicitação de garantias, se desejasse vender os papéis no dia de estréia, o investidor faria a movimentação a descoberto - e é essa a operação que algumas casas já desejam combater.

Na sexta-feira passada, a empresa marcou, para ontem, reunião com investidores na Bovespa, com o intuito de detalhar sua operação. Naquele mesmo dia, divulgou seu balanço de 2005 e promoveu a estréia de seus papéis no Novo Mercado da Bovespa.

De sexta até ontem, a ação acumula desvalorização de 9%. A queda dos últimos dias foi relacionada a um movimento de correção dos preços dos papéis que, em janeiro, sobem 14%. Em um ano, a valorização é de 489%. As ações ganharam fôlego especial ao final do ano passado após o mercado tomar conhecimento de sua oferta e também da colocação de papéis das concorrentes Gafisa e Company. A empresa deseja captar, aproximadamente R$ 600 milhões. Os recursos possibilitarão a liquidação total das dívidas dos acionistas decorrentes de recentes aquisições de Sociedades de Propósito Específico (SPEs). (Ana Paula Ragazzi)

Bookmark and Share

Rossi Residencial anuncia os dados da sua oferta de ações

Por: Camila Schoti
31/01/06 - 10h15
InfoMoney

SÃO PAULO - Mais uma empresa do setor de construção civil deverá realizar oferta pública de ações. Desta vez, a Rossi Residencial, que divulgou, nesta terça-feira, seu Prospecto Preliminar de distribuição pública primária e secundária de ações ordinárias. O código de negociação para as ações, que farão parte do segmento do Novo Mercado da Bovespa, é RSID3.

Evidenciando a preocupação da empresa com as boas práticas de governança corporativa, as ações ofertadas terão 100% de tag along, ou seja, os investidores minoritários terão direito a voto e a receber, em caso de venda de controle da companhia, um valor por ação equivalente ao pago aos acionistas majoritários.

Oferta primária e secundária
Sob a coordenação do banco de investimentos Pactual e Credit Suisse, serão distribuídas 30 milhões de ações ordinárias, sendo que 20 milhões de ações serão emitidas pela companhia e vendidas em oferta primária e 10 milhões de ações ordinárias restantes de titularidade do acionista vendedor, Roplano S.A., em oferta secundária.

O coordenador da oferta poderá ampliar a quantidade ofertada de ações em até 15% do total, ou 4,5 milhões de ações, na forma de lote adicional. Além disso, a Rossi Residencial poderá também ampliar a quantidade inicialmente ofertada em mais 20%.

Oferta de no mínimo R$ 570 milhões
A fixação do preço será feita após a efetivação dos pedidos de reservas e a conclusão do procedimento de bookbuilding. A estimativa inicial dos coordenadores é que o preço das ações ordinárias fique entre R$ 19,00 e R$ 23,00, perfazendo o montante mínimo projetado de R$ 570 milhões.

Caso os lote adicional e a opção da Rossi sejam exercidas, o valor total da oferta pode ficar em torno de R$ 952 milhões, considerando a margem superior do intervalo estimativo de preços.

O público alvo da oferta são as pessoas físicas ou jurídicas, tanto no exterior como no Brasil, inclusive clubes de investimento registrados na Bovespa, com o valor de reserva podendo ficar entre R$ 3 mil e R$ 300 mil. A oferta também destina-se a investidores institucionais e estrangeiros.

Cronograma de eventos
A publicação do aviso ao mercado ocorreu nesta terça-feira, dia 31 de janeiro, mesmo dia em que se iniciam as apresentações (roadshow). As reservas para investidores não vinculados e vinculados poderão ser feitas entre os dias 07 e 10 de fevereiro.

O preço da ação será definido no dia 13 de fevereiro, com o fim do procedimento de bookbuilding, e a liquidação financeira da operação está marcada para 17 de fevereiro. Entretanto, a cerimônia de início das operações na Bovespa está marcada para 15 de fevereiro.

Além disso, o início do prazo de exercício da opção do lote suplementar ocorre no dia 14 de fevereiro e o encerramento se dará no dia 16 de março. A data limite para a publicação do anúncio de encerramento foi marcada para 23 de março.

Bookmark and Share

Rossi Residencial anuncia os dados da sua oferta de ações

Por: Camila Schoti
31/01/06 - 10h15
InfoMoney

SÃO PAULO - Mais uma empresa do setor de construção civil deverá realizar oferta pública de ações. Desta vez, a Rossi Residencial, que divulgou, nesta terça-feira, seu Prospecto Preliminar de distribuição pública primária e secundária de ações ordinárias. O código de negociação para as ações, que farão parte do segmento do Novo Mercado da Bovespa, é RSID3.

Evidenciando a preocupação da empresa com as boas práticas de governança corporativa, as ações ofertadas terão 100% de tag along, ou seja, os investidores minoritários terão direito a voto e a receber, em caso de venda de controle da companhia, um valor por ação equivalente ao pago aos acionistas majoritários.

Oferta primária e secundária
Sob a coordenação do banco de investimentos Pactual e Credit Suisse, serão distribuídas 30 milhões de ações ordinárias, sendo que 20 milhões de ações serão emitidas pela companhia e vendidas em oferta primária e 10 milhões de ações ordinárias restantes de titularidade do acionista vendedor, Roplano S.A., em oferta secundária.

O coordenador da oferta poderá ampliar a quantidade ofertada de ações em até 15% do total, ou 4,5 milhões de ações, na forma de lote adicional. Além disso, a Rossi Residencial poderá também ampliar a quantidade inicialmente ofertada em mais 20%.

Oferta de no mínimo R$ 570 milhões
A fixação do preço será feita após a efetivação dos pedidos de reservas e a conclusão do procedimento de bookbuilding. A estimativa inicial dos coordenadores é que o preço das ações ordinárias fique entre R$ 19,00 e R$ 23,00, perfazendo o montante mínimo projetado de R$ 570 milhões.

Caso os lote adicional e a opção da Rossi sejam exercidas, o valor total da oferta pode ficar em torno de R$ 952 milhões, considerando a margem superior do intervalo estimativo de preços.

O público alvo da oferta são as pessoas físicas ou jurídicas, tanto no exterior como no Brasil, inclusive clubes de investimento registrados na Bovespa, com o valor de reserva podendo ficar entre R$ 3 mil e R$ 300 mil. A oferta também destina-se a investidores institucionais e estrangeiros.

Cronograma de eventos
A publicação do aviso ao mercado ocorreu nesta terça-feira, dia 31 de janeiro, mesmo dia em que se iniciam as apresentações (roadshow). As reservas para investidores não vinculados e vinculados poderão ser feitas entre os dias 07 e 10 de fevereiro.

O preço da ação será definido no dia 13 de fevereiro, com o fim do procedimento de bookbuilding, e a liquidação financeira da operação está marcada para 17 de fevereiro. Entretanto, a cerimônia de início das operações na Bovespa está marcada para 15 de fevereiro.

Além disso, o início do prazo de exercício da opção do lote suplementar ocorre no dia 14 de fevereiro e o encerramento se dará no dia 16 de março. A data limite para a publicação do anúncio de encerramento foi marcada para 23 de março.

Bookmark and Share

Rossi Residencial anuncia os dados da sua oferta de ações

Por: Camila Schoti
31/01/06 - 10h15
InfoMoney

SÃO PAULO - Mais uma empresa do setor de construção civil deverá realizar oferta pública de ações. Desta vez, a Rossi Residencial, que divulgou, nesta terça-feira, seu Prospecto Preliminar de distribuição pública primária e secundária de ações ordinárias. O código de negociação para as ações, que farão parte do segmento do Novo Mercado da Bovespa, é RSID3.

Evidenciando a preocupação da empresa com as boas práticas de governança corporativa, as ações ofertadas terão 100% de tag along, ou seja, os investidores minoritários terão direito a voto e a receber, em caso de venda de controle da companhia, um valor por ação equivalente ao pago aos acionistas majoritários.

Oferta primária e secundária
Sob a coordenação do banco de investimentos Pactual e Credit Suisse, serão distribuídas 30 milhões de ações ordinárias, sendo que 20 milhões de ações serão emitidas pela companhia e vendidas em oferta primária e 10 milhões de ações ordinárias restantes de titularidade do acionista vendedor, Roplano S.A., em oferta secundária.

O coordenador da oferta poderá ampliar a quantidade ofertada de ações em até 15% do total, ou 4,5 milhões de ações, na forma de lote adicional. Além disso, a Rossi Residencial poderá também ampliar a quantidade inicialmente ofertada em mais 20%.

Oferta de no mínimo R$ 570 milhões
A fixação do preço será feita após a efetivação dos pedidos de reservas e a conclusão do procedimento de bookbuilding. A estimativa inicial dos coordenadores é que o preço das ações ordinárias fique entre R$ 19,00 e R$ 23,00, perfazendo o montante mínimo projetado de R$ 570 milhões.

Caso os lote adicional e a opção da Rossi sejam exercidas, o valor total da oferta pode ficar em torno de R$ 952 milhões, considerando a margem superior do intervalo estimativo de preços.

O público alvo da oferta são as pessoas físicas ou jurídicas, tanto no exterior como no Brasil, inclusive clubes de investimento registrados na Bovespa, com o valor de reserva podendo ficar entre R$ 3 mil e R$ 300 mil. A oferta também destina-se a investidores institucionais e estrangeiros.

Cronograma de eventos
A publicação do aviso ao mercado ocorreu nesta terça-feira, dia 31 de janeiro, mesmo dia em que se iniciam as apresentações (roadshow). As reservas para investidores não vinculados e vinculados poderão ser feitas entre os dias 07 e 10 de fevereiro.

O preço da ação será definido no dia 13 de fevereiro, com o fim do procedimento de bookbuilding, e a liquidação financeira da operação está marcada para 17 de fevereiro. Entretanto, a cerimônia de início das operações na Bovespa está marcada para 15 de fevereiro.

Além disso, o início do prazo de exercício da opção do lote suplementar ocorre no dia 14 de fevereiro e o encerramento se dará no dia 16 de março. A data limite para a publicação do anúncio de encerramento foi marcada para 23 de março.

Bookmark and Share

segunda-feira, janeiro 30, 2006

IOCHPE TEM PROCURA MODESTA; AÇÃO DEVE SAIR POR VOLTA DE R$ 19,50

(Agência Estado)

São Paulo, 30 - As corretoras registraram procura modesta pelas ações da oferta pública da Iochpe-Maxion nesta segunda-feira, último dia de reservas para o público de varejo, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado. "Tivemos uma demanda razoável no varejo. A procura está um pouco mais forte no institucional", comentou o corretor de uma grande instituição nacional.

Segundo ele, a alta recente do papel teria afastado o investidor que costuma entrar nas ofertas apenas para aproveitar ganhos de curto prazo. A ação subiu cerca de 25% desde o anúncio da operação, em novembro de 2005. Desta forma, a oferta da Iochpe deve agradar principalmente aos investidores institucionais, devido ao aumento da liquidez das ações. Cerca de 30% do capital da empresa serão distribuídos no mercado.

Ainda segundo as fontes, a operação deverá fechar ao preço de R$ 19,50 por ação, o que representa um desconto de 5% sobre a cotação atual. O preço de venda será definido amanhã, quando encerra-se o bookbuilding. Há pouco, o papel era cotado a R$ 20,60, com alta de 0,24%, mas apresentava forte volatilidade, tendo oscilado de R$ 19,22 a R$ 21,50.

A oferta da Iochpe-Maxion prevê a venda de 15.864.654 ações PN, de propriedade da BNDESPar, do Fundo de Participação Social (FPS), ligado ao BNDES, e do Banco Fator. Desse montante, 15% serão colocados, prioritariamente, para investidores de varejo.

A operação poderá ser ainda acrescida de um lote suplementar de até 15% do total, fatia equivalente a até 2.379.697 ações PN, opção que cabe aos coordenadores - Unibanco (líder), JP Morgan e Banco Fator -, no prazo de 30 dias após o início da colocação, para atender a um eventual excesso de demanda. Adicionalmente, a oferta poderá ser ampliada em até 1.808.270 papéis PN, de propriedade da BNDESPar, que terão igualmente garantia firme de colocação. (Téo Takar)

Bookmark and Share

IOCHPE TEM PROCURA MODESTA; AÇÃO DEVE SAIR POR VOLTA DE R$ 19,50

(Agência Estado)

São Paulo, 30 - As corretoras registraram procura modesta pelas ações da oferta pública da Iochpe-Maxion nesta segunda-feira, último dia de reservas para o público de varejo, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado. "Tivemos uma demanda razoável no varejo. A procura está um pouco mais forte no institucional", comentou o corretor de uma grande instituição nacional.

Segundo ele, a alta recente do papel teria afastado o investidor que costuma entrar nas ofertas apenas para aproveitar ganhos de curto prazo. A ação subiu cerca de 25% desde o anúncio da operação, em novembro de 2005. Desta forma, a oferta da Iochpe deve agradar principalmente aos investidores institucionais, devido ao aumento da liquidez das ações. Cerca de 30% do capital da empresa serão distribuídos no mercado.

Ainda segundo as fontes, a operação deverá fechar ao preço de R$ 19,50 por ação, o que representa um desconto de 5% sobre a cotação atual. O preço de venda será definido amanhã, quando encerra-se o bookbuilding. Há pouco, o papel era cotado a R$ 20,60, com alta de 0,24%, mas apresentava forte volatilidade, tendo oscilado de R$ 19,22 a R$ 21,50.

A oferta da Iochpe-Maxion prevê a venda de 15.864.654 ações PN, de propriedade da BNDESPar, do Fundo de Participação Social (FPS), ligado ao BNDES, e do Banco Fator. Desse montante, 15% serão colocados, prioritariamente, para investidores de varejo.

A operação poderá ser ainda acrescida de um lote suplementar de até 15% do total, fatia equivalente a até 2.379.697 ações PN, opção que cabe aos coordenadores - Unibanco (líder), JP Morgan e Banco Fator -, no prazo de 30 dias após o início da colocação, para atender a um eventual excesso de demanda. Adicionalmente, a oferta poderá ser ampliada em até 1.808.270 papéis PN, de propriedade da BNDESPar, que terão igualmente garantia firme de colocação. (Téo Takar)

Bookmark and Share

IOCHPE TEM PROCURA MODESTA; AÇÃO DEVE SAIR POR VOLTA DE R$ 19,50

(Agência Estado)

São Paulo, 30 - As corretoras registraram procura modesta pelas ações da oferta pública da Iochpe-Maxion nesta segunda-feira, último dia de reservas para o público de varejo, segundo fontes ouvidas pela Agência Estado. "Tivemos uma demanda razoável no varejo. A procura está um pouco mais forte no institucional", comentou o corretor de uma grande instituição nacional.

Segundo ele, a alta recente do papel teria afastado o investidor que costuma entrar nas ofertas apenas para aproveitar ganhos de curto prazo. A ação subiu cerca de 25% desde o anúncio da operação, em novembro de 2005. Desta forma, a oferta da Iochpe deve agradar principalmente aos investidores institucionais, devido ao aumento da liquidez das ações. Cerca de 30% do capital da empresa serão distribuídos no mercado.

Ainda segundo as fontes, a operação deverá fechar ao preço de R$ 19,50 por ação, o que representa um desconto de 5% sobre a cotação atual. O preço de venda será definido amanhã, quando encerra-se o bookbuilding. Há pouco, o papel era cotado a R$ 20,60, com alta de 0,24%, mas apresentava forte volatilidade, tendo oscilado de R$ 19,22 a R$ 21,50.

A oferta da Iochpe-Maxion prevê a venda de 15.864.654 ações PN, de propriedade da BNDESPar, do Fundo de Participação Social (FPS), ligado ao BNDES, e do Banco Fator. Desse montante, 15% serão colocados, prioritariamente, para investidores de varejo.

A operação poderá ser ainda acrescida de um lote suplementar de até 15% do total, fatia equivalente a até 2.379.697 ações PN, opção que cabe aos coordenadores - Unibanco (líder), JP Morgan e Banco Fator -, no prazo de 30 dias após o início da colocação, para atender a um eventual excesso de demanda. Adicionalmente, a oferta poderá ser ampliada em até 1.808.270 papéis PN, de propriedade da BNDESPar, que terão igualmente garantia firme de colocação. (Téo Takar)

Bookmark and Share

Staying On Target

(Innerworth.com)

After carefully studying the fundamentals of a tech stock, Jack decided to buy 1,000 shares at $60 a share. After a recent product announcement, however, it traded at $64. Although it was higher than he had preferred, he felt it was still a good investment and figured he might as well buy at the higher price before it went even higher. As is often the case after a product announcement price jump, the price fell to $60 a share a few days later. Jack started to kick himself, "Why couldn't I wait. I knew it would fall. I should have waited. I could have saved $4,000." Jack plans to hold the position for six months and he still thinks the stock has the potential to hit $70, but he can't seem to stop berating himself for buying too soon and spending an extra $4,000. His feelings are understandable, but it's distractions like these that often throw traders off target. It's vital to continue to focus on your trading plan and not be stifled by self-reproach.

Depending on your personality, you may be prone to kick yourself for making trading mistakes. In Jack's case, he may have bought a stock at a higher price than he had hoped, but it isn't a disaster. According to his trading plan, he can reach his objective of selling at $70 in six months, and making $6,000 as he had anticipated. Many traders, though, are overly perfectionistic. They can't stop obsessing about how they could have entered and exited a trade more skillfully. Striving for high ideals is noble, but when it distracts you from focusing on your ongoing experience, it can be detrimental. For example, if Jack continues to berate himself for buying too high on this trade, he may not be able to focus on researching the next trade and developing a sound, new trading plan. He may also feel less spontaneous and creative. His mind may become filled with self-doubt and his thinking may become clouded. Striving for perfection can be much more of a distraction than a benefit in the long run.

At times of self-reproach, it's essential to talk yourself out of it. It's necessary to move from a mental state that concerns obsessing about errors to a calm, focused mindset concerned with thinking creatively. Although they may sound trite, repeating a few common sayings about trading the markets may be quite helpful: "I'm going to trade my plan and stick with it. I'm going to go where the markets take me. I'm a mere mortal; I can't control the markets. I need to accept the fact that I'm human and may make mistakes." You don't have to trade perfectly. You just have to trade profitably. Put a single trade in perspective. It's just one trade of the many trades you will make in your lifetime. You may lose or you may win, but the outcome of a single trade does not matter. What matters are your overall profits across a series of trades, not just a single trade. Rather than beat yourself up for minor mistakes, stay on target. You may make a mistake here and there, but it's all right. Take a mistake or a setback in stride and move on. If you look at the big picture and accept your human tendency to make mistakes now and then, you will increase the amount of time you spend trading with the peak performance mindset of a winning trader.

Bookmark and Share

Staying On Target

(Innerworth.com)

After carefully studying the fundamentals of a tech stock, Jack decided to buy 1,000 shares at $60 a share. After a recent product announcement, however, it traded at $64. Although it was higher than he had preferred, he felt it was still a good investment and figured he might as well buy at the higher price before it went even higher. As is often the case after a product announcement price jump, the price fell to $60 a share a few days later. Jack started to kick himself, "Why couldn't I wait. I knew it would fall. I should have waited. I could have saved $4,000." Jack plans to hold the position for six months and he still thinks the stock has the potential to hit $70, but he can't seem to stop berating himself for buying too soon and spending an extra $4,000. His feelings are understandable, but it's distractions like these that often throw traders off target. It's vital to continue to focus on your trading plan and not be stifled by self-reproach.

Depending on your personality, you may be prone to kick yourself for making trading mistakes. In Jack's case, he may have bought a stock at a higher price than he had hoped, but it isn't a disaster. According to his trading plan, he can reach his objective of selling at $70 in six months, and making $6,000 as he had anticipated. Many traders, though, are overly perfectionistic. They can't stop obsessing about how they could have entered and exited a trade more skillfully. Striving for high ideals is noble, but when it distracts you from focusing on your ongoing experience, it can be detrimental. For example, if Jack continues to berate himself for buying too high on this trade, he may not be able to focus on researching the next trade and developing a sound, new trading plan. He may also feel less spontaneous and creative. His mind may become filled with self-doubt and his thinking may become clouded. Striving for perfection can be much more of a distraction than a benefit in the long run.

At times of self-reproach, it's essential to talk yourself out of it. It's necessary to move from a mental state that concerns obsessing about errors to a calm, focused mindset concerned with thinking creatively. Although they may sound trite, repeating a few common sayings about trading the markets may be quite helpful: "I'm going to trade my plan and stick with it. I'm going to go where the markets take me. I'm a mere mortal; I can't control the markets. I need to accept the fact that I'm human and may make mistakes." You don't have to trade perfectly. You just have to trade profitably. Put a single trade in perspective. It's just one trade of the many trades you will make in your lifetime. You may lose or you may win, but the outcome of a single trade does not matter. What matters are your overall profits across a series of trades, not just a single trade. Rather than beat yourself up for minor mistakes, stay on target. You may make a mistake here and there, but it's all right. Take a mistake or a setback in stride and move on. If you look at the big picture and accept your human tendency to make mistakes now and then, you will increase the amount of time you spend trading with the peak performance mindset of a winning trader.

Bookmark and Share

Staying On Target

(Innerworth.com)

After carefully studying the fundamentals of a tech stock, Jack decided to buy 1,000 shares at $60 a share. After a recent product announcement, however, it traded at $64. Although it was higher than he had preferred, he felt it was still a good investment and figured he might as well buy at the higher price before it went even higher. As is often the case after a product announcement price jump, the price fell to $60 a share a few days later. Jack started to kick himself, "Why couldn't I wait. I knew it would fall. I should have waited. I could have saved $4,000." Jack plans to hold the position for six months and he still thinks the stock has the potential to hit $70, but he can't seem to stop berating himself for buying too soon and spending an extra $4,000. His feelings are understandable, but it's distractions like these that often throw traders off target. It's vital to continue to focus on your trading plan and not be stifled by self-reproach.

Depending on your personality, you may be prone to kick yourself for making trading mistakes. In Jack's case, he may have bought a stock at a higher price than he had hoped, but it isn't a disaster. According to his trading plan, he can reach his objective of selling at $70 in six months, and making $6,000 as he had anticipated. Many traders, though, are overly perfectionistic. They can't stop obsessing about how they could have entered and exited a trade more skillfully. Striving for high ideals is noble, but when it distracts you from focusing on your ongoing experience, it can be detrimental. For example, if Jack continues to berate himself for buying too high on this trade, he may not be able to focus on researching the next trade and developing a sound, new trading plan. He may also feel less spontaneous and creative. His mind may become filled with self-doubt and his thinking may become clouded. Striving for perfection can be much more of a distraction than a benefit in the long run.

At times of self-reproach, it's essential to talk yourself out of it. It's necessary to move from a mental state that concerns obsessing about errors to a calm, focused mindset concerned with thinking creatively. Although they may sound trite, repeating a few common sayings about trading the markets may be quite helpful: "I'm going to trade my plan and stick with it. I'm going to go where the markets take me. I'm a mere mortal; I can't control the markets. I need to accept the fact that I'm human and may make mistakes." You don't have to trade perfectly. You just have to trade profitably. Put a single trade in perspective. It's just one trade of the many trades you will make in your lifetime. You may lose or you may win, but the outcome of a single trade does not matter. What matters are your overall profits across a series of trades, not just a single trade. Rather than beat yourself up for minor mistakes, stay on target. You may make a mistake here and there, but it's all right. Take a mistake or a setback in stride and move on. If you look at the big picture and accept your human tendency to make mistakes now and then, you will increase the amount of time you spend trading with the peak performance mindset of a winning trader.

Bookmark and Share

quinta-feira, janeiro 26, 2006

Focando cenário externo, siderúrgicas se destacam na Bovespa nesta quinta-feira

Por: Cauê Todeschini de Assunção
26/01/06 - 19h53
InfoMoney

SÃO PAULO - Os papéis das principais siderúrgicas brasileiras encerraram esta quinta-feira em forte alta, acompanhando o bom momento do setor no cenário externo. Destaque para as ações de Gerdau (+5,11%), Gerdau Metalúrgica (+4,86%) e Usiminas (+4,62%).

Nas Europa, as ações dos dois maiores grupos siderúrgicos do planeta, Mittal Steel e Arcelor, fecharam esta sessão com altas de 2,5% e 1,8%, respectivamente. Já nos Estados Unidos, os principais destaques ficaram por conta de Nuccor (+2,94%) e US Steel (+1,38%).

Otimismo no mercado internacional
As ações das empresas são beneficiadas por um maior otimismo dos investidores em relação ao comportamento dos preços do aço em 2006, além da melhora das perspectivas de longo prazo para o setor.

Notícias como a do reajuste dos preços do aço inoxidável, a ser implementado pela AK Steel, e a da conclusão da aquisição da canadense Dofasco pela Arcelor, após uma guerra de ofertas com a ThyssenKrupp, reavivaram o ânimo dos investidores.

Longos têm a preferência
No cenário doméstico, as perspectivas de queda da taxa de juro trazem certo otimismo ao setor, principalmente no segmento de aços longos, embora a percepção de grande parte dos analistas ainda permaneça, de maneira geral, negativa.

Vale destacar também que os papéis das siderúrgicas haviam ficado um pouco defasados em relação aos de outros setores neste início de ano, fato que pode ter motivado uma recuperação mais expressiva.

Bookmark and Share

Focando cenário externo, siderúrgicas se destacam na Bovespa nesta quinta-feira

Por: Cauê Todeschini de Assunção
26/01/06 - 19h53
InfoMoney

SÃO PAULO - Os papéis das principais siderúrgicas brasileiras encerraram esta quinta-feira em forte alta, acompanhando o bom momento do setor no cenário externo. Destaque para as ações de Gerdau (+5,11%), Gerdau Metalúrgica (+4,86%) e Usiminas (+4,62%).

Nas Europa, as ações dos dois maiores grupos siderúrgicos do planeta, Mittal Steel e Arcelor, fecharam esta sessão com altas de 2,5% e 1,8%, respectivamente. Já nos Estados Unidos, os principais destaques ficaram por conta de Nuccor (+2,94%) e US Steel (+1,38%).

Otimismo no mercado internacional
As ações das empresas são beneficiadas por um maior otimismo dos investidores em relação ao comportamento dos preços do aço em 2006, além da melhora das perspectivas de longo prazo para o setor.

Notícias como a do reajuste dos preços do aço inoxidável, a ser implementado pela AK Steel, e a da conclusão da aquisição da canadense Dofasco pela Arcelor, após uma guerra de ofertas com a ThyssenKrupp, reavivaram o ânimo dos investidores.

Longos têm a preferência
No cenário doméstico, as perspectivas de queda da taxa de juro trazem certo otimismo ao setor, principalmente no segmento de aços longos, embora a percepção de grande parte dos analistas ainda permaneça, de maneira geral, negativa.

Vale destacar também que os papéis das siderúrgicas haviam ficado um pouco defasados em relação aos de outros setores neste início de ano, fato que pode ter motivado uma recuperação mais expressiva.

Bookmark and Share

Focando cenário externo, siderúrgicas se destacam na Bovespa nesta quinta-feira

Por: Cauê Todeschini de Assunção
26/01/06 - 19h53
InfoMoney

SÃO PAULO - Os papéis das principais siderúrgicas brasileiras encerraram esta quinta-feira em forte alta, acompanhando o bom momento do setor no cenário externo. Destaque para as ações de Gerdau (+5,11%), Gerdau Metalúrgica (+4,86%) e Usiminas (+4,62%).

Nas Europa, as ações dos dois maiores grupos siderúrgicos do planeta, Mittal Steel e Arcelor, fecharam esta sessão com altas de 2,5% e 1,8%, respectivamente. Já nos Estados Unidos, os principais destaques ficaram por conta de Nuccor (+2,94%) e US Steel (+1,38%).

Otimismo no mercado internacional
As ações das empresas são beneficiadas por um maior otimismo dos investidores em relação ao comportamento dos preços do aço em 2006, além da melhora das perspectivas de longo prazo para o setor.

Notícias como a do reajuste dos preços do aço inoxidável, a ser implementado pela AK Steel, e a da conclusão da aquisição da canadense Dofasco pela Arcelor, após uma guerra de ofertas com a ThyssenKrupp, reavivaram o ânimo dos investidores.

Longos têm a preferência
No cenário doméstico, as perspectivas de queda da taxa de juro trazem certo otimismo ao setor, principalmente no segmento de aços longos, embora a percepção de grande parte dos analistas ainda permaneça, de maneira geral, negativa.

Vale destacar também que os papéis das siderúrgicas haviam ficado um pouco defasados em relação aos de outros setores neste início de ano, fato que pode ter motivado uma recuperação mais expressiva.

Bookmark and Share

Com forte volume, Ibovespa fecha em alta, a inéditos 38 mil pontos

Por: Equipe InfoMoney
26/01/06 - 19h52
InfoMoney

SÃO PAULO - Beneficiado pelo bom desempenho de Wall Street e pela tranqüilidade proveniente do depoimento do ministro Antonio Palocci à CPI dos Bingos, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou em alta de 1,64%, a 38.014 pontos, marcando novo recorde histórico de fechamento. O volume financeiro foi expressivo e movimentou R$ 2,869 bilhões.

As principais bolsas norte-americanas avançavam, com destaque para os papéis das gigantes Caterpillar e Lockheed Martin, que publicaram lucros trimestrais acima do esperado. O otimismo nas referências acionárias dos EUA contaminou as negociações na bolsa paulista.

Outro fator por trás da valorização do Ibovespa nesta quinta-feira foi a queda do risco país. Refletindo o bom desempenho dos títulos da dívida externa brasileira, o indicador se aproximou dos 260 pontos base, em seu novo piso histórico, contribuindo para o ingresso de recursos no país.

Depoimento de Palocci não assustou, mais uma vez
Antes um fator de certa preocupação entre os investidores, o depoimento de Palocci à CPI dos Bingos não trouxe maiores turbulências ao mercado. O ministro da Fazenda negou qualquer esquema de corrupção quando de seu mandato como prefeito de Ribeirão Preto e descartou a possibilidade de se candidatar a algum cargo nas eleições deste ano.

Entre os indicadores econômicos divulgados no âmbito doméstico, destaque para a ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). O documento não deu sinais a respeito de uma eventual maior velocidade do processo de afrouxamento monetário, mas enfatizou que a aceleração da inflação verificada no início deste ano é apenas pontual, de caráter fundamentalmente sazonal.

A percepção de que a escalada nos preços em janeiro não contamina a expectativa de inflação de longo prazo trouxe ânimo ao mercado, à medida que parece permitir um processo consistente de redução do juro básico brasileiro.

Em sua segunda forte alta consecutiva, as ações preferenciais da Bradespar, holding com participação significativa na Vale do Rio Doce, dispararam e subiram 7,96%, para R$ 75,95, ainda sob a influência do anúncio de incorporação das ações da CAEMI pela maior mineradora brasileira.

Em contrapartida, as ações ordinárias da Light recuaram 3,21% nesta quinta-feira, para R$ 15,63, com investidores dando seqüência ao movimento de realização de lucros iniciado no pregão anterior, após quatro sessões consecutivas em alta.

Dólar na casa dos R$ 2,23
No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,2310, o que representa uma queda de 0,76% frente ao fechamento anterior. A queda do risco país, uma menor intensidade das atuações do Banco Central no câmbio e o depoimento de Palocci pressionaram a cotação da moeda norte-americana.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 130,55% de seu valor de face, o que representa uma queda de 0,42%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 265 pontos base, baixa de 5 pontos base em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA: maior em alta em três semanas
Nos Estados Unidos, favorecidas pela publicação de resultados corporativos acima do esperado, as principais bolsas do país operam com sua maior valorização em três semanas.

O índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, opera em alta de 1,01% e atinge 10.818 pontos. Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite valoriza-se 0,97% a 2.282 pontos, da mesma forma, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, subiu 0,83% a 1.275 pontos.

Na Europa, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt registrou alta de 2,24% e atingiu 5.549 pontos; no mesmo sentido, o índice CAC 40 da bolsa de Paris valorizou-se 1,79% chegando a 4.877 pontos e o FTSE 100, da bolsa de Londres, subiu 0,32% a 5.723 pontos.

Dois índices de preços saem na sexta-feira
Na sexta-feira, são esperados o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor-15) do IBGE, que reflete a inflação nacional entre os dias 15 de dezembro e 15 de janeiro, e o IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor - Fipe), da terceira quadrissemana de janeiro.

Nos Estados Unidos, serão divulgados os números da prévia do GDP, sigla em inglês para Produto Interno Bruto, e de seu deflator. Ambos refletem a produção econômica real do quarto trimestre de 2005.

A agenda da semana termina com o New Home Sales de dezembro, que mostra o número de casas novas nos EUA com compromisso de venda para dezembro do ano passado. Interessa, portanto, ao setor imobiliário e à economia como um todo.

Bookmark and Share

Com forte volume, Ibovespa fecha em alta, a inéditos 38 mil pontos

Por: Equipe InfoMoney
26/01/06 - 19h52
InfoMoney

SÃO PAULO - Beneficiado pelo bom desempenho de Wall Street e pela tranqüilidade proveniente do depoimento do ministro Antonio Palocci à CPI dos Bingos, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou em alta de 1,64%, a 38.014 pontos, marcando novo recorde histórico de fechamento. O volume financeiro foi expressivo e movimentou R$ 2,869 bilhões.

As principais bolsas norte-americanas avançavam, com destaque para os papéis das gigantes Caterpillar e Lockheed Martin, que publicaram lucros trimestrais acima do esperado. O otimismo nas referências acionárias dos EUA contaminou as negociações na bolsa paulista.

Outro fator por trás da valorização do Ibovespa nesta quinta-feira foi a queda do risco país. Refletindo o bom desempenho dos títulos da dívida externa brasileira, o indicador se aproximou dos 260 pontos base, em seu novo piso histórico, contribuindo para o ingresso de recursos no país.

Depoimento de Palocci não assustou, mais uma vez
Antes um fator de certa preocupação entre os investidores, o depoimento de Palocci à CPI dos Bingos não trouxe maiores turbulências ao mercado. O ministro da Fazenda negou qualquer esquema de corrupção quando de seu mandato como prefeito de Ribeirão Preto e descartou a possibilidade de se candidatar a algum cargo nas eleições deste ano.

Entre os indicadores econômicos divulgados no âmbito doméstico, destaque para a ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). O documento não deu sinais a respeito de uma eventual maior velocidade do processo de afrouxamento monetário, mas enfatizou que a aceleração da inflação verificada no início deste ano é apenas pontual, de caráter fundamentalmente sazonal.

A percepção de que a escalada nos preços em janeiro não contamina a expectativa de inflação de longo prazo trouxe ânimo ao mercado, à medida que parece permitir um processo consistente de redução do juro básico brasileiro.

Em sua segunda forte alta consecutiva, as ações preferenciais da Bradespar, holding com participação significativa na Vale do Rio Doce, dispararam e subiram 7,96%, para R$ 75,95, ainda sob a influência do anúncio de incorporação das ações da CAEMI pela maior mineradora brasileira.

Em contrapartida, as ações ordinárias da Light recuaram 3,21% nesta quinta-feira, para R$ 15,63, com investidores dando seqüência ao movimento de realização de lucros iniciado no pregão anterior, após quatro sessões consecutivas em alta.

Dólar na casa dos R$ 2,23
No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,2310, o que representa uma queda de 0,76% frente ao fechamento anterior. A queda do risco país, uma menor intensidade das atuações do Banco Central no câmbio e o depoimento de Palocci pressionaram a cotação da moeda norte-americana.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 130,55% de seu valor de face, o que representa uma queda de 0,42%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 265 pontos base, baixa de 5 pontos base em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA: maior em alta em três semanas
Nos Estados Unidos, favorecidas pela publicação de resultados corporativos acima do esperado, as principais bolsas do país operam com sua maior valorização em três semanas.

O índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, opera em alta de 1,01% e atinge 10.818 pontos. Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite valoriza-se 0,97% a 2.282 pontos, da mesma forma, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, subiu 0,83% a 1.275 pontos.

Na Europa, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt registrou alta de 2,24% e atingiu 5.549 pontos; no mesmo sentido, o índice CAC 40 da bolsa de Paris valorizou-se 1,79% chegando a 4.877 pontos e o FTSE 100, da bolsa de Londres, subiu 0,32% a 5.723 pontos.

Dois índices de preços saem na sexta-feira
Na sexta-feira, são esperados o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor-15) do IBGE, que reflete a inflação nacional entre os dias 15 de dezembro e 15 de janeiro, e o IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor - Fipe), da terceira quadrissemana de janeiro.

Nos Estados Unidos, serão divulgados os números da prévia do GDP, sigla em inglês para Produto Interno Bruto, e de seu deflator. Ambos refletem a produção econômica real do quarto trimestre de 2005.

A agenda da semana termina com o New Home Sales de dezembro, que mostra o número de casas novas nos EUA com compromisso de venda para dezembro do ano passado. Interessa, portanto, ao setor imobiliário e à economia como um todo.

Bookmark and Share

Com forte volume, Ibovespa fecha em alta, a inéditos 38 mil pontos

Por: Equipe InfoMoney
26/01/06 - 19h52
InfoMoney

SÃO PAULO - Beneficiado pelo bom desempenho de Wall Street e pela tranqüilidade proveniente do depoimento do ministro Antonio Palocci à CPI dos Bingos, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrou em alta de 1,64%, a 38.014 pontos, marcando novo recorde histórico de fechamento. O volume financeiro foi expressivo e movimentou R$ 2,869 bilhões.

As principais bolsas norte-americanas avançavam, com destaque para os papéis das gigantes Caterpillar e Lockheed Martin, que publicaram lucros trimestrais acima do esperado. O otimismo nas referências acionárias dos EUA contaminou as negociações na bolsa paulista.

Outro fator por trás da valorização do Ibovespa nesta quinta-feira foi a queda do risco país. Refletindo o bom desempenho dos títulos da dívida externa brasileira, o indicador se aproximou dos 260 pontos base, em seu novo piso histórico, contribuindo para o ingresso de recursos no país.

Depoimento de Palocci não assustou, mais uma vez
Antes um fator de certa preocupação entre os investidores, o depoimento de Palocci à CPI dos Bingos não trouxe maiores turbulências ao mercado. O ministro da Fazenda negou qualquer esquema de corrupção quando de seu mandato como prefeito de Ribeirão Preto e descartou a possibilidade de se candidatar a algum cargo nas eleições deste ano.

Entre os indicadores econômicos divulgados no âmbito doméstico, destaque para a ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária). O documento não deu sinais a respeito de uma eventual maior velocidade do processo de afrouxamento monetário, mas enfatizou que a aceleração da inflação verificada no início deste ano é apenas pontual, de caráter fundamentalmente sazonal.

A percepção de que a escalada nos preços em janeiro não contamina a expectativa de inflação de longo prazo trouxe ânimo ao mercado, à medida que parece permitir um processo consistente de redução do juro básico brasileiro.

Em sua segunda forte alta consecutiva, as ações preferenciais da Bradespar, holding com participação significativa na Vale do Rio Doce, dispararam e subiram 7,96%, para R$ 75,95, ainda sob a influência do anúncio de incorporação das ações da CAEMI pela maior mineradora brasileira.

Em contrapartida, as ações ordinárias da Light recuaram 3,21% nesta quinta-feira, para R$ 15,63, com investidores dando seqüência ao movimento de realização de lucros iniciado no pregão anterior, após quatro sessões consecutivas em alta.

Dólar na casa dos R$ 2,23
No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,2310, o que representa uma queda de 0,76% frente ao fechamento anterior. A queda do risco país, uma menor intensidade das atuações do Banco Central no câmbio e o depoimento de Palocci pressionaram a cotação da moeda norte-americana.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 130,55% de seu valor de face, o que representa uma queda de 0,42%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 265 pontos base, baixa de 5 pontos base em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA: maior em alta em três semanas
Nos Estados Unidos, favorecidas pela publicação de resultados corporativos acima do esperado, as principais bolsas do país operam com sua maior valorização em três semanas.

O índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, opera em alta de 1,01% e atinge 10.818 pontos. Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite valoriza-se 0,97% a 2.282 pontos, da mesma forma, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, subiu 0,83% a 1.275 pontos.

Na Europa, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt registrou alta de 2,24% e atingiu 5.549 pontos; no mesmo sentido, o índice CAC 40 da bolsa de Paris valorizou-se 1,79% chegando a 4.877 pontos e o FTSE 100, da bolsa de Londres, subiu 0,32% a 5.723 pontos.

Dois índices de preços saem na sexta-feira
Na sexta-feira, são esperados o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor-15) do IBGE, que reflete a inflação nacional entre os dias 15 de dezembro e 15 de janeiro, e o IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor - Fipe), da terceira quadrissemana de janeiro.

Nos Estados Unidos, serão divulgados os números da prévia do GDP, sigla em inglês para Produto Interno Bruto, e de seu deflator. Ambos refletem a produção econômica real do quarto trimestre de 2005.

A agenda da semana termina com o New Home Sales de dezembro, que mostra o número de casas novas nos EUA com compromisso de venda para dezembro do ano passado. Interessa, portanto, ao setor imobiliário e à economia como um todo.

Bookmark and Share

terça-feira, janeiro 24, 2006

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA COPASA MG

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: CSMG3

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 25.641.026 Ações Ordinárias.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (5.128.205 Ações).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 6/2/2006.

Início da Negociação: 8/2/2006.

Liquidação: 10/2/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Até o limite de R$ 5.000,00 o critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;
Uma vez atendido o critério do item (1) acima, as ações destinadas à oferta de varejo remanescentes serão rateadas proporcionalmente entre todos os investidores não-institucionais.

Cronograma Indicativo

Ordem dos Eventos Eventos Data Prevista
1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/1/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/1/2006
3 Início do Road Show 18/1/2006
4 Início do Período de Reserva 25/1/2006
5 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Vinculados 26/1/2006
6 Encerramento do Roadshow 3/2/2006
7 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Não-vinculados 3/2/2006
8 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 6/2/2006
9 Fixação do Preço de Distribuição por Ação 6/2/2006
10 Assinatura do Contrato de Distribuição e do International Agency and Purchase Agreement 6/2/2006
11 Publicação do Anúncio de Início 7/2/2006
12 Início do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 7/2/2006
13 Início da Negociação das Ações na BOVESPA 8/2/2006
14 Data de Liquidação da Oferta Global 10/2/2006
15 Fim do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 8/3/2006
16 Publicação do Anúncio de Encerramento 15/3/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.
Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA COPASA MG

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: CSMG3

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 25.641.026 Ações Ordinárias.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (5.128.205 Ações).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 6/2/2006.

Início da Negociação: 8/2/2006.

Liquidação: 10/2/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Até o limite de R$ 5.000,00 o critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;
Uma vez atendido o critério do item (1) acima, as ações destinadas à oferta de varejo remanescentes serão rateadas proporcionalmente entre todos os investidores não-institucionais.

Cronograma Indicativo

Ordem dos Eventos Eventos Data Prevista
1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/1/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/1/2006
3 Início do Road Show 18/1/2006
4 Início do Período de Reserva 25/1/2006
5 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Vinculados 26/1/2006
6 Encerramento do Roadshow 3/2/2006
7 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Não-vinculados 3/2/2006
8 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 6/2/2006
9 Fixação do Preço de Distribuição por Ação 6/2/2006
10 Assinatura do Contrato de Distribuição e do International Agency and Purchase Agreement 6/2/2006
11 Publicação do Anúncio de Início 7/2/2006
12 Início do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 7/2/2006
13 Início da Negociação das Ações na BOVESPA 8/2/2006
14 Data de Liquidação da Oferta Global 10/2/2006
15 Fim do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 8/3/2006
16 Publicação do Anúncio de Encerramento 15/3/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.
Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA COPASA MG

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: CSMG3

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 25.641.026 Ações Ordinárias.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (5.128.205 Ações).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 6/2/2006.

Início da Negociação: 8/2/2006.

Liquidação: 10/2/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Até o limite de R$ 5.000,00 o critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;
Uma vez atendido o critério do item (1) acima, as ações destinadas à oferta de varejo remanescentes serão rateadas proporcionalmente entre todos os investidores não-institucionais.

Cronograma Indicativo

Ordem dos Eventos Eventos Data Prevista
1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/1/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/1/2006
3 Início do Road Show 18/1/2006
4 Início do Período de Reserva 25/1/2006
5 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Vinculados 26/1/2006
6 Encerramento do Roadshow 3/2/2006
7 Encerramento do Período de Reserva para Investidores Não-vinculados 3/2/2006
8 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 6/2/2006
9 Fixação do Preço de Distribuição por Ação 6/2/2006
10 Assinatura do Contrato de Distribuição e do International Agency and Purchase Agreement 6/2/2006
11 Publicação do Anúncio de Início 7/2/2006
12 Início do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 7/2/2006
13 Início da Negociação das Ações na BOVESPA 8/2/2006
14 Data de Liquidação da Oferta Global 10/2/2006
15 Fim do Prazo para o Exercício da Opção de Ações Suplementares 8/3/2006
16 Publicação do Anúncio de Encerramento 15/3/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.
Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE UNITS DA VIVAX S.A.

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: VVAX11

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 16.000.000

Ações Primárias e Secundárias de Units sendo:

2.400.00 Ações Primárias de Unitis.
13.600.00 Ações Secundárias de Units.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (3.200.000 Units).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 06/02/2006.

Início da Negociação: 08/02/2006.

Liquidação: 10/02/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;

Cronograma Indicativo

1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/01/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/01/2006
3 Início do Road Show 18/01/2006
4 Início do Procedimento de Bokbuilding 18/01/2006
5 Início do Período de Reserva (incluindo para Pessoas Vinculadas) 25/01/2006
6 Encerramento do Período de Reserva para Pessoas Vinculadas 27/01/2006
7 Encerramento do Período de Reserva 03/02/2006
8 Encerramento do Road Show 06/02/2006
9 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 06/02/2006
10 Fixação do Preço por Unit 06/02/2006
11 Reunião do Conselho de Administração e aprovação do Preço por Unit e de aumento de capital 06/02/2006
12 Assinatura do Contrato de Distribuição 06/02/2006
13 Assinatura do Placement Facilitattion Agreement 06/02/2006
14 Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar 06/02/2006
15 Publicação do Anúncio de Início da oferta 07/02/2006
16 Início da negociação das Units na BOVESPA 08/02/2006
17 Data de Liquidação 10/02/2006
18 Final do Prazo para Exercício da Opção do Lote Suplementar 08/03/2006
19 Publicação do Anúncio de Encerramento 14/03/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.

Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE UNITS DA VIVAX S.A.

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: VVAX11

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 16.000.000

Ações Primárias e Secundárias de Units sendo:

2.400.00 Ações Primárias de Unitis.
13.600.00 Ações Secundárias de Units.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (3.200.000 Units).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 06/02/2006.

Início da Negociação: 08/02/2006.

Liquidação: 10/02/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;

Cronograma Indicativo

1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/01/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/01/2006
3 Início do Road Show 18/01/2006
4 Início do Procedimento de Bokbuilding 18/01/2006
5 Início do Período de Reserva (incluindo para Pessoas Vinculadas) 25/01/2006
6 Encerramento do Período de Reserva para Pessoas Vinculadas 27/01/2006
7 Encerramento do Período de Reserva 03/02/2006
8 Encerramento do Road Show 06/02/2006
9 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 06/02/2006
10 Fixação do Preço por Unit 06/02/2006
11 Reunião do Conselho de Administração e aprovação do Preço por Unit e de aumento de capital 06/02/2006
12 Assinatura do Contrato de Distribuição 06/02/2006
13 Assinatura do Placement Facilitattion Agreement 06/02/2006
14 Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar 06/02/2006
15 Publicação do Anúncio de Início da oferta 07/02/2006
16 Início da negociação das Units na BOVESPA 08/02/2006
17 Data de Liquidação 10/02/2006
18 Final do Prazo para Exercício da Opção do Lote Suplementar 08/03/2006
19 Publicação do Anúncio de Encerramento 14/03/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.

Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE UNITS DA VIVAX S.A.

Publico Alvo: Pessoa física (residente e domiciliada no país); pessoa jurídica não financeira e clubes de investimentos.

Valores da Reserva: Mínimo de R$ 1.000,00 e máxima de R$ 300.000,00

Código: VVAX11

Período de Reserva:

25/01/2006 a 27/01/2006 para pessoas vinculadas/empregados.

Ações Ofertadas: 16.000.000

Ações Primárias e Secundárias de Units sendo:

2.400.00 Ações Primárias de Unitis.
13.600.00 Ações Secundárias de Units.

Lote Suplementar: Poderá ser adicionado um lote suplementar de até 15% das ações inicialmente ofertadas (3.200.000 Units).

Precificação: Processo de bookbuilding, encerramento em 06/02/2006.

Início da Negociação: 08/02/2006.

Liquidação: 10/02/2006.

Rateio: Caso a totalidade dos pedidos de reserva sejam superior ao montante das Ações Globais, será realizado rateio proporcional entre os investidores não institucionais de acordo com o seguinte critério:
Critério será a divisão igualitária e sucessiva das Ações;

Cronograma Indicativo

1 Publicação do Aviso ao Mercado 18/01/2006
2 Disponibilização do Prospecto Preliminar 18/01/2006
3 Início do Road Show 18/01/2006
4 Início do Procedimento de Bokbuilding 18/01/2006
5 Início do Período de Reserva (incluindo para Pessoas Vinculadas) 25/01/2006
6 Encerramento do Período de Reserva para Pessoas Vinculadas 27/01/2006
7 Encerramento do Período de Reserva 03/02/2006
8 Encerramento do Road Show 06/02/2006
9 Encerramento do Procedimento de Bookbuilding 06/02/2006
10 Fixação do Preço por Unit 06/02/2006
11 Reunião do Conselho de Administração e aprovação do Preço por Unit e de aumento de capital 06/02/2006
12 Assinatura do Contrato de Distribuição 06/02/2006
13 Assinatura do Placement Facilitattion Agreement 06/02/2006
14 Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar 06/02/2006
15 Publicação do Anúncio de Início da oferta 07/02/2006
16 Início da negociação das Units na BOVESPA 08/02/2006
17 Data de Liquidação 10/02/2006
18 Final do Prazo para Exercício da Opção do Lote Suplementar 08/03/2006
19 Publicação do Anúncio de Encerramento 14/03/2006

Todas as datas previstas são meramente indicativas e estão sujeitas a alterações, suspensões ou prorrogações a critério da Companhia e dos Coordenadores da Oferta.

Os Pedidos de Reserva eventualmente realizados por Investidores Não Institucionais que sejam partes Vinculadas serão cancelados na eventualidade de haver excesso de demanda superior a um terço à quantidade de Ações Ordinárias ofertadas, nos termos do artigo 55 da Instrução CVM 400.

Bookmark and Share

segunda-feira, janeiro 23, 2006

Vale poderia ajustar minério de ferro em até 28%, sem danos às siderúrgicas

Por: Cauê Todeschini de Assunção
23/01/06 - 10h55
InfoMoney

SÃO PAULO - De acordo com relatório divulgado recentemente pelo banco de investimentos norte-americano Merrill Lynch, o cenário para o setor de mineração aponta para mais um reajuste dos preços do minério de ferro, inclusive no que diz respeito à estrutura de custos das siderúrgicas.

Com as quedas previstas para os preços do carvão siderúrgico e do frete marítimo, os analistas do banco revelam que os preços do minério de ferro podem subir até 28% em 2006 sem elevar os custos totais com matérias-primas das siderúrgicas.

Oportunidade existe, e costuma ser aproveitada

Segundo a Merrill Lynch, a oportunidade de elevação dos preços do minério de ferro costuma ser aproveitada pelas mineradoras quando o custo de outras matérias-primas recua.

Em 2005, por exemplo, quando os preços do frete marítimo recuaram 25%, o preço do minério avançou 71,5%. Ainda assim, os fabricantes de aço chineses pagaram apenas 9,6% a mais pelo produto entregue em seus portos.

A boa notícia para 2006, segundo a Merrill Lynch, é que os preços do frete marítimo começam o ano com uma queda adicional de 14%, configurando uma nova oportunidade de reajuste para as mineradoras.

Cada dólar é importante

Apesar de apontarem para outros fatores importantes em relação aos fundamentos da empresa, os analistas do banco norte-americano revelam, após análise de sensibilidade, que os números da Vale são bastante dependentes do reajuste do minério de ferro.

Para se ter uma idéia, a cada 10% de reajuste para o preço do minério de ferro, o preço alvo do ADR da mineradora, que é de US$ 60, avança cerca de 2%.

A expectativa do banco norte-americano é de que o minério de ferro suba 10% em 2006, mas é considerada bastante conservadora pelos próprios analistas.

Bookmark and Share

Vale poderia ajustar minério de ferro em até 28%, sem danos às siderúrgicas

Por: Cauê Todeschini de Assunção
23/01/06 - 10h55
InfoMoney

SÃO PAULO - De acordo com relatório divulgado recentemente pelo banco de investimentos norte-americano Merrill Lynch, o cenário para o setor de mineração aponta para mais um reajuste dos preços do minério de ferro, inclusive no que diz respeito à estrutura de custos das siderúrgicas.

Com as quedas previstas para os preços do carvão siderúrgico e do frete marítimo, os analistas do banco revelam que os preços do minério de ferro podem subir até 28% em 2006 sem elevar os custos totais com matérias-primas das siderúrgicas.

Oportunidade existe, e costuma ser aproveitada

Segundo a Merrill Lynch, a oportunidade de elevação dos preços do minério de ferro costuma ser aproveitada pelas mineradoras quando o custo de outras matérias-primas recua.

Em 2005, por exemplo, quando os preços do frete marítimo recuaram 25%, o preço do minério avançou 71,5%. Ainda assim, os fabricantes de aço chineses pagaram apenas 9,6% a mais pelo produto entregue em seus portos.

A boa notícia para 2006, segundo a Merrill Lynch, é que os preços do frete marítimo começam o ano com uma queda adicional de 14%, configurando uma nova oportunidade de reajuste para as mineradoras.

Cada dólar é importante

Apesar de apontarem para outros fatores importantes em relação aos fundamentos da empresa, os analistas do banco norte-americano revelam, após análise de sensibilidade, que os números da Vale são bastante dependentes do reajuste do minério de ferro.

Para se ter uma idéia, a cada 10% de reajuste para o preço do minério de ferro, o preço alvo do ADR da mineradora, que é de US$ 60, avança cerca de 2%.

A expectativa do banco norte-americano é de que o minério de ferro suba 10% em 2006, mas é considerada bastante conservadora pelos próprios analistas.

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.